Universitários gastam mais com estudos

Foto: Reprodução

É o que diz uma pesquisa realizada pela Companhia de Estágios. Pelo menos 29% dos universitários afirmam que as mensalidades comprometem um terço da renda mensal

Cerca de 28% dos estudantes gastam mais da metade do orçamento com os estudos. Além disso, 29% afirmam que as mensalidades comprometem um terço da renda mensal. Os dados foram divulgados por meio de uma pesquisa realizada pela Companhia de Estágios, consultoria especializada em programas de estágio e trainee.

Intitulado como “O perfil do candidato a vaga de estágio – 2019”, o levantamento revela, ainda, que 22,5% dos alunos têm os estudos pagos pelos familiares, já 16% dos entrevistados estudam em universidade pública, enquanto 13% são contemplados com bolsa integral.

Apesar das condições econômicas também serem importantes, uma vez que o país passa por uma severa crise, e os profissionais busquem por vagas que ofertem um bom salário e benefícios, 73% dos estagiários valorizam mais a oportunidade de aprendizado que a modalidade pode oferecer.

No entanto, para 31% a principal desvantagem é a remuneração. Segundo o diretor da Companhia de Estágios, Tiago Mavichian, na hora da busca por uma oportunidade, alguns jovens veem a remuneração como um empecilho, por ser, muitas vezes, abaixo dos custos mensais que eles possuem com a universidade.

“O aprendizado deve sempre ser uma prioridade de nesta fase. Mas, certamente, a bolsa-auxilio também é avaliada, e para aqueles que arcam com as mensalidades da faculdade, fazer essa mudança nem sempre é fácil”, explica Mavichian.

RENDA

O estudo também buscou informações sobre a remuneração dos estagiários. A pesquisa mostra que apenas 9% possuem uma bolsa-auxílio acima de R$ 1.500,00. Mas, quando se trata de estagiários que recebem até um salário mínimo, há uma certa discrepância, já que 51% dos entrevistados ganham uma remuneração de até R$998,00 no estágio.

Para 16% dos entrevistados a bolsa auxilio é de até R$1.500,00, para 20% a renda mensal vai até R$1.200,00. Enquanto 4% não possuem uma remuneração, mas é importante lembrar que isso só pode ser aplicado em caso do estágio curricular obrigatório.

Para o diretor, apesar da remuneração, o mais importante é adquirir conhecimento. “Nesta situação é comum o jovem ficar indeciso. Mas fazer o estágio é importante, não apenas pelo aprendizado em si, mas também para ter melhor visibilidade no mercado quando estiver formado e, consequentemente, ter mais competitividade no salário”, detalha Mavichian.


Leia mais

Universitários abandonam fé por conta de conflitos ideológicos e religiosos