Tempo de devoção: Sem prática, não há crescimento

Jesus tinha uma agenda cheia como a nossa. Ele não era ocioso, mas em muitos momentos se afastava da multidão e dos discípulos para estar com Deus a sós. Se o Filho de Deus tinha necessidade de fazer isso, imagine nós?

O tempo devocional é algo fundamental na vida cristã. Deus deseja ter intimidade com Seus filhos. Jesus disse: “Ame o Senhor, seu Deus, com todo o coração, com toda a alma e com toda a mente…” (Mateus 22:37). Ele deixou para nós uma palavra muito clara sobre qual deve ser nossa prioridade: uma vida dedicada ao Criador, incluindo oração, leitura bíblica e santidade. A sociedade contemporânea leva uma rotina muito corrida e de mal com o relógio. Frequentemente ouvimos que o dia poderia ter mais de 24 horas, mas se o tivesse, será que os cristãos preencheriam suas agendas com devoção ou com mais tarefas impostas pelo mundo?

A dona de casa Tathianny Nunes (36), que congrega na Igreja Batista, é uma dessas pessoas que assumem ter dificuldade em organizar suas responsabilidades, embora saiba o quanto é importante estabelecer um período diário de contato com o Pai. Seu dia começa bem cedo, quando o pequeno Rafael (5 meses) chora com fome ou dá sinal de que a fralda precisa ser substituída. E segue com tantas obrigações, que parecem não ter fim: preparar as refeições, organizar a casa, ajudar os filhos Davi (10) e Felipe (6) com exercícios e provas, levar as crianças para a escola e para as atividades complementares, fazer supermercado… Mal sobra tempo para ela e para o esposo, Márcio Adriano (37). “As crianças ainda são muito dependentes de mim e tomam todo o meu tempo”, justifica.

A estratégia que a jovem mãe adotou foi falar com Deus entre uma atividade e outra, mas logo percebeu que se distraía facilmente e que, por estar cercada de tantas pessoas e ruídos, não conseguia ouvir o Altíssimo. Incomodada com essa situação e orientada por seu pastor, Aederson de Barros, especialista em aconselhamento cristão, ela recentemente resolveu reservar um momento a sós para orar nas madrugadas e brinca: “É quando a fila do ‘manhê’ é menor”.

Jesus também se conectava com Deus de madrugada (Marcos 1:35). São três horas da manhã, e Tathianny desadormece; às vezes, sem auxílio do despertador, mas com o toque suave do Espírito Santo. A casa está em silêncio e é o momento que tem para colocar o devocional em dia, ler um texto bíblico, meditar e escutar a voz divina. “Quando o cansaço é maior e não consigo cumprir essa meta, me sinto vazia, como se estivesse faltando algo, mas sei que preciso persistir”, desabafa.

Parar e ter esse tempo é um grande desafio que deve ser enfrentado. “Não posso esperar sobrar tempo para fazer isso, preciso decidir que estar com Ele é extremamente estratégico para todas as áreas da minha vida”, explica o Pr. Aederson, da Igreja Batista, que antes mesmo do lançamento do filme “Quarto de Guerra”, já orientava suas ovelhas a fazer o “quarto de escuta”. Este nome é inspirado em uma característica da sociedade moderna e imediatista, que muito fala, mas pouco ouve. “Nossas orações não devem ser monólogos, mas como uma via de mão dupla, em que falamos, mas também ouvimos. Falar com Deus é como falar com um amigo muito chegado; não é preciso formalismos, só precisamos abrir o coração e ouvir Seus conselhos. E Deus tem muito a nos falar!” ressalta.

