Dinheiro: faça dele uma bênção para sua família

Segundo o pastor Ivonildo Teixeira, o cristão nunca deve imaginar que o dinheiro é apenas o resultado dos seus esforços ou que nasceu para ser um milionário.

“O descompasso em nossas finanças começou no casamento. Compramos um imóvel juntos e tudo correu super bem. Porém, ao começar a decorar o apartamento começamos a fazer as coisas sem nenhum planejamento sobre o que precisávamos ou podíamos de fato realizar. Quando decidimos ter nosso primeiro filho, passamos a considerar mais seriamente nossas finanças. Nesse tempo, começamos a registrar as nossas dívidas e receitas, o que foi um choque”, conta Cláudia Andrade, administradora de empresas e membro da Igreja Evangélica Batista de Vitória.

Assim como Cláudia e seu marido, Wilken Meirelles, muitos casais não têm como hábito monitorar as finanças ou nem mesmo planejam um orçamento doméstico para ser seguido. Quando decidem investir em algum sonho, percebem que estão enrolados em prestações ou dívidas que comprometem boa parte, senão todo, o orçamento da família.

“Após registrar nossos gastos, chegamos à conclusão de que devíamos mais de R$ 100 mil, nosso limite do cheque especial já estava totalmente comprometido e nossas despesas fixas estavam acima da nossa média de receita. Nem mesmo com o dízimo conseguíamos ser fiéis”, relata Cláudia.

Com o sonho da gravidez, o casal entendeu que precisava “pisar no freio”, reorganizar as finanças, cortar os gastos desnecessários e, principalmente, quitar as dívidas. E mais do que isso, ao buscar orientação na Palavra, entenderam que administrar bem suas finanças era um princípio deixado por Deus. “Assim, se vocês não forem dignos de confiança em lidar com as riquezas deste mundo ímpio, quem lhes confiará as verdadeiras riquezas?” (Lc 16:11).

Aprendendo com o Mestre

O pastor Ivonildo Teixeira, especialista na área de finanças, explica que o cristão nunca deve imaginar que o dinheiro é apenas o resultado dos seus esforços ou que nasceu para ser um milionário. “É preciso reconhecer que todo dinheiro tem sua fonte em Deus; continuar sendo uma pessoa simples, com uma vida planejada; entender que Deus deseja que seus recursos sejam para que se viva uma vida digna; investir no Reino, e também dividir com aqueles que nada têm”, explica o pastor.

De acordo com Ivonildo, a história de José (Gn 41) representa um bom exemplo de administração saudável. “Ele recebe uma grande oportunidade e não a deixa escapar de suas mãos. Durante sete anos, ele estoca todos os materiais e mantimentos possíveis; sete anos depois, quando a fome impera em todo o Egito, José tem recursos para dar e vender. Ele ficou conhecido como um dos maiores administradores de toda a história”, pontua o pastor.

O ministro de finanças chama atenção também para outras passagens que podem ser tomadas como exemplo. “Jesus, o maior consultor financeiro, ensina-nos a boa e próspera administração através das parábolas dos talentos, a dracma perdida, o semeador, o tesouro escondido, a semente e o administrador infiel. Basta dizer que, das 49 parábolas que Jesus usou em seu ministério terreno, em 22 Ele focou em bens e dinheiro”, destaca o pastor Ivonildo.

Os treinadores do Ministério Crown Arnaldo e Débora de Souza destacam que é possível encontrar na Palavra as orientações necessárias para quem deseja cuidar bem da vida financeira. “Na Bíblia, encontramos cerca de 2.350 versículos que falam sobre como administrar, gastar, utilizar e poupar dinheiro. Percebemos que Deus deu importância a essa área financeira porque Ele sabe que é uma área que afeta muito nossa vida”, afirma Arnaldo.

Débora explica ainda que a parábola dos talentos (Mt 35:14-30) é um bom exemplo do que Jesus espera de cada um. “O Senhor tem nos dado com base numa avaliação que Ele faz. Esse dinheiro é do Senhor, e nós somos apenas mordomos. E, como mordomo, se eu administro bem, isso vai ser bênção na minha vida. Mas se eu não administro bem, eu vou ter um peso, uma ansiedade e tudo aquilo que vem com o não cumprimento dos princípios”, analisa Débora.

Aparando as arestas
A busca por um orçamento saudável não é preocupação apenas dos cristãos; todos desejam manter as contas equilibradas. “A literatura secular está aí mostrando que aquelas pessoas que administram bem têm um futuro mais tranquilo. Nós, cristãos, também temos essas orientações, mas elas estão presentes na Palavra. Se a seguirmos, vamos criar condições para um futuro mais tranquilo. Além disso, analisando a questão espiritual, quem não gostaria de ouvir de Deus a frase ‘vem estar servo bom e fiel, sobre o pouco fostes provado, sobre o muito te colocarei’ (Mt 25:23)?”, questiona Débora de Souza, do Ministério Crown.

