back to top
25.5 C
Vitória
domingo, 14 DE julho DE 2024

Como os cristãos abordam a resolução de conflitos em suas vidas diárias?

Reconciliação. Foto: Reprodução

Levantamento explorou cinco fatores da comunidade da igreja: unidade, limites, dons espirituais, resolução de conflitos e perdão.

Por Lilia Barros

Para avaliar como cristãos e pastores percebem e praticam cada um dos cinco fatores, o New Barna coletou dados chegando a conclusão de que os cristãos se sentem à vontade para resolver conflitos em casa. Quase a mesma porcentagem de cristãos (80%) disseram que se sentem pelo menos um pouco à vontade para abordar conflitos diretamente entre seus amigos.

Em todos os outros contextos, a porcentagem daqueles que estão “muito confortáveis” diminui constantemente. Compreensivelmente, os cristãos se sentem mais à vontade para resolver conflitos em áreas que frequentam e com pessoas que conhecem. A hesitação aumenta quando os cristãos são questionados sobre a resolução de conflitos na comunidade de um indivíduo, com seus vizinhos e especialmente com estranhos ou conhecidos.

Uma olhada nos dados sobre pastores destaca um padrão semelhante. Questionados sobre onde se sentem à vontade para resolver conflitos, os pastores mostram maior confiança nos contextos de seus lares, igrejas e amigos. No entanto, eles notam um maior desconforto quando precisam buscar a reconciliação com supervisores ou superiores, com seus vizinhos e na comunidade local.

- Continua após a publicidade -

Embora a maioria dos pastores e cristãos pareça pelo menos um pouco à vontade para dar os passos iniciais para resolver conflitos na maioria dos ambientes, ainda há vários contextos nos quais ambos os grupos podem ser treinados e encorajados a buscar a paz. Isso é especialmente verdadeiro para a resolução que deve ocorrer fora dos ambientes familiares da igreja e do lar.

Questionados sobre como eles abordam a resolução de conflitos, pastores e cristãos oferecem abordagens diferentes, embora não incompatíveis, para buscar a paz. Metade dos pastores (50%) dizem que abordam a resolução de conflitos com uma mentalidade colaborativa. Enquanto isso, a pluralidade de cristãos (37%) prefere evitar ou prevenir conflitos em primeiro lugar.

Com base nessas respostas, muitos líderes da igreja parecem preparados para ajudar na resolução de conflitos. Mas os cristãos estão procurando pastores para influenciar sua compreensão e prática da reconciliação?

Família é a mais influente  

No geral, os cristãos dizem que seus familiares tiveram a maior influência sobre como eles aprenderam a resolver conflitos (57%). Depois disso, eles citam a Bíblia (39%) e os amigos (37%) como os mais influentes. Quase um quarto dos cristãos (24%) diz que os pastores ou líderes da igreja foram os que mais influenciaram sua abordagem para a resolução de conflitos.

Olhando especificamente para a prática da fé, tanto os cristãos praticantes quanto os não praticantes foram influenciados principalmente por membros da família ao aprender sobre a resolução de conflitos. A partir daí, a lista varia: os cristãos praticantes são mais propensos a dizer a Bíblia (55% contra 30% não-cristãos), pastores ou líderes da igreja (37% contra 17%) e sua comunidade da igreja (34% contra 16 %) tiveram a maior influência sobre como eles resolvem conflitos. Cristãos não praticantes são mais propensos a citar amigos (40% contra 29% cristãos praticantes) ou dizer que nada influenciou sua compreensão da resolução de conflitos (10% contra 3%).

Espaço para crescer

Juntos, esses dados mostram que, embora cristãos e pastores se sintam relativamente à vontade para abordar a resolução de conflitos em muitos ambientes, ainda há espaço para crescer, especialmente fora dos círculos familiares da igreja, amigos e casa. Embora os pastores e as escrituras sejam altamente influentes em impactar a compreensão dos cristãos praticantes sobre a resolução de conflitos, os cristãos em geral estão aprendendo sobre resolução de conflitos com mais frequência de fontes mais próximas a eles, como família e amigos.

Os dados retirados deste mesmo estudo mostram que quase nove em cada 10 cristãos (86%) concordam pelo menos um pouco que sua igreja os equipa para participar da comunidade de maneira saudável. Isso destaca uma oportunidade para os pastores crescerem em sua influência em torno de tópicos importantes, como resolução de conflitos, unidade , perdão e muito mais para ajudar os cristãos a se aproximarem da comunidade.

Sobre a pesquisa

Para este estudo, foi realizada uma pesquisa com 1.223 cristãos americanos e 426 pastores americanos. A pesquisa online para cristãos dos EUA foi realizada de 1 a 10 de junho de 2022. A pesquisa online para pastores dos EUA foi realizada de 7 a 18 de julho de 2022. 

Fonte: New Barna

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Publicidade

Comunhão Digital

Publicidade

Fique por dentro

RÁDIO COMUNHÃO

VIDA E FAMÍLIA

- Publicidade -