Unida: pioneirismo no mestrado em Ciências das Religiões

Reitor da Faculdade Teológica Unida (FTU) Wanderley Rosa (Foto: Assessoria)
Reitor da Faculdade Teológica Unida (FTU) Wanderley Rosa (Foto: Assessoria)

Faculdade Unida abre caminho para inovação nas áreas de conhecimento e no campo acadêmico por meio de novos cursos

Referência no estudo de Teologia no Brasil, por seu pioneirismo em mestrado da Ciências das Religiões, a Faculdade Teológica Unida celebrou mais uma conquista. A instituição passa a ofertar Licenciatura em Ciências das Religiões à distância, modalidade conhecida como EAD. A garantia foi dada no último dia 10, por meio de uma Portaria do Ministério da Educação (MEC).

E a Unida, que oferece diversas modalidades de curso, incluindo bacharelado, licenciatura e tecnólogo, trouxe mais novidades ainda este ano. Agora já disponibiliza cursos de Pedagogia, Tecnólogo em Gestão Ambiental e Gestão em Recursos Humanos.

O reitor Wanderley Rosa destaca ainda que a faculdade tem convênios internacionais, entre eles, o Seminário Teológico de Princeton nos Estados Unidos que existe há 200 anos. Além disso, realiza intercâmbio de alunos e professores para a Universidade de Hamburgo na Alemanha e ao Seminário Metodista de Ohio.

“A gente quer ajudar essas pessoas não apenas a fazer Teologia, mas qualquer curso que desejem. Queremos proporcionar para essas pessoas uma emancipação social”, acrescentou Wanderley. Nessa exclusiva, o reitor falou sobre diversos temas à Comunhão.

Comunhão – Como analisa o cenário atual das igrejas evangélicas no Brasil?

Wanderley Rosa – Do ponto de vista numérico, a igreja Evangélica no Brasil não para de crescer, basta pegar os últimos censos e ver o crescimento exponencial. Isso aconteceu especialmente na década de 90. Além disso, essa curva de crescimento baixou um pouco, mas continua acontecendo.

De modo geral, as igrejas evangélicas estão repletas de pessoas, são centenas de “megas-igrejas”, mas até as igrejas menores estão cheias. Sob o mesmo ponto de vista numérico e que reflete o objetivo de boa parte dos ministérios pastorais, ou seja, converter pessoas e trazê-las para suas igrejas, eu diria que vai muito bem.

O legalismo é um fenômeno atual nas igrejas do Brasil?

Em minha tese de doutorado, pesquisei isso. De fato, os primeiros brasileiros que se converteram com a pregação dos missionários, de modo geral, se tornaram pastores muito conservadores. Então essa é uma característica que vem desde o início.

Entretanto, temos setores muito preocupados com questões de direitos humanos, de minorias, de tolerância religiosa, de diálogo com a sociedade brasileira. Aqueles que se perguntam como a igreja poderia contribuir para a sociedade, no sentido mais amplo possível, para torná-la melhor. Assim, você não tem uma data exata, mas tem como referência o ano de 1964. Nesse contexto, percebemos comunidades mais conservadoras, legalistas, mais refratárias às posturas progressistas.

Como entende o fenômeno dos desigrejados?

Um aluno que oriento em nosso mestrado das Ciências das Religiões, pesquisa sobre o fenômeno dos desigrejados. E algumas pesquisas revelam que boa parte dos desigrejados são pessoas que ficaram decepcionadas. Constataram que a igreja é um mero reflexo da sociedade e não tem nada de diferente. A pessoa espera um ambiente terapêutico, de tolerância. No entanto, ao chegar encontra um ambiente conservador, castrador das liberdades individuais e com uma pauta ultraconservadora. Assim, acaba se decepcionando e saindo da igreja.

Qual o posicionamento teológico da Unida em meio a tantas transformações?

Em primeiro lugar, eu deveria responder que a Teologia da Faculdade Unida é protestante. Entretanto, temos muitas alternativas de teologia. Todos os nossos professores são pastores ou pastoras, evangélicos de várias denominações.

Por outro lado, não somos ligados a uma denominação específica no corpo docente ou no corpo de alunos. Assim, representamos dezenas de igrejas evangélicas diferentes, inclusive há católicos que estudam conosco.

Em segundo lugar, eu chamaria de uma linha teológica dialogal, que está aberta a dialogar com diferentes versões teológicas protestantes. Dessa forma, falar que a faculdade é de linha protestante, não é suficiente, pois não temos um único tipo de protestantismo.

Quais são os novos cursos que a faculdade passa a oferecer?

Nós temos o curso de Teologia tanto presencial quanto à distância e ambos reconhecidos pelo Ministério da Educação (MEC). Sempre enfatizamos esse pioneirismo. Somos o primeiro curso reconhecido pelo MEC no Estado do Espírito Santo. Além disso, o curso de teologia à distância é o primeiro e ainda único no Estado.

E ainda temos o mestrado em Ciência das Religiões, único na modalidade de mestrado profissional em todo o Brasil. Atualmente, temos estudantes país inteiro, são mais ou menos 150 pessoas fazendo esse mestrado. E metade delas vem de outros Estados, pois o curso funciona em regimes modulares, o que facilita bastante.

Que novidades podemos esperar da Faculdade Unida?

Recentemente, tivemos aprovado a licenciatura em Ciências das Religiões, a única reconhecida pelo MEC no Estado. A licenciatura é para formar professores de Ensino Religioso. No dia 28 de dezembro do ano passado, foi publicada uma portaria pelo MEC definindo essa licenciatura como exigência para se tornar professor de Ensino Religioso. Assim, estamos saindo na frente, pois essa portaria é de dezembro e em julho saiu nossa autorização. As inscrições já estão abertas e a primeira turma vai iniciar em fevereiro de 2020.

Qual mensagem deixa aos leitores de Comunhão?

Que os leitores de Comunhão possam ter como ideal o resgate daquilo que há de melhor e de mais bonito na tradição protestante. A tradição sempre cultivou e lutou pela democracia, aliás, originou a democracia do mundo moderno. Por exemplo, os protestantes que lutaram contra a escravidão e por um bom sistema educacional. Parte mais importante do sistema educacional moderno é fruto da ação de Protestantes. Enfim, não é atoa que temos famosos hospitais evangélicos espalhados por várias partes do mundo. Então, meu recado é para que estejamos comprometidos com aquilo que é bom e justo. Dessa forma, em uma sociedade tolerante, respeitosa, democrática. Porque isso é evangélico.


LEIA MAIS

Teologia: Um chamado à vida, à prática e ao discipulado