ES – Igreja e Estado contra violência em mulheres

Foto: Divulgação

Pela primeira vez, pastoras e líderes ministeriais das Igrejas evangélicas do ES se reuniram com o governo para discutir ações para diminuir os casos de violência contra as mulheres

Um encontro inédito aconteceu no Espírito Santo para a implantação de ações voltadas para o combate a violência contra a mulher. A parceria entre o governo do Estado com Igrejas evangélicas marca o início de uma série de projetos que deverão ser implantados no Estado para diminuir os casos de violência entre elas.

O primeiro encontro aconteceu na vice-governadoria, que funciona no Palácio da Fonte Grande, em Vitória (ES). Liderado pela própria vice-governadora, Jacqueline Moraes, a reunião contou com a participação de pastoras, esposas de pastores, líderes de ministérios de várias igrejas evangélicas do Estado.

“Esse foi o primeiro encontro de muitos. Foi um momento de reflexão com as mulheres que ocupam a liderança das igrejas evangélicas. Ouvimos depoimentos de pastores sobre como deve ser tratada a questão da violência doméstica das mulheres. Apresentamos propostas que o governo tem para essa situação. Entendemos que é necessário ações rápidas, concretas, com a ajuda da Igreja porque a violência contra a mulher atinge também os filhos”, explicou Jacqueline.

As mulheres evangélicas são 40% das vítimas de agressões físicas e verbais no Brasil. E a igreja não deve se calar diante disso.

Andreia Bolzan. Foto: Arquivo pessoal

“Vemos o empoderamento feminino sendo trabalhado pelas instituições sociais, mas deveríamos trabalhar também com os meios religiosos, para que os conceitos fundamentais sejam trabalhados de forma correta e não sejam deturpados.

Não basta apenas orar, mas precisamos de ações efetivas dentro da comunidade religiosa que informe os direitos das mulheres e trate os agressores. A igreja tem a parcela de contribuição nisso”, disse Andreia Bolzan, da Igreja Batista Evangélica Vitória do Espírito Santo.

A professora que atua como líder de Célula na igreja considerou o encontro como inovador.

“Achei a iniciativa inovadora para discutir esse tema, que é tão urgente para a sociedade. Saímos da reunião com a proposta da criação de um Fórum para que possamos ter ações práticas que pudessem diminuir esses índices. Queremos fazer parte dessa história na solução para a violência contra a mulher”, declarou.

Foto: Divulgação
Semana da Justiça

Nesta segunda (11), o Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) deu início às atividades da 13ª edição da Semana Nacional da Justiça pela Paz em Casa. As mulheres recebem atendimento social, jurídico e psicológico através de um ônibus rosa do Juizado Itinerante da Lei Maria da Penha.

As ações vão até a próxima sexta (15). A semana Naiconal da Justiça pela Paz traz discussões e ações para combater a violência doméstica e familiar contra a mulher

“Para fazer o atendimento a essas mulheres, é preciso ter o mínimo de conhecimento sobre a Lei Maria da Penha, por isso acompanhamos essa inscrição de voluntariado. A Ordem participa desde a 1ª edição da Semana, por meio da Comissão, que contribui muito reunindo as advogadas interessadas em ajudar no encaminhamento da vítima de violência, orientando sobre o que é violência, onde buscar apoio, quais são as redes de proteção e realizando um esclarecimento de como evitar a violência em todos os graus”, explicou Flávia Brandão, diretora de Direitos Humanos da OAB-ES.


Leia mais

A cada minuto, 30 mulheres são vítimas de violência

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!