back to top
27.9 C
Vitória
quarta-feira, 12 junho 2024

Vestígios da morte de Jesus são achados durante escavação em Jerusalém

O trabalho, que foi realizado em ciclo contínuo em apenas sete dias e sete noites, ocorreu em um dos locais mais sagrados para o Cristianismo

Por Patricia Scott [Israel 365 News]

A escavação arqueológica em uma área da Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém, revelou descobertas surpreendentes. O trabalho, que foi realizado em ciclo contínuo em apenas sete dias e sete noites, aconteceu em frente à Edícula (um pequeno santuário) no centro da Rotunda da igreja.

A Edícula tem duas salas. A primeira contém a Pedra do Anjo, acredita-se ser um fragmento da grande pedra que selava a tumba de Jesus, mas foi rolada por anjos na manhã de Páscoa. Já a segunda é o “Túmulo de Cristo”, onde contém a laje de mármore. É dito que nela o corpo de Jesus foi colocado.

A escavação descobriu ainda que o layout cristão primitivo da Edícula era acessado por meio de dois degraus de mármore branco. Em frente, havia um piso de lajes de pedra lítica. Ele se estendia por aproximadamente seis metros para leste até se juntar a um plano de grandes blocos líticos brancos e lisos dispostos na direção norte-sul. Este arranjo representou a aparência final da Rotunda no final do século IV.

- Continua após a publicidade -

Os pesquisadores encontraram também um tesouro de moedas do período do imperador cristão romano Valens (364-378) sob o piso da laje. Foram reveladas ainda seções de alvenaria. Elas datam de antes do final do século IV.

Outro achado foi um fragmento de revestimento de parede, provavelmente da Edícula. Ele foi coberto por demarcações com datas do século 18 em várias línguas, inclusive grego, latim e armênio. Dentro da tumba, os arqueólogos encontraram uma seção, que mostra um piso de mármore anterior à Idade Média.

Trabalho arqueológico

O trabalho arqueológico intensivo fez parte de uma reforma que custou US$ 11 milhões, o equivalente a mais de R$ 53 milhões. A Igreja do Santo Sepulcro é considerada um dos locais mais sagrados do mundo para os cristãos.

Em 27 de junho, as escavações na área foram concluídas. Elas integram o programa de restauração do piso da basílica. Nesta área, as investigações arqueológicas foram realizadas pelo Departamento de Antiguidades da Universidade Sapienza de Roma, sob a direção de Francesca Romana Stasolla.

A escavação foi realizada em ciclo contínuo, em apenas sete dias e sete noites de trabalho, conforme o veículo e aconteceu na área em frente à Edícula (um pequeno santuário) no centro da Rotunda da igreja.

Crença cristã

Conforme o Cristianismo, Jesus foi crucificado pelos romanos fora dos muros de Jerusalém há mais de dois mil anos, sendo enterrado em uma caverna próxima. Há opiniões divergentes sobre onde esses acontecimentos ocorreram. No entanto, a maioria sustenta que a Igreja contém o local da crucificação, conhecido como Calvário ou Gólgota (“o lugar da caveira”), e um túmulo vazio, onde se acredita que Jesus foi enterrado e ressuscitado. A tumba em si está cercada por um santuário do século XIX chamado “Aedicule”.

Desde o século IV, o local tem sido um local de peregrinação para o Cristianismo. Antes de a igreja ser construída em 330 d.C., o lugar era ocupado por um templo pagão construído pelo imperador Adriano e dedicado a Vênus.
Convertido ao Cristianismo, o imperador romano Constantino I ordenou a demolição do templo para dar lugar a uma igreja. Já a Igreja do Santo Sepulcro foi construída depois que a mãe de Constantino, Helena, viajou para a Terra Santa para identificar locais ligados a Jesus. A igreja foi originalmente chamada de Igreja da Anastasis.

A igreja foi destruída em 614 pelos invasores persas e, novamente, em 1009 pelo califa al-Hakim. No século XII, os cruzados restauraram a igreja. Em 2015, as autoridades israelenses fecharam a Edícula depois que a estrutura de calcário e mármore havia se deteriorado.

Durante a restauração, os conservacionistas alegaram ter encontrado o leito de calcário original em que Jesus foi colocado após sua morte. Atualmente, a Igreja do Santo Sepulcro é controlada por várias denominações cristãs diferentes, através de um decreto religioso otomano de 1757.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Publicidade

Comunhão Digital

Publicidade

Fique por dentro

RÁDIO COMUNHÃO

VIDA E FAMÍLIA

- Publicidade -