25.5 C
Vitória
quinta-feira, 18 agosto 2022

Ruanda vira palco de perseguição

Igrejas que não cumprirem exigências serão fechadas em Ruanda. Foto: Divulgação

Milhares de igrejas fechadas e pastores presos no país da África Oriental após exigências do governo local incoerentes com a realidade

Por Ivi Rafaela

Milhares de igrejas fechadas e pastores presos no país da África Oriental após exigências do governo local incoerentes com a realidade Manter a atividade religiosa em Ruanda, tem sido cada vez mais difícil.  Já que o governo local aprovou uma lei com várias exigências para o funcionamento das igrejas, o que tem resultado no fechamento dos templos e até em prisões. Tais exigências estão longe do alcance da maioria das igrejas locais, tendo em vista a situação de pobreza no país.

Entre as exigências, por exemplo, estão o isolamento acústico dos templos; a construção de estradas de acesso à igreja e aos complexos da igreja, às quais devem ser completamente pavimentadas, bem como a instalação de pára-raios no edifício das denominações. O que dificilmente conseguiria ser atendido pelas maiores igrejas no Brasil, mesmo sedo umas das 10 maiores potências econômicas do mundo. Em Ruanda, onde a pobreza é acentuada, essa possiblidade é muito mais distante.

De acordo com o ministério Portas Abertas, o governo do país tem sido casa vez mais intolerante nas cobranças, chegando a determinar o fechamento dos templos a qualquer momento, sem qualquer aviso prévio. Ao todo, 8 mil igrejas já foram fechadas desde 2018. E os pastores que ousaram criticar as medidas acabaram presos.

“Descobrimos que todas as igrejas estão sofrendo o mesmo destino e que mesmo as igrejas consideradas luxuosas para os padrões locais tiveram que fechar. Em uma das vilas, uma igreja foi fechada enquanto um casamento estava acontecendo. As autoridades simplesmente disseram ao casal e aos convidados que deixassem a igreja durante a cerimônia porque a igreja seria fechada”, afirmou um analista local, ao World Watch Monitor.

  • Com informação GolpspelMais

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se