Vida devocional
Para a auxiliar administrativa Vanise Borges (42), da Assembleia de Deus, é possível, sim, ter uma vida devocional. Ela conta que, mesmo trabalhando fora e tendo que cumprir com seus deveres de esposa, mãe e dona de casa, consegue participar de um grupo de oração no serviço e no ministério de música, além de não abrir mão de um momento a sós com o Pai, para elevar seus pensamentos, ler e meditar nas Escrituras. E assim como Jesus, quando no Sermão do Monte, nos ensinou a orar – “Mas quando você orar, vá para seu quarto, feche a porta e ore a seu Pai, que está no secreto. Então seu Pai, que vê no secreto, o recompensará” (Mateus 6:6) – , ela faz de seu quarto o seu cantinho de devoção. “É onde rasgo minha alma e oro com temor, sinceridade e toda a súplica. Procuro fazer isso logo pela manhã, e à noite dou continuidade com os estudos bíblicos”, detalha. Vanise lembra que já teve várias experiências em seu quarto, durante o tempo devocional, mas uma em especial foi quando intercedia por seu irmão que havia sofrido um atropelamento e estava em coma. Os médicos diziam que, se ele sobrevivesse, ficaria com sequelas. E assim, como o próprio Senhor falou a Jeremias no capítulo 33, verso 3, ela também obteve sua resposta:

“Livrei seu irmão da morte quando ele ainda era criança e os médicos acreditavam que ele não passaria dos 4 anos de vida; e hoje ele é um rapaz. A última palavra é minha! Tenho promessa na vida de seu irmão, e ele não irá morrer”. E assim Deus o fez. Ainda que testemunhos e milagres como esse aconteçam todos os dias e fortaleçam a nossa fé, o Pr. Saulo de Carlo Gomes, da Igreja do Evangelho Quadrangular (IEQ), ressalta que a sociedade não tem priorizado a devoção por não perceber os benefícios que instantes como esse nos trazem. Assim, é mais fácil apontar desculpas, apesar das horas desperdiçadas em navegação na internet ou em frente à televisão. Ir aos cultos, participar de células nos lares, assistir a um filme cristão ou mesmo ouvir uma mensagem de um pastor é importante, mas não exclui a necessidade de uma vida devocional diária, com qualidade e intimidade.

Deus como prioridade
A nossa devoção deve ser com todo o nosso coração. A Bíblia diz em 1 Crônicas 28:9: “E tu, meu filho Salomão, conhece o Deus de teu pai, e serve-o com o coração perfeito e espírito voluntário; porque o Senhor esquadrinha todos os corações e penetra todos os desígnios de pensamentos. Se O buscares, será achado de ti; porém, se O deixares, rejeitar-te-á para sempre”. O salmista também chama de bem-aventurado aquele que tem prazer na lei do Senhor e nela medita de dia e de noite (Salmos 1:2), o que nos confirma que não há devoção sincera sem um tempo unicamente com o Pai e sem exercitar Seus ensinamentos.

“Assim como um atleta treina diariamente ou como um músico que passa horas com seu instrumento, precisamos não só saber sobre as coisas de Deus, mas também praticá-las”, reforça o Pr. Saulo. Na sua avaliação, muitas pessoas que alegam agendas cheias ou cansaço para tal atividade não sabem ao certo como proceder. Por isso, ele separou alguns conselhos para que essa hora seja preciosa. O primeiro passo, aponta, é praticar Mateus 6:6; o tempo reservado ao Pai nos levará “à conversão de forma genuína, de dentro para fora, em um processo gradativo e constante”. Outra dica é dar preferência para que esse contato seja logo ao acordar, antes de se envolver com outras responsabilidades. Dedicar pelo menos uma hora diariamente ao Senhor trará benefícios impressionantes. E não esqueça o que a Bíblia nos diz em Mateus 6:33: devemos buscar “primeiro o reino de Deus e a Sua Justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas”. Então, comece agora mesmo pedindo a Ele sabedoria para administrar seu relógio e colocar as prioridades no lugar certo.

 

 A matéria acima é uma republicação da Revista Comunhão. Fatos, comentários e opiniões contidos no texto se referem à época em que a matéria foi escrita.