26 C
Vitória
terça-feira, 18 janeiro 2022

Em depoimento à corregedoria, Flordelis se emociona

Flordelis prestou depoimento na corregedoria da Câmara. Cabe ao plenário decidir se a acusação de assassinato é ou não motivo para perda do mandato de deputada

A deputada Flordelis (PSD-RJ), acusada de ser a mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, prestou depoimento nesta terça-feira, 22, à Corregedoria da Câmara dos Deputados. Ela responde a um processo disciplinar na Casa que pode levar à cassação do mandato da parlamentar.

A parlamentar foi ouvida pelo corregedor, deputado Paulo Bengston (PTB-PA), por cerca de duas horas. A deputada falou à vontade inicialmente e depois respondeu às dez perguntas previamente elaboradas pela corregedoria. Uma das perguntas tratou das mensagens trocadas entre a deputada e o pastor Anderson do Carmo, que são alvo de investigação pela polícia.

Desta vez, Flordelis “chorou muito” em alguns momentos do depoimento. O processo está sob sigilo.

A parlamentar foi denunciada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro no mês passado como mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, ocorrido em junho do ano passado. Dois filhos dela – entres adotados e biológicos, são 55 – já estavam presos pelo crime.

A partir do dia seguinte da entrega da defesa, o corregedor tem até 45 dias para dar o seu parecer sobre o caso. Só então a Mesa Diretora vai decidir se envia o processo ao Conselho de Ética da Câmara, colegiado responsável por analisar a conduta dos parlamentares e recomendar a cassação. Cabe ao plenário, no entanto, decidir se a acusação de assassinato é ou não motivo para perda do mandato de deputada.

A investigação do MP durou mais de um ano, e os responsáveis pelo inquérito concluíram que a deputada “foi a autora intelectual, a grande cabeça desse crime”. A defesa de Flordelis nega o envolvimento da parlamentar e diz que a investigação é “contraditória e espetaculosa”.

O caso

A parlamentar responde por quebra de decoro, após ter sido indiciada como mandante da morte do marido, o pastor Anderson do Carmo. O crime aconteceu em junho do ano passado. O processo pode acabar com a perda de mandato da parlamentar.

*Com informações do Estadão e R7

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se