back to top
21.9 C
Vitória
domingo, 23 junho 2024

Um mal chamado intolerância religiosa

Só em 2022, foram 1.200 ataques contra as religiões. Foto: Reprodução internet

No próximo domingo (21) é celebrado o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. Apesar do Brasil ser praticamente todo cristão, esse crime aumentou 175% nos últimos anos 

Por Cristiano Stefenoni

No próximo domingo (21) é celebrado o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. A data foi instituída pela Lei Federal nº 11.635/ 2007 e tem como objetivo tentar combater um mal que cresceu 175% nos últimos três anos, segundo pesquisas do Relatório sobre Intolerância Religiosa, com base nos dados do portal Disque 100. Só em 2022, foram 1.200 ataques contra as religiões. Mas por que números tão altos em um país tão cristão?

“Temos a prática da intolerância por parte de alguns cristãos contra outras crenças, por não entender corretamente a prática da missão, do evangelismo. O cristianismo não serve como religião imposta. A ordem de Jesus não é impor a pregação. Do outro lado, também temos uma intolerância contra o próprio cristianismo, que é crescente no Brasil em função da presença do relativismo muito forte e do processo de secularismo antirreligioso”, afirma o pastor Amauri Oliveira, presidente da Igreja Presbiteriana da Penha (IPP), em São Paulo.

Na opinião do pastor Amauri, na maioria das vezes o que leva uma pessoa a cometer um ato de intolerância religiosa é o fato dela achar que apenas a sua religião é a correta, que as outras são erradas e trazem prejuízos em todos os sentidos para a sociedade.

- Continua após a publicidade -

“A partir do momento que a pessoa faz uma construção mental de que aquela outra religião é ameaçadora à sociedade, de que aquilo vai contra ao que ela entende como sendo para o bem coletivo, cria-se dentro de si uma justificativa para combater a outra maneira de pensar, então, ela pratica a intolerância religiosa”, justifica.

Para evitar uma propagação desse mal, o pastor fala que a família e a igreja têm um papel fundamental. “O papel tanto da família como da igreja é ensinar a relação correta, a discordância saudável. Ensinar o verdadeiro tom da missão, que é evangelizar, influenciar. Somos o sal e a luz do mundo para salgar, temperar, impedir o apodrecimento da sociedade, iluminar as obscuridades sociais. O cristianismo é a religião que mais sofreu intolerância religiosa na história da humanidade. Cristo respondeu perdoando aquele que o ofendia”, enfatiza.

Lei brasileira ampara a liberdade religiosa 

De acordo com o professor acadêmico, pastor Geraldo Moyses Gazolli Junior, que também é mestre em Ciências da Religião e doutorando em Teologia, o problema da intolerância religiosa no Brasil é histórico e, na maioria das vezes, é ensinado aos filhos, de uma geração para outra, o que dificulta o combate.

“Uma pessoa intolerante geralmente foi alimentada por um longo prazo com ódio, seja na infância, seja no convívio de amigos e a própria mídia. Há também líderes que inspiram para o mal e a prática dessas ações”, enfatiza. Ele lembra que quem sofre esse tipo de ataque possui respaldo legal para se defender. 

“Pessoas que passam por isso são amparadas pelo artigo 18 da Constituição. O amparo constitucional e penal deve ser usado. É um direito. Como cristãos entendemos que há cenários em que nosso testemunho envolve sofrimento e perseguição, como Jesus já havia alertado (João 15:20). Mas caso avance ou indique violência física ou mental, o campo penal é a melhor escolha”, orienta.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Publicidade

Comunhão Digital

Publicidade

Fique por dentro

RÁDIO COMUNHÃO

VIDA E FAMÍLIA

- Publicidade -