Férias: descanso pode fazer a diferença

Famílias contam experiências e especialistas comentam sobre como o período pode beneficiar corpo e mente

Ir à praia, à montanha, ao clube, ao resort, ou apenas relaxar em casa. Não importa a escolha, ter férias em família já é motivo para comemorar. Afinal, é tempo de descansar, de se desligar da rotina e de aproveitar! Após um ano inteiro de trabalho, nada melhor do que curtir o momento de pausa, assim como fez Deus depois de seis dias de intensos esforços na criação do mundo.
Ele “abençoou o sétimo dia e o santificou, porque nele descansou de toda a obra que realizara na criação” (Gênesis 2: 3).

“Devemos lembrar que Deus não descansou porque estava cansado. Parou para avaliar, para nos dar o exemplo. No Salmo 23 encontramos o salmista dizendo que Deus nos leva a pastos verdes e às águas tranquilas. Ele refrigera nossa alma”, lembra Erasmo Vieira, psicólogo e pastor da Igreja Batista, em Vitória.

Tanto do ponto de vista bíblico como do olhar médico e psicológico, ressalta ele, o descanso é uma necessidade de extrema importância.  “Quando descansamos e nos divertimos, produzimos oxitocina e outros neurotransmissores necessários o bem-estar. Produzimos relaxamento mental e emocional, que nos dão predisposição para enfrentar as lidas da vida”, explica.

Para curtir os dias sem compromissos profissionais, uma das formas mais eficazes e buscadas pelas famílias são as viagens. A jornalista Denise Klein Bermudes, frequentadora da Igreja Presbiteriana, em Vitória, pega a estrada pelo menos uma vez por ano com o esposo, Filipe Bermudes, e os filhos, Ilan e Eric, de 8 e 4 anos. “Sempre temos alguns lugares em mente que gostaríamos de conhecer e os deixamos em nosso radar, buscando adequar à realidade financeira do momento. Ficamos de olho em oportunidades, principalmente em promoções das companhias aéreas, para organizarmos as férias. Normalmente, após conseguir uma boa compra do aéreo é que partimos para ver hotel, aluguel de carro e os programas que faremos no local”, contou.
Para a família Bermudes, as férias significam relaxamento completo, mudança de clima e fuga da rotina. “Se ficamos em casa, sempre temos coisas pra resolver, cuidar, limpar, comprar, e não nos desligamos. A viagem nos permite ficar juntos o dia inteirinho em um clima diferente. Descobrimos e ensinamos novas coisas, além de resolvermos imprevistos que sempre aparecem”, revela Denise.

E se o assunto é viagem, as irmãs Tathiane, Thais e Thiara Mendes da Costa são fãs de carteirinha. Elas, que moram em países diferentes – duas no Brasil e uma na Bolívia –, aproveitam as férias para conhecer lugares novos. Este ano foram matar a saudade e curtir na Bolívia, onde a mais velha começou recentemente um curso de Medicina. “Foi um desafio a princípio, pois não entendíamos nada de espanhol. O fato de termos ido a um local diferente nos uniu mais enquanto família, pois aprendemos coisas novas juntas e superamos barreiras”, observa a cineasta Tathiane, que frequenta a Igreja Adventista do Sétimo Dia, em Vila Velha.

No roteiro das três irmãs muitas compras, visitas a pontos turísticos e degustação da culinária local. Elas planejaram tudo com oito meses de antecedência. “Foi um momento incrível de descanso e de união, assim como Deus nos ensinou. Acreditamos estar praticando o amor que Ele nos deixou de exemplo para com nossa família. É revigorante!”, disse Tathiane.

Tempo de qualidade
Mas nem sempre é preciso ir muito longe para encontrar o descanso merecido. O pastor Thiarlles Boecker, da Igreja Adventista do Sétimo Dia, em Vitória, escolheu, para as férias de 2016, visitar parentes próximos que moram no interior do Espírito Santo.  Acompanhado da esposa, Janaína, e do filho, Guilherme, de 5 anos, ele pôs o pé na estrada para refletir sobre as pequenas coisas da natureza, deixando o tempo passar devagar. “Durante o ano fazemos escolhas, em detrimento de outras, o que deixa a família muitas vezes em segundo plano na agenda. As férias são um presente, não só para compensar o tempo perdido, mas também para relembrar o quanto nos faz bem estarmos juntos sem aquela correria imposta ao longo dos meses”, observa.

