25.2 C
Vitória
quarta-feira, 28 outubro 2020

Trump quer se firmar como presidente da recuperação econômica, dizem analistas

Leia também

Drones para fiscalização de crimes eleitorais

Os drones possuem câmeras com mecanismo de aproximação para identificar suspeitos, placas de veículos, entregas de santinhos e situações de compra de votos

Comunicações suspeitas ao Coaf aumentaram 40%, diz Febraban

Segundo presidente da Febraban, houve um crescimento "exponencial" de fraudes bancárias e tentativas de desvios de verbas públicas

Petrobras aprova guia de conduta ética para fornecedores

O guia reforça ainda que os fornecedores devem promover condições dignas e seguras de trabalho aos seus empregados

Em meio aos protestos por justiça racial e gestão errática da pandemia do novo coronavírus, o presidente americano registrou 39% em recente pesquisa. Confira!

Por Paulo Beraldo (AE)

Diante das sucessivas pesquisas indicando que o presidente Donald Trump perderia as eleições para seu concorrente democrata Joe Biden, analistas ouvidos pelo Estadão afirmam que a estratégia do presidente americano agora é a de tentar se consolidar como o responsável pela normalização pós-pandemia do coronavírus e pela recuperação econômica.

Um de seus principais desafios é o de minimizar os prejuízos da pandemia e desqualificar as diferentes pesquisas que o colocam como perdedor da disputa pela Casa Branca. “Ele quer assegurar que haja uma sensação entre a população de uma tendência positiva e está disposto a aceitar um maior número de vítimas desde que haja recuperação mais rápida da economia. O que pode dar muito errado, já que a reabertura pode acelerar o número de casos”, diz Oliver Stuenkel, coordenador da pós-graduação da Escola de Relações Internacionais da FGV.

O desemprego atinge 13,3% da população e, apenas em abril, 20 milhões de pessoas perderam seus trabalhos – o pior mês desde a Grande Depressão. Os Estados Unidos são o país mais atingido pelo novo coronavírus, com 2,4 milhões de casos e mais de 124 mil mortos. Nesta semana, uma pesquisa do jornal The New York Times com o Siena College mostrou que Joe Biden tem 50% das intenções de voto e Trump, 36%. Em meio aos protestos por justiça racial e resultados de uma gestão errática da pandemia do novo coronavírus, o presidente americano registrou 39% em recente pesquisa da Gallup.

“É um número baixíssimo para um candidato que pretende a reeleição”, avalia Carlos Poggio, doutor em relações internacionais e professor da FAAP. Poggio lembra que apenas um candidato foi reeleito com um nível de aprovação tão baixo: Harry Truman, em 1948, mas pondera que a pesquisa é uma fotografia do momento e que ainda faltam cinco meses para o pleito. A mesma pesquisa do NYT mostrou que Trump perdeu força nos seis Estados-chave que deram a ele a vitória no Colégio Eleitoral em 2016: Michigan, Pensilvânia, Wisconsin, Flórida, Arizona e Carolina do Norte.

Na última semana, a campanha de Trump teve outra derrota considerável: alardeou que um comício em Oklahoma, o primeiro da retomada de sua campanha, iria atrair multidões. O local estava esvaziado. “Há uma percepção bastante ampla na população americana de que o governo Trump não geriu bem a pandemia”, afirma Stuenkel. Além da crise econômica e da pandemia, as pesquisas mostram também uma percepção de que a postura de Trump não foi construtiva em relação às manifestações”.

Para Stuenkel, uma boa parcela da população americana acredita que o país está indo na direção errada e, diante disso, Trump já não é mais o favorito. O cenário é muito diferente do de 120 dias atrás, quando até mesmo democratas reconheciam a dificuldade de desbancar Trump na disputa presidencial. Pela primeira vez, Trump admitiu publicamente que poderia perder.

Os analistas lembram que a reeleição é um referendo do atual governo e que o papel de Biden pode até ser secundário, o que explicaria sua atuação defensiva. No momento, Trump tem tentado colar nas manifestações contra o racismo o rótulo de violentas e sugere que os democratas seriam favoráveis a “terroristas” que apoiam a destruição do patrimônio e querem tirar recursos das polícias.

Na avaliação de Poggio, que fez pesquisa de pós-doutorado na Universidade de Georgetown sobre a ascensão de Trump à presidência, a estratégia tem se mostrado falha, uma vez que as manifestações foram amplamente pacíficas.

Para o professor, os protestos favorecem a campanha de Joe Biden, que não tem o mesmo carisma de Trump, e consegue se colocar na pauta. “Os protestos deram algum destaque para ele, já que antes só se falava em coronavírus. E agora o Biden faz o papel no qual está mais confortável: o de uma figura paterna”, diz. Por sua vez, a pandemia permite que a campanha não realize eventos públicos e evite gafes.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Drones para fiscalização de crimes eleitorais

Os drones possuem câmeras com mecanismo de aproximação para identificar suspeitos, placas de veículos, entregas de santinhos e situações de compra de votos

Covid-19: Anticorpos duram sete meses no organismo

Estudo com 6 mil pessoas mostrou que os infectados pela covid-19 geram uma reação imunológica adequada. Saiba mais!

Mais um acordo de paz: agora com Israel e Sudão

É o terceiro acordo de paz com Israel, mediado pelos EUA este ano. Saiba mais!

Tristeza! Famílias separadas na fronteira dos EUA

Organizações não conseguiram localizar os pais de 545 crianças até o momento na fronteira do México com os EUA

Inusitado! Batismo no gramado de futebol

Nos EUA, um técnico de futebol americano realizou batismo improvisado no gramado, onde os jogadores treinam. Confira essa história!

Mercado de ideologias

Ninguém em sã consciência pode negar a aproximação da ideologia progressista com o grande capital

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

Semana dos manuscritos do Mar Morto; Saiba mais!

Arqueólogos e especialistas vão apresentar um dos mais impactantes achados da humanidade, na semana dos manuscritos do Mar Morto. Evento, que começa nesta segunda,19, é gratuito!

Live Solidária “Um Com Eles” em Libras

A live solidária, realizada pela Portas Abertas, será transmitida pelo Facebook, e estará acessível a todos que entendem a língua brasileira de sinais. Saiba mais!

Desafio Superação em corrida virtual; É neste domingo, 18

Em alusão ao Outubro Rosa, o Desafio Superação vai mobilizar mulheres cristãs de todo o Brasil em prol da saúde. Saiba mais!

Vovô Raul Gil recebe artistas gospel em live; Saiba mais

A live gospel do Vovô Raul Gil será no dia 21 de outubro e vai reunir personalidades e artistas evangélicos. Saiba mais!
- Publicidade -

Plugue-se

Clovis Pinho, o que vem por aí?

Novo single de Clovis Pinho deve chegar ao mercado em novembro. Saiba mais!

“Sentido” é o novo álbum musical de Leonardo Gonçalves

Gravado em Praga, na República Tcheca, álbum conta as canções que marcaram os mais de 20 anos de carreira de Leonardo Gonçalves

Respostas simples para questões complexas sobre a fé cristã

"Cristianismo bem explicado" é o quarto livro da série da Mundo Cristão, dedicada a esclarecer pontos difíceis sobre convívio social, Bíblia e teologia.

Kemuel fará reality; Novidade será anunciada em live

Isadora Pompeo, Rebeca Carvalho, Sarah Beatriz, Neil Barreto, Felipe Vilela e Pyero Tavolazzi são alguns dos convidados da live com Kemuell neste domingo, 25