Estudo alerta para o uso intensivo do celular

O uso intensivo do telefone celular aumenta o risco de sofrer um tipo câncer cerebral agressivo, segundo o estudo publicado por pesquisadores da universidade de Bordeaux na revista especializada “Occupational & Environmental Medicine”.


A equipe dirigida por Gaëlle Coureau demonstra que há dois tipos de tumores associados a uma prolongada exposição à radiofrequência desses aparelhos: os gliomas, agressivos, e os meningiomas, mais fáceis de operar. As pessoas que utilizam o telefone portátil mais de 15 horas por semana, o que representa 30 minutos ao dia, têm maior risco de que esses tumores se desenvolvam.

Os pesquisadores analisaram o perfil de 450 doentes de câncer e usuários de telefone celular acima de 15 anos entre junho de 2004 e maio de 2006 em quatro regiões da França e o compararam com 900 usuários em perfeito estado de saúde.

Outros estudos

O estudo “Cerenat” confirma as conclusões do Centro Internacional de Pesquisas sobre o Câncer (CIIC), que no ano passado estabeleceu que “existe uma possível conexão entre o uso do telefone portátil e a aparição de gliomas”.

O estudo também encontrou inconsistências em estudos anteriores, que ligavam o uso pesado de telefones móveis ao câncer. Em contraste com trabalhos anteriores, por exemplo, a pesquisa francesa determina que o câncer gerado ocorre no lado contrário ao uso comum do telefone – e não no mesmo lado, como era acreditado antes.

No entanto, os pesquisadores enfrentam dificuldades para ter filtrar os riscos reais de usar telefone dentre os demais fatores do estilo de vida moderno como fumar, por exemplo. “É difícil determinar um nível de risco, se houver, especialmente com a constante evolução da tecnologia de telefonia”, afirma o estudo.

Fonte: Revista Época

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!