18.3 C
Vitória
sábado, 13 agosto 2022

Na Cúpula da Biodiversidade, Bolsonaro cita ‘cobiça internacional’ por Amazônia

Foto: Isac Nóbrega/PR.

Em agosto de 2020, o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) detectou 1.499 km² de desmatamento na Amazônia Legal

Por Nicholas Shores e Emilly Behnke (AE)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira, 30, em discurso transmitido na Cúpula da Biodiversidade da Organização das Nações Unidas (ONU), que rechaça “de forma veemente” o que chamou de “cobiça internacional” sobre a Amazônia brasileira. Ele prometeu também “defender” a região de “ações e narrativas que agridam os interesses nacionais”.

No pronunciamento preparado, Bolsonaro repetiu termos que já haviam aparecido na sua reação a uma declaração do candidato democrata à Presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, como “cobiça” e “soberania”. Em debate com o presidente Donald Trump na noite de ontem, Biden disse que, se eleito, iria reunir países e doar US$ 20 bilhões para a proteção da região amazônica Sem mencionar o governo brasileiro, acrescentou que, se a destruição do bioma continuasse, haveria “consequências econômicas significativas”.

“Na Amazônia, lançamos a Operação Verde Brasil 2, que logrou reverter, até agora, a tendência de aumento da área desmatada observada nos anos anteriores”, discursou Bolsonaro na cúpula da ONU, sem detalhar a medida usada para embasar sua afirmação. Em agosto de 2020, o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) detectou 1.499 km² de desmatamento na Amazônia Legal, alta de 68% em relação a agosto de 2019.

“Vamos dar continuidade a essa operação para intensificar ainda mais o combate a esses problemas que favorecem as organizações que, associadas a algumas ONGs, comandam os crimes ambientais no Brasil e no exterior”, acrescentou o mandatário.

Nesse ponto da fala, o presidente brasileiro sustentou que, mesmo enfrentando a pandemia do novo coronavírus, seu governo teria reforçado ações de vigilância sobre biomas em 2020 e fortalecido meios para combater “a degradação dos ecossistemas, a sabotagem externa e a biopirataria”.

Ele apontou ainda que, no Pantanal, o governo federal teria fortalecido a “integração entre as agências governamentais, com o apoio das Forças Armadas”, para combater de forma coordenada os focos de incêndio, segundo Bolsonaro, “no entorno” dessa região.

“Isso mostra que mantemos firme nosso empenho em buscar o desenvolvimento sustentável do País, com esteio em uma agricultura baseada na biotecnologia, de comprovada eficiência, e também na preservação do nosso patrimônio ambiental”, disse.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se