back to top
23.9 C
Vitória
sexta-feira, 21 junho 2024

494 templos e instituições religiosas destruídas na Ucrânia devido à guerra

Cúpula da ‘IRF Summit 2023’, realizada em Washington. Foto: Reprodução/IRF

Em menos de um ano, estratégia dos militares russos resultou em um aumento na magnitude da destruição de locais sagrados na Ucrânia.

Por Lilia Barros

O saldo foi de quase 500 templos religiosos e instituições teológicas destruidas, danificadas ou saqueadas por militares russos desde a invasão do país à Ucrânia. Os locais sagrados tem sido alvo de ataques da Rússia, desde fevereiro de 2022.

Os dados recentes sobre o impacto da guerra nas comunidades religiosas ucranianas foram apresentados pelo Instituto Ucraniano de Liberdade Religiosa na cúpula ‘IRF Summit 2023’, em Washington, nos dias 31 de janeiro e 1º de fevereiro. 

A devastação e ataque aos cristãos e outros grupos religiosos repercutiu no mundo deixando um saldo de 494 estruturas religiosas destruídas, em 11 meses de guerra. A maioria das igrejas, mesquitas e sinagogas foram destruídas, sendo pelo menos 120, na região de Donetsk e mais de 70 na região de Luhansk.

- Continua após a publicidade -

Os ataques aéreos russos, incluindo os que usam drones iranianos, afetaram quase todas as regiões da Ucrânia e continuam até hoje.

A escala de destruição também é enorme na região de Kyiv, sendo 70 edifícios prejudicados, onde batalhas desesperadas foram travadas em defesa da capital, e na região de Kharkiv, com mais de 50 edifícios religiosos destruídos.

O Instituto para a Liberdade Religiosa também registrou inúmeros casos de sequestro de estruturas religiosas na Ucrânia, seguido de sua utilização como bases militares russas ou para esconder posições de tiro de suas tropas. Esta estratégia dos militares russos tem resultado em um aumento na magnitude da destruição de locais sagrados na Ucrânia.

Instalações destruídas

Segundo a IF Ucrânia, os prédios da Igreja Ortodoxa Ucraniana (filiadas ao Patriarcado de Moscou) foram as que mais sofreram com os ataques russos – pelo menos 143 foram destruídas.

A escala de destruição das casas de oração das igrejas evangélicas é imensa – pelo menos 170 no total, das quais as mais afetadas foram igrejas cristãs evangélicas (75 prédios), casas de oração cristãs evangélicas batistas (49 instalações) e igrejas Adventistas Do Sétimo Dia (24 templos).

O Institute for Religious Freedom também documentou ataques direcionados a figuras religiosas e crentes pelos militares e serviços de inteligência russos, principalmente nos territórios ocupados da Ucrânia.

No discurso da cúpula, o CEO da IRF, Dr. Maksym Vasin, destacou que os fiéis e o clero frequentemente se tornam alvos das autoridades de ocupação russas devido ao uso da língua ucraniana, pertencente a uma denominação diferente da ortodoxia do Patriarcado de Moscou, ou por qualquer outra expressão da identidade ucraniana.

Durante a ocupação russa, os crentes das igrejas evangélicas na Ucrânia (pentecostais, batistas, adventistas, carismáticos etc.) são particularmente afetados. Soldados russos ameaçaram repetidamente a destruição física total de todos os crentes evangélicos, chamando-os de “espiões americanos”, “sectários” e “inimigos do povo ortodoxo russo”.

Prisões e torturas

Valentyn Syniy, reitor do Instituto Cristão Tavriski, completamente destruído pelos militares russos, deu testemunho sobre isso na Cúpula IRF 2023 em Washington, DC.

A IRF documentou o testemunho de Syniy, parte do qual está disponível no canal do YouTube da IRF Ukraine.

Dmitry Bodyu, pastor da Igreja Palavra da Vida em Melitopol, região de Zaporizhzhia, compartilhou sua história pessoal do cativeiro russo com os participantes da Cúpula da IRF. Os militares russos ocuparam o prédio da igreja e o pastor foi preso e ameaçado de morte. Ele conseguiu escapar de uma prisão russa e se evadir, mas para os fiéis evangélicos locais sob ocupação russa, a ameaça mortal persiste.

O pastor Bodyu também mencionou em seu discurso que as autoridades de ocupação russas prenderam ilegalmente dois clérigos da Igreja Greco-Católica Ucraniana em Berdiansk, na região de Zaporizhzhia. Eles são Ivan Levitskyi e Bohdan Geleta, que estão presos há mais de três meses e são torturados e acusados ​​arbitrariamente de terrorismo e assistência.

A IRF documentou o testemunho de Dmitry Bodyu para um relatório atualizado, cujo texto completo será divulgado em breve.

Testemunhos de violações

Durante a Cúpula IRF, um painel de discussão específico sobre a Ucrânia foi realizado, contando com a participação do primeiro vice-presidente da União Ucraniana de Igrejas Cristãs Evangélicas-Batistas, Igor Bandura; o primeiro vice-bispo sênior da Igreja Pentecostal Ucraniana, Anatoliy Kozachok; o presidente da União de Organizações Religiosas Judaicas da Ucrânia, rabino Yaakov Dov Bleich; o bispo da Igreja Católica Romana na Ucrânia, Oleksandr Yazlovetskiy; o arcipreste da Igreja Ortodoxa da Ucrânia, padre Andrii Dudchenko; e o presidente do Conselho do Instituto de Liberdade Religiosa, Oleksandr Zaiets.

Em setembro de 2022, o Instituto Ucraniano de Liberdade Religiosa publicou o relatório “Ataques russos à liberdade religiosa na Ucrânia” e evidências em vídeo de crimes de guerra russos contra comunidades religiosas ucranianas, com diversos depoimentos sobre as violações.

A pesquisa atualizada, recentemente apresentada na capital americana, foi realizada pela IRF Ucrânia com o apoio do movimento de construção da paz PAX (Holanda) e Mission Eurasia (EUA).

Com informações do Guiame

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Publicidade

Comunhão Digital

Publicidade

Fique por dentro

RÁDIO COMUNHÃO

VIDA E FAMÍLIA

- Publicidade -