31.9 C
Vitória
domingo, 28 novembro 2021

Hernandes Dias Lopes: ‘Ansiedade é falta de fé’

“A ansiedade tem o poder de tirar os nossos olhos de Deus e colocá-los nas circunstâncias”

Por Marlon Max

Com o risco eminente à saúde, devido à pandemia do coronavírus, aumentou o número de pessoas que se queixam por estar mais ansiosas. De acordo com o médico psiquiatra Jovino Araújo há uma diferença entre a ansiedade normal, aquela que é apenas fruto de preocupações e da ansiedade patológica, que é diagnosticada como um distúrbio mental.

O reverendo Hernandes Dias Lopes apresenta uma série de considerações para pessoas que estão ansiosas, mas não doente. Isto é, passam o dia preocupados com o futuro, antecipando problemas e perdendo a paz com coisas que ainda não ocorreram. As considerações, entretanto, não se referem à pessoas que estão eventualmente sofrendo de um quadro clínico de depressão.

Dias Lopes classifica a ansiedade como o “mal do século, justamente por atingir pessoas de qualquer idade gênero ou até mesmo credo”. De acordo com o pastor, essas pessoas são como um barril de pólvora prontos para explodir.

“Um amigo meu chorava muito e eu lhe perguntei: Por que você está chorando? Eu tenho medo de perder minha mãe? Ela está doente? Não, mas eu choro só em pensar que um dia ela vai morrer. Outras sentem-se ameaçadas pelo medo da solidão. Outras sentem-se inseguras de perder o emprego”, contou.

O medo é mais do que um sentimento, é um espírito (2 Tm 1:7), explica o reverendo. Quando uma pessoa vive em medo, ela passa a agir de forma irracional, tentando se preservar, ou temendo pela vida de outros. “Há pessoas que têm medo do divórcio e passam os dias do matrimônio sem aproveitar a benção dada por Deus e entregues a essa ansiedade de algo que, muitas vezes, nunca irá ocorrer”, explica.

Entre tantas reações à ansiedade, o reverendo Dias Lopes aponta como ela afeta o espírito das pessoas. “A ansiedade nos afasta de Deus. Onde começa a ansiedade termina a fé. A ansiedade é o útero onde é gestada a incredulidade”, esclarece.

Dias Lopes continua para mostrar como é letal viver sob ansiedade e medo. “A ansiedade tem o poder de criar um problema que não existe. Os discípulos olharam para Jesus andando sobre as águas, vindo para socorrê-los e cheios de medo pensaram que ele era um fantasma”, relembra a passagem bíblica.

Como superar a ansiedade

foto: Reprodução

1. Saber que Deus é nosso Pai e ele conhece todas as nossas necessidades.

Vencemos a ansiedade quando confiamos em Deus. A fé é o antídoto para a ansiedade. Deus nos conhece. Ele nos ama. Ele é o nosso Pai. Ele sabe do que temos necessidade. Se pedirmos um pão, ele não nos dará uma pedra; se pedirmos um peixe, ele não nos dará uma cobra. Nele vivemos e nele existimos. Ele é o Deus que nos criou. Ele é o Deus que nos mantém a vida. Ele nos protege, nos livra, nos guarda, nos sustenta.

2. Saber que Deus já se agradou em nos dar o seu Reino

Devemos saber que Deus já nos deu coisas mais importantes do que bens materiais. Deus já nos deu tudo. Ele nos deu o seu Filho. Deu-nos a salvação. Deu-nos o seu Reino. Nós somos ovelhas do seu rebanho, filhos da sua família, servos do seu Reino. Se ele já nos deu o maior, não nos daria o menor. “Aquele que não poupou ao seu próprio Filho, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas?” (Rm 8:32).

3. Saber que quando cuidamos das coisas de Deus, ele cuida das nossas necessidades

Aqui temos uma ordem e uma promessa. A ordem é buscar o governo de Deus, a vontade de Deus, o reinado de Deus em nossos corações em primeiro lugar. Deus e não nós, deve ocupar o topo da nossa agenda. Os interesses de Deus e não os nossos devem ocupar a mente e o nosso coração. Somos desafios a buscar o governo e o domínio de Cristo em todas as áreas da nossa vida: casamento, lar, família, vida profissional, lazer.

4. Saber que devemos mudar o rumo dos nossos investimentos

O nosso problema não é a busca do prazer, mas o contentamento com um prazer muito pequeno. Deus deve ser o nosso maior prazer. Nada menos do que Deus e seu Reino devem ocupar a nossa mente e o nosso coração. O nosso problema não é fazer investimentos, mas fazer investimentos errados. Somos desafiados a buscar uma riqueza que não perece. A ajuntar tesouros não na terra. A colocarmos nosso dinheiro, nossos bens, nossa vida a serviço de Deus e do seu Reino, em vez de vivermos ansiosos ajuntando tesouros para nós mesmos.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se