“Ação de Graças” no Afeganistão

Presidente Donald Trump (Foto: Tom Brenner/Reuters)
Presidente Donald Trump (Foto: Tom Brenner/Reuters)

Os EUA permanecerão no país “até que tenhamos um acordo ou tenhamos uma vitória total”, revelou o presidente norte-americano

Trump fez um discurso de gratidão as tropas e sentou-se com o presidente afegão Ashraf Ghani antes de sair logo depois da meia-noite desta sexta-feira (29). Assim, voltou à Flórida, onde está passando o fim de semana de férias.

Assim, fez uma visita surpresa de Ação de Graças ao Afeganistão. Trump chegou ao campo aéreo de Bagram pouco depois das 20h30, horário local dessa quinta-feira (28).

O presidente disse às tropas que estava honrado em passar parte de suas férias com eles. “Em nenhum lugar eu prefiro celebrar esse Dia de Ação de Graças do que aqui com os guerreiros mais fortes, melhores e mais bravos da face da terra”, afirmou.

De acordo com a tradição, os repórteres estavam sob instruções rigorosas para manter a viagem em segredo para garantir a segurança do presidente no país.

O senador republicano John Barrasso, de Wyoming e um pequeno grupo de assessores, incluindo seu chefe de gabinete em exercício, secretário de imprensa e assessor de segurança nacional, participaram da viagem.

Ao contrário da visita pós-Natal do ano passado ao Iraque – a primeira a uma zona de combate ativa – a primeira-dama Melania Trump não fez a viagem.

A primeira parada de Trump foi um refeitório onde a multidão entrou em aplausos quando ele chegou. Lá, ele serviu os soldados vestidos de uniforme e sentou-se para uma refeição.

NEGOCIAÇÕES DE PAZ

Durante sua visita, Trump anunciou que os EUA e o Taleban estavam envolvidos em negociações de paz. “Estamos nos encontrando com eles”, disse ele. “E estamos dizendo que deve ser um cessar-fogo. E eles não querem fazer um cessar-fogo, mas agora eles querem fazer um cessar-fogo, acredito … vamos ver o que acontece. ”

O grupo protegia os extremistas da Al Qaeda no Afeganistão. As forças americanas e internacionais estão no terreno desde os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001.

Trump executou sua campanha em 2016 prometendo acabar com as “guerras sem fim” do país e pressionando para retirar tropas do Afeganistão e do Oriente Médio, apesar dos protestos das principais autoridades americanas, dos aliados republicanos de Trump em Washington e de muitos aliados dos EUA no exterior.

Ainda assim, ele disse, os EUA permanecerão no país “até que tenhamos um acordo ou tenhamos uma vitória total”.

*Da redação, com informações de CBN News 


LEIA MAIS

Relembre: Os 18 anos do 11 de setembro 
Donald Trump decreta o dia Nacional de Oração
Donald Trump visita Israel e anuncia paz e segurança