26.9 C
Vitória
sábado, 26 setembro 2020

Para mulheres cristãs, a perseguição parece um estupro

Leia também

Lizi Benites, ex-dançarina do Pânico e o evangelho

Após passar um período difícil na vida, Lizi Benites, que ficou famosa como dançarina do Pânico na TV conheceu o evangelho e sua vida se transformou. Saiba mais!

Governo federal libera entrada de estrangeiros por aeroportos de todo o País

A Portaria diz ainda que o estrangeiro em viagem de visita ao País para estada de curta duração, de até 90 dias

Governo de SP irá subsidiar 161 mil computadores a professores

Doria anunciou também o repasse de R$ 352 milhões a 166 mil servidores da rede pública de ensino, entre professores, diretores e agentes da educação

Em todo o mundo, as seguidoras femininas da fé sofrem violência sexual, casamento forçado, abortos forçados, proibições de viagem e tráfico.

Durante anos, a médica nigeriana Rebecca Dali cuidou dos pobres e das viúvas de seu país. Mas foram seus esforços mais recentes – a reintegração de ex-prisioneiros do Boko Haram – que lhe renderam o prêmio humanitário Sérgio Vieira de Mello, das Nações Unidas, em 2017.

Dali oferece apoio psicológico e treinamento prático de habilidades para meninas cristãs e mulheres que sofrem com frequência de trauma intenso causado por seqüestro e agressão sexual. Muitos deles têm filhos ou estão grávidas pelos seus estupradores.

Por causa do estigma que isso traz, ela teve que evitar que as mulheres abandonassem seus filhos. E por causa de seus laços Boko Haram, essas meninas e mulheres são frequentemente banidas por suas próprias comunidades. Como resultado, Dali defende em nome dos sobreviventes cujas famílias e maridos se recusam a levar suas filhas e esposas de volta.

O trabalho de Dali serve apenas um pequeno número de milhões de mulheres em todo o mundo que sofrem de perseguição. Dos 245 milhões de cristãos atacados por sua fé no ano passado, muitos são mulheres e meninas que são especificamente e mais freqüentemente alvo de casamento forçado, estupro e outras formas de violência sexual. Estas são as conclusões da Perseguição de Gênero , um relatório do Portas Abertas que examinou as diferenças de perseguição por gênero em 33 países para mulheres e 30 países para homens. (Um relatório atualizado será lançado em março).

Enquanto o casamento forçado é o “meio mais regularmente reportado de pressionar as mulheres cristãs” e “permanece em grande parte invisível”, ao analisar os dados sobre a perseguição feminina, as pesquisadoras Helene Fisher e Elizabeth Miller descobriram que

Foto: Reprodução

Entre todas as formas de violência a mais freqüentemente notada para as mulheres foi o estupro.

A pesquisa descobriu que é uma característica comum da perseguição de mulheres cristãs em 17 países, com outras formas de agressão sexual sendo listadas para exatamente metade dos países com dados disponíveis.

Não há menções a essa forma de violência contra os homens, nem a violência doméstica é uma das pressões mencionadas como uma tática usada contra homens cristãos.

Não só as mulheres cristãs, como os prisioneiros do Boko Haram, devem lidar com o seu próprio trauma, como muitas vezes não conseguem encontrar refúgio nas comunidades de fé quando voltam para casa.

“Infelizmente, é muito comum que as comunidades cristãs não se distingam das culturas vizinhas e, como resultado, estigmatizarão suas mulheres e meninas que foram vítimas de violência”, escreveram Fisher e Miller, os autores do relatório. em uma declaração para CT.

Essa camada adicional de marginalização é tão severa que a Portas Abertas está atualmente trabalhando “para treinar líderes tanto no atendimento ao trauma quanto na teologia, o que traz cura e não amplifica ainda mais os danos da violência sexual”, escreveram Fisher e Miller.

Isso significa mudar as mentes dos homens cristãos, diz Lynn Cohick, reitor do Denver Seminary.

“Se eles aceitam como mulheres boas e justas que foram violadas, então o fator vergonha pode ser diminuído. Se os rapazes se casarem com mulheres que escaparam dos casamentos forçados, eles mostrarão que a mulher não está maculada. Mas em muitas comunidades, a virgindade é a auto-estima de uma mulher. Se estiver perdido, ela está perdida”, disse Cohick.

E a devastação raramente pára por aí. “Quando meninas e mulheres são perseguidas, seus filhos ficam traumatizados e a unidade familiar está danificada. Isso leva facilmente ao trauma generaciona”, disse um analista ao World Watch Monitor.

O estupro é freqüentemente empregado como um ato de guerra, como Katelyn Beaty escreveu para o CT em “ Why Boko Haram e ISIS Target Women ”.

Às vezes, um grupo pretende infectar as mulheres do inimigo com doenças, a fim de desestabilizar uma comunidade. Uma das inúmeras mulheres violentadas durante o genocídio de Ruanda relata seus agressores, homens hutus com HIV / AIDS, dizendo: “Nós não estamos matando você. Estamos lhe dando algo pior. Você vai morrer de morte lenta”.

Algumas mulheres são vendidas como noivas por suas famílias para aplacar um grupo insurgente; outros como escravas sexuais para financiar a campanha militar de um grupo. E ao longo da história, o estupro sistemático tem sido usado para acabar com os números de um inimigo e aumentar o número de um deles.

