26.9 C
Vitória
terça-feira, 31 março, 2020

Transgeneridade infanto juvenil

- Continua após a publicidade -

Mais lidas

Organização das Olimpíadas faz parceria com OMS

Governo do Japão e promotores dos Jogos de Tóquio estreitam laços com a Organização Mundial da Saúde para que coronavírus não comprometa em 2021

Elenco do Barcelona vai reduzir salários em 70%

Em comunicado oficial, Messi informou que o elenco do clube reduzirão seus salários em 70% enquanto continuar o estado de alarme na Espanha

Rivaldo lança campanha para arrecadar alimentos

Rivaldo, usou sua rede social para propor um desafio aos seus amigos para ajudar as famílias que não tem o que comer na quarentena

Presidentes do Paraguai, El Salvador e Guatemala pedem a proteção de Deus

A América Latina se prepara para o Covid-19: "É claro que vamos orar!". Saiba mais! Quando o epicentro da pandemia do Covid-19 passou da China...

No Brasil, a cirurgia está autorizada a partir dos 21 anos; o uso de hormônios aos 18, e os bloqueadores obviamente antes da puberdade

Mudanças surpreendentes têm afetado nosso comportamento e sexualidade. É o caso dos movimentos por visibilidade e despatologização das identidades de gênero. O mais conhecido, por estar recorrentemente na mídia é o de Thammy Miranda. Mas, e quando o assunto é criança? Como vem sendo abordada a transgeneridade infanto juvenil?

À medida que as terapias de reorientação sexual perderam força, a população infanto juvenil se viu desamparada e relegada ao discurso dos ideólogos de gênero, sustentado pelo suspeito meio científico atual, referente ao uso dos bloqueadores hormonais com vistas à futura cirurgia de redesignação sexual.

Nos EUA clínicas de gênero se multiplicam. Inicialmente são feitas mudanças de nome e prenome da criança ajudando-a a fazer passar-se por uma pessoa do sexo oposto. Aos 11 anos a puberdade é suprimida com substâncias chamadas agonistas. Aos 16 anos podem tomar hormônios do sexo oposto em preparo para a cirurgia de redesignação sexual. [1]

Brasil

No Brasil, a cirurgia está autorizada a partir dos 21 anos; o uso de hormônios aos 18, e os bloqueadores obviamente antes da puberdade. Chama atenção, contudo o PL 5002/2013 de autoria dos Deps. Jean Wyllys e Erika Kokay que prevê aos menores de 18 anos acesso à Justiça quando um dos pais se opuser ao desejo de iniciar o processo de transexualização.

O embasamento para procedimento médico invasivo de tal monta a despeito até da autorização dos pais está no sofrimento emocional decorrente da incongruência entre o gênero que tais crianças sentem ter e seu sexo biológico.

De fato, pesquisas demonstram que crianças com transtorno de identidade de gênero possuem extrema vulnerabilidade em relação à saúde física, mental e social, tais como tendências a exclusão, depressão, automutilação, prostituição a partir da adolescência, e suicídio. [2]

Reflexões

O assunto é delicado e controvertido e a questão ética, flagrante. Necessárias se fazem algumas reflexões:

  • Não existem, até então, evidências científicas sólidas que recomendem tratamentos invasivos como bloqueios hormonais, cujos efeitos são desconhecidos ou prejudiciais, como a esterilidade.
  • Ainda que o processo de transexualização traga alívio emocional momentâneo, recente relatório publicado pela AcPeds [3] atesta que “pessoas com transexualismo, após passarem pela redesignação sexual, apresentam riscos de mortalidade, comportamento suicida e morbidez psiquiátrica consideravelmente mais elevados que a população geral.”
  • Estudos revelam que ninguém nasce predeterminado a identificar-se como transgênero. O desenvolvimento emocional e psicológico da criança pode sim, ser afetado por experiências positivas ou negativas desde a primeira infância. Deus abençoe nossas crianças com oportunidades de viver dinâmicas familiares & sociais livres de perturbações em seu desenvolvimento, entre elas, a transgeneridade.
  • E fiquemos atentos a exposição de nossos filhos às influências das novas identidades de gênero pela mídia e redes sociais lutando também por currículos escolares isentos da perniciosa ideologia de gênero.

Débora Fonseca é graduada em Direito e Psicologia, membro da Igreja Presbiteriana em Jardim Camburi e coordenadora do Ministério Luz na Noite


[1] Estudo do American College of Pediatrician, publicado em https://www.acpeds.org
[2] Transtorno de Identidade Gênero Infantil, XII CONAGES
[3] Estudo do American College of Pediatrician, publicado https://www.acpeds.org/the-college-speaks/position-statements/gender-dysphoria-in-children

 

- Continua após a publicidade -

Revista Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Live: “As perguntas cruciais a serem respondidas na crise”

Um dos 25 melhores CEO’s dos EUA, Craig Groeschel fará nesta quinta-feira (02), às 10h30, uma Live exclusiva para o Brasil com tradução simultânea

26 de março: live – Como inovar na igreja em tempos de disruptura

Nesta quinta (26), as 19h, vai acontecer a primeira live da série "O efeito da liderança na crise” com Josué Campanhã, diretor da Envisionar e Thiago Faria

Novo Som faz show online

Devido a quarentena por causa do coronavírus, a banda vai estar ao vivo no sábado (28) a partir das 20h. Será transmitido pelo Instagram e Facebook

Coronavírus: Os eventos evangélicos que já foram cancelados

Devido a pandemia que se instalou no país por conta da Covid-19, muitos eventos evangélicos foram cancelados, suspensos ou adiados. Confira!

Receber notícias

Gostaria de receber notícias em primeira mão? Assine gratuitamente agora:

Plugue-se

Gospel Challenge: o desafio do melhor clipe! Aberta votação

Projeto inédito realizado pela Sony Music, o Gospel Challenge, que vai até 24 de abril, traz vários desafios para os cantores. Público também pode escolher o melhor clipe por votação. Saiba como!

“Superação” é o 10º álbum de carreira de Damares

"Superação" é o primeiro projeto musical no formato digital de Damares. Novo álbum terá 12 faixas. E já está disponível nas plataformas de streaming

Programas on-line para mentoreamento de homens e mulheres

Ministérios vão transmitir série de lives com objetivo de fortalecer as famílias e oferecer aos pastores, líderes e cônjuges ferramentas para o cuidado intencional, discipulado e mentoreamento

Vem aí o Festival de Cinema Cristão 2020

Entre as novidades do Festival desse ano estão a abertura para a categoria de filmes para surdos e mudos. Inscrições começam dia 1º de abril e vão até 30 de junho