E quem deseja colocar em prática a boa gestão deve começar planejando. Mas como se começa um planejamento financeiro? O treinador do Crown Arnaldo de Souza explica que a família deve ter uma caderneta e nela anotar diariamente todos os gastos feitos durante o mês. “Você deve anotar tudo, até mesmo um picolé que comprou na rua. Muitas vezes, é nas pequenas coisas que o dinheiro vai embora e, quando chega o final do mês, a pessoa nem sabe em que gastou seu dinheiro”, esclarece Arnaldo.

Segundo ele, após as anotações é preciso colocar os dados em uma planilha, separando tudo por tipo de gasto, como alimentação, transporte, educação, faxineira, contas de luz, telefone etc. “É a partir daí que você terá uma ideia de para onde seu dinheiro está indo. Essa planilha será uma fotografia das suas finanças e vai permitir que você descubra como está sua situação financeira”, explica.

Nesse processo, segundo Débora, Deus deve estar presente. “Você deve se perguntar: o que o Senhor ensina sobre isso? Qual a melhor forma de adequar esse planejamento? E você começa a entender que a base do planejamento deve estar na oração e na comunhão com o Senhor, pois é Ele quem vai te dar orientação e direção do que fazer”, afirma Débora, que alerta ainda para que o orçamento seja feito em família, com a presença do marido, esposa e filhos.

“Com o orçamento feito e detalhado, fica mais fácil definir o que pode ser cortado ou os gastos que precisam ser reduzidos. É importante envolver toda a família nessa etapa; os filhos podem ajudar a economizar e podem dar ideias úteis para que a família consiga quitar alguma divida, por exemplo”, explica Arnaldo.

Honre seus compromissos
Uma vez com o orçamento detalhado e o planejamento de gastos feito, é preciso mantê-lo em pleno funcionamento. Aqueles que se encontram endividados devem aproveitar o momento para honrar os compromissos e serem cautelosos a fim de evitar novas dívidas. O pastor Ivonildo Teixeira explica que, para sanar uma dívida, a família deve seguir alguns passos, como assumir a despesa e se comprometer a pagá-la; procurar os credores e negociar da melhor maneira o pagamento do valor devido, e reduzir os gastos evitando fazer novas dívidas, até que o problema seja solucionado. “As pessoas devem aprender com as lições vividas e sempre se perguntar: tenho necessidade de fazer tal compra? Esse desejo é prioridade ou apenas um impulso? Conseguiria viver sem comprar isso agora? Esses questionamentos evitam que as pessoas caiam nos mesmos erros”, ensina o pastor.

Ter um orçamento familiar controlado garante que a situação financeira fique sob controle, além de trazer possibilidades de uma rentabilidade ainda melhor, uma vez que se torna possível poupar um valor mensal. “Uma boa administração das finanças agrada ao coração do Pai Eterno e move o coração de Deus a investir ainda mais na vida de seus filhos”, revela o pastor Ivonildo.

Além disso, gerenciar bem a vida financeira permite a realização de outro princípio deixado por Deus: a entrega das primícias. “Se eu sei o quanto ganho e onde coloco o dinheiro de maneira saudável, sendo pouco ou muito, os genuinamente cristãos contribuirão não só com os dízimos, mas como investidores do Reino que jamais terá fim e farão ofertas exponenciais de gratidão ao Grande Doador da vida”, afirma o pastor Ivonildo.

Mantenha-se firme
Para a treinadora do Curso Crown Débora de Souza, a mudança de hábitos é fundamental para que a família permaneça com o orçamento equilibrado e consiga fazer das finanças uma fonte de bênção. “A gente aconselha que as pessoas estejam sempre envolvidas no planejamento que fizeram. Caso a questão financeira seja uma área difícil de lidar, compartilhe com alguém que tenha mais maturidade nessa questão. A boa administração financeira deve estar em constante manutenção para não deixar de funcionar”, ensina.

Ter uma vida financeira equilibrada e administrada à luz da Bíblia representa uma fonte de bênção para as famílias, conforme promessa de Deus para seus filhos. “Honre ao Senhor com todos os seus recursos e com os primeiros frutos de todas as suas plantações; os seus celeiros ficarão cheios e os seus barris transbordarão de vinho” (Pv 3:9-10). Assim como o servo fiel que multiplicou os talentos recebidos, nos dias de hoje cada um deve cuidar bem daquilo que recebe, gastando o que for necessário, poupando o que for possível e não se esquecendo de separar as primícias.

Essa matéria é uma republicação da Revista Comunhão, de Março 2014.

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!