A igreja diante da tragédia do EUA

Alunos parkland, Flórida, EUA. Foto: Reprodução

Dezessete pessoas morreram no tiroteio em uma escola no sul da Flórida, EUA, entre adultos e jovens. E outras 14 estão hospitalizadas. Igrejas levantaram um clamor pelas famílias das vítimas.

Nesta quinta-feira (15), milhares de pessoas se reuniram em uma vigília em lembrança às vítimas do massacre realizado na escola Marjory Stoneman Douglas, em Parkland, na Flórida, no EUA. Centenas de pessoas depositaram flores, velas e foto das vítimas dos ataques perto do anfiteatro de Parkland.

Ao todo, 17 pessoas morreram e outras 14 ficaram feridas. Entre as vítimas fatais, a menina Jaime Guttenberg, de 14 anos. O pai dela, Fred Guttenberg, fez um discurso emocionado durante a homenagem. “Jamie era a luz da festa”, disse, lamentando não se lembrar se tinha se despedido da filha antes dela sair para a escola e não voltar mais para casa.

A escola foi invadida na tarde de quarta-feira (14), por Nikolas Cruz, de 19 anos, ex-aluno, expulso por problemas disciplinares. Segundo a polícia, Nikolas portava um rifle AR-15 e muita munição.

Orações

Esse foi o 18º ataque a escolas do EUA só em 2018. Em oito deles com vítimas fatais. A situação fez com que várias igrejas evangélicas do país levantassem um clamor. Cartazes foram anunciados para que as instituições do mundo orassem pelas famílias das vítimas.

“Essas pessoas precisam se sentir apoiadas e amadas neste momento tão difícil para elas. Elas precisam saber que outras pessoas estão tendo empatia pela dor delas, que a igreja na América compartilha da dor delas. E elas não estão sozinhas”, disse o pastor Abílio Rodrigues, da Missão Batista Brasileira em Bridgeport-CT.

O pastor Josias Bezerra da Silva, da Igreja Batista de Kearny, em New Jersey lidera a igreja próximo a escola onde aconteceu a tragédia. Ele relatou que a população vive com medo. Muitos estão receosos da possibilidade de um novo ataque. Segundo ele, a preocupação das autoridades e profissionais de saúde é quanto ao trauma das pessoas atingidas pelo trauma. O pastor gravou um vídeo pedindo orações para os cristãos do Brasil.

Veja o vídeo

Reflexão

O pastor Abílio propõe uma discussão das igrejas sobre o assunto, já que a violência tem se intensificado nas escolas do EUA. “É necessária uma reflexão sobre as causas dessas loucuras que acontecem aqui onde pessoas inocentes, quase sempre crianças, são mortas sem nenhuma razão aparente”, afirma.

E acrescenta que o problema começa na família, com a ausência do pai. “Aí nós entramos no problema familiar, a ausência dos pais de um modo geral, porque trabalham muito, não acompanham a vida dos filhos e não sabem o que acontece com os filhos. Ou seja, a crise pela qual a família passa aqui, no meu entendimento, leva a toda essa loucura que a gente vê”, conclui.


Veja mais

Autor da tragédia em escola do EUA diz que “ouviu demônios”
Após massacre – Alunos voltam às aulas em escola do EUA