back to top
27.9 C
Vitória
domingo, 16 junho 2024

Infantino promete medidas duras contra o racismo no futebol

Infantino cobra união dos países e promete 'medidas mais robustas' contra o racismo no futebol -Foto: Reprodução Instagram / @gianni_infantino
Infantino cobra união dos países e promete 'medidas mais robustas' contra o racismo no futebol -Foto: Reprodução Instagram / @gianni_infantino

Gianni espera trazer “medidas mais robustas” no combate contra o racismo no 74º Congresso da Fifa, que acontecerá em maio

Presidente da Fifa, Gianni Infantino, voltou a bater na tecla do racismo durante o 48º Congresso Ordinário da Uefa, realizado em Paris, na França. O mandatário pediu união dos países para combater tal crime que vem sendo recorrente no futebol mundial e voltou a mencionar a possibilidade de implantar a “derrota automática” caso as ofensas não acabem. O discurso foi semelhante ao que fez após o goleiro Maignan, do Milan, ser alvo de injúrias raciais no confronto com a Udinese, pelo Campeonato Italiano.

“Dizemos que o futebol une o mundo, mas nosso mundo está dividido, nosso mundo é agressivo e, nas últimas semanas e meses, testemunhamos, infelizmente, muitos incidentes racistas. Isso não é mais aceitável. Temos que parar com isso, e temos que fazer o que pudermos para parar com isso. O racismo é um crime. O racismo é algo terrível. O que eu sugiro a vocês, além de tudo isso, é que trabalhemos juntos para entregarmos uma forte resolução no congresso em Bangkok. Vamos fazer isso juntos, todos os 211 países da Fifa na luta contra o racismo. Vamos parar com isso agora. Vamos fazer tudo juntos de uma maneira unida.”

Infantino espera trazer “medidas mais robustas” no combate contra o racismo no 74º Congresso da Fifa, que acontecerá no dia 17 de maio, em Bangkok, na Tailândia. A entidade já elaborou um ‘plano de três etapas’, que será discutido em reunião entre os países. A ideia capacita os árbitros a agir se ocorrer abuso racista. Eles poderão interromper a partida em duas oportunidades, antes de declará-la abandonada.

“Devemos assumir nossas responsabilidades. É preciso impor uma derrota automática aos clubes responsáveis. O que fazemos hoje, infelizmente, não vem sendo o suficiente”, finalizou o mandatário.

- Continua após a publicidade -

No duelo entre Milan e Udinese, o jogo chegou a ficar paralisado por cinco minutos até que o goleiro Mike Maignan fosse convencido a voltar a campo. Ele, no entanto, não deixou de criticar os torcedores pelas ofensas racistas e cobrou maior apoio da Fifa, que saiu em defesa do atleta.

Vários brasileiros também foram alvos de racismo nos primeiros torneios da Europa. O caso mais emblemático é do atacante Vinicius Júnior, do Real Madrid, que vem recebendo constantes ofensas, a última na vitória sobre o Getafe por 2 a 0, no dia 01 de fevereiro.

A LaLiga, inclusive, já fez dez denúncias envolvendo o brasileiro à Comissão Antiviolência da Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF), mas nenhuma sanção esportiva foi aplicada. Com novas medidas a serem impostas pela Fifa, Infantino acredita que poderá dar um ponto final nos casos de racismo no futebol. Com informações Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Publicidade

Comunhão Digital

Publicidade

Fique por dentro

RÁDIO COMUNHÃO

VIDA E FAMÍLIA

- Publicidade -