17.7 C
Vitória
segunda-feira, 27 junho 2022

Universidade Federal do ES adota banheiros transgêneros

Foto: Reprodução

“A questão do banheiro é biológica, não de orientação sexual. Como vamos proteger as meninas de abusos?”, perguntou um servidor

Por Patricia Scott 

O Centro de Educação da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) adotou a utilização de banheiros transgêneros. A nova medida foi aprovada em setembro de 2021. No entanto, começou a ser praticada no final de abril, com o retorno das aulas presenciais da faculdade.

Com a nova resolução fica permitido o uso dos banheiros feminino e masculino por qualquer estudante que se declare homem ou mulher. Na prática, com a mudança, um homem biológico autodeclarado transexual, pode utilizar o banheiro feminino. Da mesma forma, uma mulher biológica trans, está liberada para usar o banheiro masculino.

O Conselho Departamental do Centro de Educação da Ufes afirmou que a resolução tem o objetivo de “garantir o uso de banheiros, vestiários e demais espaços segregados por gênero nos prédios do Centro de Educação conforme o gênero que pessoas transexuais, travestis e transgêneros se reconhecem, não devendo ser imposto o uso deste ou daquele conforme o sexo biológico, mas respeitada a escolha de acordo com a identidade de gênero”.

A partir da determinação da nova medida, cartazes, informando sobre a mudança, foram colocados nos banheiros. Também ficou estabelecido que servidores e funcionários terceirizados recebam formação para garantir o respeito ao nome social e a identidade de gênero de pessoas transexuais, travestis e transgêneros. A assessoria de imprensa da Ufes informou que a faculdade já promoveu formação em encontros sobre a diversidade sexual.

No entanto, professores e servidores contrários à resolução ressaltaram que a mudança não foi feita com a discussão da comunidade acadêmica. Segundo eles, a medida afeta, principalmente, as mulheres. “A questão do banheiro é biológica, não de orientação sexual. Como vamos proteger as meninas de abusos?”, perguntou um servidor. Vale destacar que por medo de retaliações ou ações judiciais, parte da comunidade da faculdade que é contra a mudança tem permanecido em anonimato.

A Campanha pelos Direitos Humanos das Mulheres alertou para o risco que mulheres enfrentam com a adoção de banheiros transgêneros. “É impossível comprovar que um indivíduo tenha ou não uma ‘identidade de gênero’; não há exames para atestar isso”. 

A representação frisou ainda que defende o direito de todo ser humano a viver sem violência e, obviamente, inclui indivíduos que não aceitam o próprio sexo biológico e que se sentem constrangidos ou ameaçados nos espaços do próprio sexo. “Porém, a solução não é transferir esse mesmo constrangimento e sensação de ameaça para as meninas e mulheres”.

Segundo organizações pela proteção da mulher, são inúmeros os casos de homens que se aproveitam dessa política. Eles fingem uma orientação sexual para cometer abusos.

Com informações Gazeta do Povo 

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se