back to top
22.9 C
Vitória
quarta-feira, 29 maio 2024

Mais de 12 mil cestas básicas aos yanomami

Ministério da Saúde declarou Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional para combater a falta de assistência sanitária aos yanomami - Foto: EBC/TV Brasil

As cestas básicas, disponibilizadas por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) serão transportadas nos próximos dias

Militares da Aeronáutica, do Exército e da Marinha voltam a distribuir a partir de hoje (8) alimentos destinados às aldeias localizadas no interior da Terra Indígena Yanomami, em Roraima e parte do Amazonas.

Mais de 12 mil cestas básicas, disponibilizadas por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) serão transportadas nos próximos dias, para o enfrentamento à situação de emergência em saúde pública e insegurança alimentar, na chamada Operação Yanomami.

Segundo a Força Aérea Brasileira (FAB), cada cesta contém até 21,5 quilos e é composta por arroz, leite em pó integral, farinha de mandioca, castanha-do-Brasil, flocos de milho, sardinha e carne dessalgada.

De acordo com a Aeronáutica, mais de 430 mil quilos de alimentos, medicamentos e outros suprimentos já foram entregues às comunidades, com o apoio militar, desde o dia 3 de fevereiro, quando o governo federal deflagrou a Operação Yanomami que estabelece “medidas para enfrentamento da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional e de combate ao garimpo ilegal no território Yanomami a serem adotadas por órgãos da administração federal”.

- Continua após a publicidade -

Embora a investida de garimpeiros e madeireiros contra o território Yanomami e suas consequências sejam denunciadas há tempos, a grave crise humanitária que as comunidades desta etnia vem enfrentando nos últimos anos chamou a atenção da sociedade em geral e da imprensa no início deste ano.

A divulgação de imagens de crianças e adultos indígenas yanomami desnutridos e da informação motivou o governo federal a implementar, na segunda quinzena de janeiro, uma série de ações para socorrer comunidades locais e retirar os não-índios da área destinada ao usufruto exclusivo indígena. O Ministério da Saúde informou que, nos últimos anos ao menos 570 crianças indígenas morreram por desnutrição e outras causas evitáveis, e que só em 2022 foram confirmados 11.530 casos de malária no interior da terra indígena,

A pasta declarou Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional para combater a falta de assistência sanitária aos yanomami. Militares das Forças Armadas foram mobilizados para distribuir alimentos e prestar atendimento médico aos moradores de comunidades de difícil acesso.

A Aeronáutica passou a limitar o acesso aéreo à área, visando impedir a chegada de novos garimpeiros e, principalmente, o abastecimento dos que já estavam ilegalmente na região. Além disso, as forças de segurança terrestres foram reforçadas para retirar os não-indígenas da reserva.

Homologada há 31 anos, a Terra Indígena Yanomami abrange uma extensa área de Roraima, além de uma parte do estado do Amazonas, totalizando cerca de 9,6 milhões de hectares, onde, segundo o governo federal, vivem mais de 30,4 mil habitantes. Cada hectare corresponde, aproximadamente, às medidas de um campo oficial de futebol.

Com informações de Agência Brasil

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Publicidade

Comunhão Digital

Publicidade

Fique por dentro

RÁDIO COMUNHÃO

VIDA E FAMÍLIA

- Publicidade -