Leonardo Gonçalves e o DVD “Princípio”

“A obra é grande porque Deus é grande, não supervalorizo os músicos que fazem sucesso mais do que você, que está na sua igreja”

Nascido em lar evangélico, de família musical, Leonardo Gonçalves tem se consagrado como um dos cantores mais queridos no meio gospel e fora dele. Tanto que foi convidado a cantar com sua esposa, Daniela Araújo, no casamento secular mais badalado do ano, o da atriz Fernanda Souza com o cantor de pagode Thiaguinho, em fevereiro último.

E não foi só entre eles que Leonardo e seu mais recente trabalho, o DVD “Princípio”, têm sido lembrados. Intérpretes e escritores do meio cristão, volta e meia, falam sobre como o novo álbum é forte e emblemático, a ponto de chegar ao Disco de Ouro em pouco mais de três meses, algo inusitado em sua carreira.

“Meus discos têm uma vida útil mais longa e sempre chegam a Disco de Ouro com dois anos de lançamento, mas estou recebendo uma resposta muita rápida de ‘Princípio’. Creio que o trabalho de divulgação da Sony Music, com ações de mídia em diversas cidades pelo Brasil afora, seja um dos pontos que fez com que tivéssemos esse resultado rápido. Mas realizei algumas mudanças nesse DVD que podem ter feito a diferença”, explicou.

O formato musical praticado tradicionalmente por Leonardo conta com um som orquestrado, só que “Princípio” veio dando um ar mais pop às canções tradicionais de seu repertório, definido com músicas dos quatro CDs anteriores com a base em piano, guitarra, baixo e bateria.

“Rearranjei meu repertório para caber nesse formato, com canções que estão na minha vida há uma década, e inserimos três novas músicas. Outra questão foi a minha imagem. Sou muito reticente com relação a isso, não gosto de fotografar, mas a minha equipe conseguiu me convencer. E, por último, o DVD foi gravado sem cortes, em sequência”, detalhou.

“Princípio” pertence a uma nova fase para o músico, depois de uma trilogia que decidiu fazer com seus três primeiros CDs. “‘Princípio e Fim’ fechou uma trilogia. Fiz álbuns sempre com duas palavras separadas pela conjunção ‘e’. A primeira música de trabalho foi a ‘Getsemani’,

no ‘Poemas e Canções’, em 2002, que fala sobre a cruz; ‘Ele Vive’ fez parte do ‘Viver e Cantar’ e fala sobre a ressurreição; ‘Novo, que faz integra o CD ‘Princípio e Fim’, destaca a volta de Jesus. Então cobri a história da redenção com três canções de trabalho, uma em cada CD.

Agora, ‘Princípio’ vem marcar uma nova fase, com a relação de 40% das canções do ‘Princípio e Fim’, e os outros 60% estão divididos com músicas dos outros trabalhos e mais três inéditas. E mais do que isso, tem uma quebra de paradigmas. ‘Princípio’ tem sentido de começo, porque pela primeira vez viram a foto do meu rosto, por assumir a questão da imagem, e por trazer nele o que para mim é essencial no cristianismo. Estamos muito entrincheirados nas nossas opiniões e nos perdemos em lugar-comum, mas o que é verdadeiramente essencial deveria nos unir. Jesus disse, em João 17:21 ‘Para que todos sejam um, como Tu, ó Pai, o és em mim, e eu em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que Tu me enviaste’. Jesus quis ensinar a sermos humanos, a vontade dEle é que amemos uns aos outros, mas vivemos cada um na sua denominação, sem união. Temos que ser um só corpo, onde Cristo é o cabeça. É isso que esse novo CD quer dizer. Queremos vê-lO face a face, mas a melhor maneira de buscar Sua face é tendo amor pelo seu próximo”, destacou.

De família adventista, o artista sempre esteve envolvido com a música. O tio é produtor musical, o pai chegou a cantar dois anos no grupo Arautos do Rei, mas só aos 15 anos Leonardo realmente resolveu trabalhar com música cantando em grupo.

“Eu adorava cantar, mas não tinha uma voz educada para isso, tinha muitos vícios vocais, apesar de ter tido uma educação razoavelmente erudita. Então orei: ‘Senhor, eu quero cantar para honrar Teu nome, se for da Tua vontade, me ajuda, porque eu não estou sabendo casar minha voz, estou atrapalhando o grupo.

Eu era autodidata e fazia tudo baseado no que eu ouvia, mas minha voz é muito anasalada, e comecei a aplicar um ensino rápido. Treinando devagar, fui tampando o nariz para aprender a cantar pela boca. Mas acredito que tudo aconteceu porque Deus estava me preparando para esse ministério que tenho hoje”, conta.

Quanto aos compromissos profissionais, com uma rotina atribulada, diz que tenta conciliar seu tempo para atender tudo, inclusive sua vida conjugal com Daniela Araújo, que também é cantora e produtora musical. “Nosso trabalho é muito mais durante o final de semana, e durante a semana estamos sempre juntos, mas agora ela está em estúdio produzindo. Sempre que posso estou lá ou ela sai mais cedo para termos um tempo juntos, e tem dado certo”, falou.

Quanto à valorização do trabalho com o sucesso que tem feito, ele explica que é preciso saber lidar com isso, principalmente em tempos de redes sociais, onde as pessoas dizem o que querem.

“As minhas postagens são 90% feitas por mim. Eu respondo e não tenho medo de dizer o que penso quando tentam me atingir, mas o que tenho certeza é que tem muito mais gente que torce e ora pelo meu trabalho e da minha esposa. A obra é grande porque Deus é grande, não supervalorizo os músicos que fazem sucesso mais do que você, que está na sua igreja. É uma obra só, uma obra de Deus. Paulo disse que fazemos parte de um corpo como cada um de seus membros e, se fosse hoje, acho que ele diria que somos células, pois elas só recebem alimento porque estão conectadas. O cabeça é Cristo, e o resto somos todos os iguais, ligados para compor o corpo.

O assédio que todo mundo fala que os cantores têm, não acho tão difícil quanto um advogado, médico, ou qualquer outro trabalhador, que sofre tentação todo dia. O mesmo adversário que tenta acabar com minha vida tenta tirar a sua bênção também”, finalizou.