20 C
Vitória
terça-feira, 24 novembro 2020

Trump, Israel, os Árabes e os Acordos de Abraão

Leia também

País quer elevar comércio com a Índia, diz Guedes

"Nossos olhos brilham como vemos acordos como o da Ásia, que integram toda a região", afirmou o ministro da economia

PF faz ‘maior operação do ano’ contra o tráfico

Durante as investigações, que começaram em 2017, foram apreendidas 50 toneladas de cocaína nos portos do Brasil, da Europa e da África

Bolsonaro lamenta alta de preços de alimentos

O presidente ressaltou que sem medidas do governo federal, como a ajuda para pequena empresas e o auxílio emergencial

O Acordo é um trunfo do presidente Trump, pois fortalece a diplomacia de Washington ao unir esses importantes aliados americanos

Por Rafael Simões

O povo judeu tem uma das tradições e culturas das mais antigas da humanidade, porém, desde 70 d.C que Israel deixara de existir como um Estado.  Durante séculos os descendentes de Abraão estavam espalhados pelo mundo. Isso mudou em 14 de maio de 1948 quando David Ben- Gurion, sob autorização da Assembleia Geral da ONU, declarou a recriação do Estado judeu no Oriente médio. Desde então várias coalizões de países árabes foram formadas para destruir Israel, mas sem sucesso. Após três guerras, em 1977 o Egito foi o primeiro país da região a assinar um acordo de paz com os judeus, tendo a Jordânia feito o mesmo em 1994. Os demais países se negavam terminantemente a promover o reconhecimento de Israel, ao ponto de imporem a não participação de Israel na aliança contra Saddam Hussein na operação tempestade no Deserto (1991) para apoiá-la. Isso começou a mudar.

Em agosto de 2020 o presidente Donald Trump anunciou o fechamento de um acordo histórico entre Israel, o Bahrein e os Emirados Árabes Unidos (EAU). O tratado denominado de Acordos de Abraão, devido à ascendência abraâmica tanto de judeus quanto de árabes, regulariza as relações entre os três países e o estabelecimento de embaixadas entre eles. Esse acordo deve ser visto como muito importante, tanto que para costurá-lo o mandatário americano nomeou seu genro, Jared Kushner. O tratado engloba não apenas a normalização das relações diplomáticas entre esses importantes países, mas o prenúncio de movimentações das peças do xadrez da política internacional. Para além dos interesses óbvios dos países diretamente evolvidos estão os interesses dos Estados Unidos na região. O Acordo é um trunfo do presidente Trump, pois fortalece a diplomacia de Washington ao unir esses importantes aliados americanos. Isso se torna ainda mais importante após o esfriamento entre os Estados Unidos e a Turquia de Erdogan que está mais inclinada à Rússia.

Inda na região, apesar de negar que esteja prestes a assinar um acordo similar, a Arábia Saudita tem mudado sua abordagem para com Israel. A dinastia Saud proibiu que as mesquitas de Riad ou Meca façam pregações contra os judeus, o que era prática frequente e o ministro das relações exteriores do país tem feito críticas à Autoridade palestina como esta sendo um entrave à paz. Como pano de fundo dessa mudança de postura temos a agressividade Irã que disputa com os sauditas a hegemonia regional. Teerã é vista como agente de desestabilização e é inimiga declarada de Israel, Bahrein, EAU, Arábia Saudita e, evidentemente dos Estados Unidos. Mais do que buscar a normalização das relações os países querem a formação de uma frente única contra às investidas do país dos aiatolás. Esse fato pode ser comprovado pelos sauditas terem cogitado liberar seu espaço aéreo para auxiliar Israel em um eventual ataque contra o Irã.

Como fica bem claro aquilo que rege a política internacional são os interesses de cada um dos países envolvidos. Por mais que haja atritos e por menores o que prevalecerá é o interesse nacional. As mudanças estão ocorrendo de maneira tão vertiginosa que Israel já cogita abrir mão da exclusividade da operação dos caças americanos F-35 Lightning II em favor dos EAU, claro que fazendo imposições equivalentes. Tudo isso para pavimentar uma aliança entre nações antes inimigas, em prol da união entre o inimigo em comum: o Irã.

Rafael Simões é Coach Integral Sistêmico pela Febracis, Bacharelando em Teologia pela Faculdade Unida de Vitória (ES) e graduado em Comércio Exterior pela Faesa (ES). Instagram: @rafaelsimoescoach   

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Palestina renovou laços com Israel

O ex-ministro da AP e confidente de Abbas tentou ver o retorno à coordenação com Israel como "uma vitória de nossa grande nação"

Número 2 da Al Qaeda foi morto secretamente no Irã

Autoridades iranianas estão acobertando a morte de Abdullah. Nenhum governo reivindicou responsabilidade pela ação. Saiba mais

Apuração das eleições do EUA está demorando

Depois de dois dias de fortes altas em antecipação a uma vitória folgada de Biden e a um grande pacote de estímulo econômico

Eleições EUA: quem vai vencer o duelo?

Ânimos acirrados! O duelo entre os dois candidatos nas eleições dos EUA será definida hoje, 3. Saiba mais!

Peso Bíblico do período do Primeiro Templo

Arqueólogos israelenses encontraram uma moeda do Primeiro Templo, que era usada para trocar por sacrifícios, alimentos e oferta. Saiba mais!

Mais um acordo de paz: agora com Israel e Sudão

É o terceiro acordo de paz com Israel, mediado pelos EUA este ano. Saiba mais!

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

Seminário de ciências bíblicas em edição virtual; começa hoje

Realizado há 20 anos pela Sociedade Bíblica do Brasil, evento incentiva o estudo e capacita líderes sobre o uso da Bíblia.

Grandes artistas do Brasil no “BH profetiza”

Realizado pela cantora Camila Campos, O BH profetiza vai reunir diversos cantores, entre eles Weslei Santos, Gai Sampaio, pastora Helena Tannure e outros. Evento será transmitido ao vivo, nesta terça-feira, 17 

Conferência pastoral Fidelidade Extrema

Realizado pela Associação Evangelística Billy Graham, a Conferência começou hoje, 13 e vai até amanhã. Saiba mais!

A esperança não decepciona! Live DIP 2021 é hoje

A Missão Portas Abertas fará Live de lançamento do DIP 2021, hoje, às 19 horas para dar detalhes sobre o Domingo da igreja Perseguida. Saiba mais!
- Publicidade -

Plugue-se

Deive Leonardo grava última série do ano: Confira!

Gravação será no dia 12 de dezembro, em São José do Rio Preto (SP). Saiba mais!

Bíblia 365! Leitura em um ano da Palavra de Deus

Editora Mundo Cristão lança "Bíblia 365", diagramada especialmente para a leitura em um ano Acaba de chegar ao Brasil a Bíblia 365, lançamento da Editora...

Leonardo Gonçalves e seu “Sentido”

Projeto reúne canções que marcaram os primeiros 20 anos da vida do artista e ainda homenageia músicos que o ajudaram em sua formação e carreira musical

“Força pra encarar”, em prol da consciência negra

Os cantores Leidy Murilho, Talita Barreto e Asaph, da Sony Music se uniram pra cantar uma canção em prol da consciência negra