Entre os benefícios para a comunhão em família, o pastor cita a reaproximação com o cônjuge, reavivando o amor, e o olhar para os filhos, observando o quanto estão aprendendo de nós. Ele ainda comenta sobre a influência das férias para o ano seguinte. “Quem sabe será o pontapé inicial para meses diferentes, em que escolheremos cuidar melhor das riquezas incontáveis que estão num cofre que conhecemos como lar”, comenta o pastor, que destaca o olhar do apóstolo Paulo ao escrever para Timóteo, “se alguém não cuida dos seus parentes, especialmente de sua própria família, está negando a própria fé” (I Timóteo 5:8). “Aqueles que creem em Cristo cuidam desse bem precioso chamado família”, finalizou Boecker.

Xô, estresse!
E nada melhor do que praia, sol e descanso para deixar o estresse de lado e curtir as férias com os familiares. Esse é o lema da família da auxiliar administrativa Fernanda Seibert, que frequenta a Igreja Bola de Neve, em Vila Velha (ES). Ela e o marido, que é agente penitenciário, possuem profissões estressantes e julgam essencial tirar o tempo para relaxar com as duas filhas. A última viagem foi para conhecer as dunas de Itaúnas e a cidade de Conceição da Barra. “Para mim foi muito importante, já que me ajudou no tratamento de uma doença autoimune e de um quadro de estresse alto. Férias ajudam muito na saúde mental, que é a regente de todo o corpo”, avaliou Fernanda.

E ela está certa. De acordo com a psicóloga Márcia Demuner, frequentadora da Igreja Batista, na Serra, as férias são de grande importância para equilibrar o estado psicológico e físico do ser humano. É nesse período que há um descanso da mente para renovação das emoções. “Ocorre um alívio das constantes pressões vividas no trabalho, o que permite ao indivíduo melhorar os relacionamentos familiares, o aproveitamento acadêmico e o desenvolvimento profissional”, detalha Márcia.
Porém, a psicóloga alerta que, para aproveitar os dias de descanso ao máximo, é preciso o desligamento total das atividades profissionais e o investimento em tempo de qualidade com a família e amigos, mudando a rotina. “Sem isso, o esgotamento físico e mental é inevitável, podendo acarretar vários prejuízos à saúde ligados à sobrecarga de serviço, tais como imunidade baixa, doenças cardíacas e problemas relacionados a ansiedade e ao estresse.”

O coração agradece
Entre os órgãos beneficiados pelo descanso está o coração. Profissional do Instituto de Cardiologia do Espírito Santo, Cláudia Vallejo cita que o Instituto do Coração de Boston (EUA) demonstrou em estudo que 30% dos homens que não tiravam férias eram mais propensos a ter ataques cardíacos do que os que paravam suas atividades para esse tipo de descanso. “A carga horária excessiva de trabalho, o intenso estresse emocional e a escala de trabalho noturno e nos finais de semana, sem períodos eficazes de descanso, nos leva a uma descarga de vários hormônios, incluindo a adrenalina, levando a maior chance de complicações cardiovasculares como acidente vascular cerebral, arritmias cardíacas, infarto do miocárdio e emergência hipertensiva, alguma delas fatais”, alertou a cardiologista.

A médica, que é esposa do pastor da Assembleia de Deus em Vitória Paulo Pimentel, também aproveita esses momentos para viajar. E explica que o descanso físico e mental reduz a sobrecarga sobre o coração, que bate cerca de 100 mil vezes por dia, evitando assim a falência progressiva desse órgão vital. Ela analisa que o estresse tem três fases: alerta, resistência e exaustão, nesta última é quando se iniciam os sintomas físicos. “As férias trazem descanso para a mente e prazer para o corpo. Após os períodos de descanso estamos prontos a retornar para a carga habitual de trabalho e a nossa rotina diária”, concluiu.

Ouça Comunhão em áudio:

Compartilhe