“É mais barato violentar uma mulher do que desperdiçar uma bala ”, Lynne Hybels relata como os combatentes do Congo implantaram estrategicamente a agressão sexual como arma de guerra.

Se eles pudessem engravidar as mulheres, melhor ainda. Toda criança nascida do ódio colocaria mais um fardo indesejado em uma comunidade que já está se recuperando.

Algumas das mulheres que conhecemos viram seus maridos serem assassinados pelos mesmos rebeldes que mais tarde os estupraram. Outros foram violentamente violados e acabaram no hospital por meses com feridas dolorosas que nunca foram curadas. E todos sofreram com o estigma e a vergonha envolvidos injustamente em torno de vítimas de violência sexual.

Confira aqui a Lista dos países mais perseguidos do mundo

Embora a violência sexual seja uma das principais armas para perseguir mulheres, governos, instituições e indivíduos têm outras maneiras de assediá-las, observa o relatório da Perseguição de Gênero:

Longe de ser cega quanto ao gênero, a perseguição explora todas as vulnerabilidades disponíveis que as mulheres têm, incluindo: falta de acesso à educação, à saúde ou à infraestrutura; divórcio forçado; proibições de viagem; tráfico; viuvez; encarceramento em unidade psiquiátrica; abortos forçados ou contracepção; sendo negado o acesso ao trabalho ou a escolha de um cônjuge cristão.

Com as mulheres constituindo mais da metade da igreja , os homens cristãos devem ver a si mesmos como tendo seu próprio papel a desempenhar na abordagem das necessidades das mulheres sobreviventes em suas comunidades de fé, dizem Fisher e Miller. (De acordo com os dados do Pew Research Center de 2016, cerca de 33,7% das mulheres do mundo se identificam como cristãs, em comparação com os 29,9% dos homens).

“Esta não é uma questão feminina; essa é uma questão que afeta toda a família da igreja e, portanto, toda a família da igreja é chamada a fazer parte da solução, junto com nossas irmãs cristãs ”, escreveram.

*Morgan Lee, Com informações de Christianity Today


Leia mais

Mulheres cristãs se reúnem para orar pela Igreja Perseguida 
Qual o perfil da mulher cristã hoje?
Mulheres – De auxiliadoras a provedoras do lar
Elizabeth George: O Coração da Mulher que Ora

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Lizi Benites, ex-dançarina do Pânico e o evangelho

Após passar um período difícil na vida, Lizi Benites, que ficou famosa como dançarina do Pânico na TV conheceu o evangelho e sua vida se transformou. Saiba mais!

Miriam Jones: A centenária pregadora do evangelho

Desde que aceitou Jesus aos 50 anos, Miriam Jones não faz outra coisa a não ser pregar o evangelho. Saiba mais!

É hoje! Live a favor da igreja perseguida às 19h

O cantor Paulo César Baruk recebe Rebeca Nemer, Eyshila, Davi Lago, Rachel Novaes e outros artistas para a live solidária "Seja um com eles", a favor da igreja perseguida.l Saiba mais

Brasileiros que impulsionam o evangelho no Japão

Imigrantes brasileiros espalham o Evangelho no Japão, que tem apenas 1,1% de cristãos, um campo missionário a ser explorado. Saiba mais!

“Caminho no deserto” com Nivea Soares

A famosa canção "Caminho no deserto", que ficou conhecida na voz de Soraya de Moraes, agora ganhou uma versão, com Nívea Soares.

Pastor impediu o suicídio: “Deus me mandou aqui pra te salvar”

Vítima tinha problemas na família e fazia uso de medicamentos controlados. Saiba mais!

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

Confrajovem 2020 será online; Saiba mais!

O Confrajovem é um evento anual da Lagoinha Matriz que atrai jovens do mundo inteiro para adorar e buscar a Deus em uma só voz. Neste ano o evento será on-line. Saiba mais!

Live: Lançamento do Evangelho de João em Libras

Lançamento do evangelho de João em Libras será nesta sexta-feira, 25, pelo Youtube. Saiba mais!

Live Elementos Essenciais do Discipulado

Como os Estudos da Bíblia de Discipulado podem ser usados em microgrupos de discipulado entre pessoas recentes na fé. Saiba mais!

Live solidária: artistas em favor da Igreja Perseguida

Denominado de "Seja um com eles", a live solidária é um grito de ajuda a igreja perseguida. Paulo César Baruk, Rebeca Nemer, Eyshila, André Aquino são alguns dos convidados. Saiba mais!
- Publicidade -

Plugue-se

Novo álbum de Gabriela Rocha em parceria com Spotify

Gabriela Rocha ficou conhecida mundialmente e soma mais de 2 bilhões no YouTube. Saiba mais!

Priscilla Alcântara dá voz a trilha sonora de “A caminho da Lua”

"Vou voar", canção-tema da animação "A Caminho da Lua" está disponível em todas as plataformas na voz de Priscilla Alcântara. Filme estreia na Netflix...

Uma história real: “Já não sou eu quem vive”

"Já não sou eu quem vive", é uma história baseada no diário de uma jovem cristã, em meio à pandemia, em Manaus (AM). Saibamais!

Fred Arrais: “quero deixar a minha marca”

Com história na música cristã através do movimento worship, Fred Arrais inicia um novo momento na sua carreira com a Sony, com um objetivo: "vou cantar minha vida, minha história", diz