Marielle, presente! Igreja, ausente!

O assassinato de Marielle Franco foi de fato um ato brutal e mostrou mais uma vez a cara bandida do Rio de Janeiro

O assassinato de Marielle Franco foi de fato um ato brutal e mostrou mais uma vez a cara bandida do Rio de Janeiro

Mas o que eu realmente não entendo é que as favelas, de onde a vereadora veio, é o território mais evangelizado daquela cidade.

Alguns anos atrás, dona Zica, esposa do Cartola e uma das fundadoras da escola de samba Mangueira, deu uma entrevista na TV mostrando todo o seu desespero ao falar que seu neto, que todos tinham grande esperança de ser um grande sambista, havia se tornado mais um “bíblia”. Disse ela: “Os ‘bíblias’ estão tomando o morro!”.

Mas a impressão que tenho é que, quanto mais igrejas tem um morro, uma favela ou uma periferia, mais violenta, mais bandidos, mais droga a região tem. Parece-me que, quanto mais a Igreja se faz presente, menos ela influencia, menos ela forma, menos ela transforma.

Creio que está chegando a hora de fazermos um mea-culpa, encarar a questão e passar um “zap-zap” pro Paulo autorizar mudar Romanos 12:2 para: “E vos conformeis com este século e não transformais-vos nem renovem suas mentes, pois só assim poderão experimentar a boa, agradável e perfeita vontade do seu pastor”. Vade retro, coisa-ruim.


Leia mais:

Os extremos políticos definindo o direito ou não à vida
Morte da vereadora: “A sociedade está enferma, perdeu os valores”

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!