22.6 C
Vitória
quinta-feira, 16 julho, 2020

Há lugar para vingança muçulmana do Irã no mundo?

Leia também

Paulo Guedes testa negativo para covid-19, informa ministério

Ministro fez dois testes e resultados foram negativos. Saiba mais!

FGV: índice de confiança empresarial sobe 7,3 pontos em julho, diz prévia extra

Entre os setores que compõem o ICE, a mais intensa elevação ocorreu na indústria. Saiba mais!

Canadá se aproxima de zero em número de mortes por covid-19

Com reabertura, autoridades manifestam receio de nova onda. Confira!

No Brasil, o efeito desse conflito deverá ser sentido muito mais que nos EUA que são um país nada dependente de petróleo

Episódios da crise entre EUA e Irã escancaram facetas político-diplomáticas antes visíveis apenas aos analistas mais atentos. Pela própria doutrina muçulmana a vingança é parte integrante da das ações como era antes o judaísmo. Sabemos então que a obrigação da vingança é parte integrante da cultura da religião, esta, predominante no Irã. A não adesão da Europa e Ásia no conflito mostrou essa realidade, antiga e belicosa, do país do Oriente Médio, agora mais solitário que nunca.

Nos bastidores da crise, o que o Irã deixa claro é que deve haver, logicamente, uma reação. Contudo, o quanto essa reação será, digamos assim, enérgica e imortal? Isso vai depender muito de uma avaliação interna do Irã. Mensurar entre a manutenção do seu prestígio interno e a guerra ideológica que mostrou ao mundo.

Para este país revanchista sobrou a tentativa de encontrar em si próprio o tom das próximas jogadas desta ‘guerra de inteligência’. Será preciso maturidade para agir de tal maneira que não haja uma escalada de retaliações. A ninguém interessa um Irã enfraquecido, principalmente à Rússia, que busca o fortalecimento do país. Isso para poder seguir comprando e se beneficiando de armamento, tecnologia, inclusive nuclear.

O petróleo

A China não deve entrar na briga porque aumentaria o preço do petróleo, o que para um país dependente do combustível não é nada interessante. Em termos econômicos, o aumento do preço do petróleo está muito longe da possibilidade de chegar aos $156 que alguns analistas colocaram. Porque não interessa a Arábia Saudita, a Omã ao Qatar e outras potências petrolíferas fortalecer o regime iraniano.

Ainda assim, o conflito ainda terá alguns próximos capítulos. Dessa vez, espera-se que mais estratégicos e menos belicosos – ao arrepio da ideologia de vingança defendido e demonstrado pelo Irã. Existem muitos atores interessados neste contexto. O consenso é que não interessam ações implacáveis que coloquem em risco a já cambaleante economia mundial. Espera-se que o desejo de vingança iraniano seja respeite os limites da sanidade para não obrigar os EUA praticarem uma retaliação mais enérgica.

Vingança muçulmana

O que deve acontecer é o estímulo por uma vingança moderada do Irã, para empurrar todos os países a um novo acordo, inclusive mirando frear a questão nuclear e a dominação iraniana no Oriente Médio. No Brasil, o efeito desse conflito deverá ser sentido muito mais que nos EUA que são um país nada dependente de petróleo, sendo superavitário em termos dessa energia.

No Brasil, pode haver um aumento do Petróleo em curto prazo. Mas não será um fator inflacionário de médio e longo prazo. Porque, deveremos ter um rebalanceamento da oferta de petróleo para diminuir o impacto dessa alta muito mais emocional do que de fato concreta já que não houve nenhuma razão para diminuição na oferta do produto. Tampouco houve alguma limitação na distribuição na oferta do petróleo através dos navios que saem do Oriente Médio.

Carlo Barbieri é analista político (formado em Direito) e economista. Presidente do Grupo Oxford, maior empresa de consultoria brasileira nos EUA


leia mais

Estados Unidos x Irã: Afinal, haverá ou não a 3ª Guerra mundial?
Terceira Guerra Mundial?
Trump promete “forte retaliação” caso Irã contra-ataque

- Continua após a publicidade -

Comunhão Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Aline Barros se une a artistas em live solidária

Entre os cantores que participam do evento estão Cassiane, Bruna Karla, Fernandinho, Fernanda Brum e outros

Amigos e artistas “Juntos pelo sertão” drive-in

Evento, que será realizado no dia 14 de julho, vai reunir artistas e preletores como Aline Barros, Isaías Saad, Gabriel Guedes, Juliano Son, Eli Soares, Hernandes Dias Lopes e outros.

Show drive-in do 3 Palavrinhas esse mês; Saiba mais!

O grupo infantil 3 palavrinhas vai se apresentar na Arena Sessions, no estádio Allianz Parque, em São Paulo dia 19 de julho Atenção criançada! O...

Artistas cristãos na ação social “Eu Soul VC”

Entre os artistas cristãos confirmados estão Casa Worship, Renascer Praise, André e Felipe, Rebeca Carvalho e Leandro Borges

Plugue-se

Podcast Mergulhe na Palavra, a Bíblia livro por livro

Dirigido pelo pastor Lécio Dornas, da Igreja da Família, em Windermere-Flórida, EUA, o podcast aborda a essência da Bíblia livro por livro

Bíblia Textual: originalidade da Palavra de Deus

A Bíblia Textual chega ao mercado depois de nove anos e três meses de pesquisa, tradução e revisões

Arte e adoração na igreja evangélica brasileira

Nada é mais importante que a adoração na igreja, pois é a mensagem do evangelho em música

“Deus poupou minha vida”, declara Samuel Santos

Samuel Santos, da dupla Daniel e Samuel teve melhora em seu quadro de saúde e já deixou a UTI do hospital. Em um vídeo,...