Tráfico de pessoas, uma realidade a ser combatida

Foto: Shutterstock

Em todo o mundo, o tráfico de escravos trágico e bárbaro continua em número cada vez maior.

Homens e mulheres, meninos e meninas são coagidos à escravidão moderna sem pensar duas vezes em seu bem-estar ou futuro. Trabalhando através das fronteiras internacionais, os traficantes de seres humanos continuam a aumentar os lucros. Crianças e adultos estão sendo explorados por sexo, servidão doméstica, trabalho forçado, atividades criminosas e até extração de órgãos.

O Dia Mundial contra o Tráfico de Pessoas foi celebrado nesta semana, no dia 31 de julho. A escravidão moderna rouba as vítimas da dignidade e do seu futuro. Globalmente, a escala do problema é chocante.

Dados divulgados recentemente pela Fundação Walk Free, da Austrália, revelaram que 40,3 milhões de pessoas vivenciaram a escravidão moderna em 2016 e 70% eram mulheres e meninas. Os três países com maior prevalência de escravidão moderna são a Coreia do Norte, Eritreia e Burundi e cada um desses três países tem altos níveis de trabalho imposto pelo Estado.

Mas a escravidão moderna também é um problema no Reino Unido. A estimativa de quantas pessoas estão presas na escravidão moderna é agora dez vezes maior do que se pensava anteriormente. Costumava-se estimar que havia entre 10.000 e 13.000 sendo escravizados no Reino Unido. Mas agora essa figura disparou para impressionantes 136.000.

São milhares de pessoas – adultos e crianças – no Reino Unido que estão em alguma forma de escravidão moderna. Nas lavagens de carros, nas ruas e nas comunidades locais, o problema da escravidão moderna neste país parece estar piorando.

Claramente, ficar parado e não fazer nada não é simplesmente uma opção. Como cristão, sei que Deus cuida dos vulneráveis, os oprimidos e ele chama seu povo para fazer a diferença.

Hoje é uma chance de voltar a nos dedicar a tomar uma posição. Alguns estão trabalhando diretamente com as vítimas para garantir que elas sejam cuidadas uma vez que elas escapem. Outros estão coordenando missões de resgate. Outros ainda, como a Christian Action Research and Education (CARE) – Pesquisa de Ação Cristã e Educação, em português), estão trabalhando com os formuladores de políticas para garantir que nossas leis sejam tão fortes e efetivas quanto possível. Mas todos nós temos um papel a desempenhar. Seja apoiando financeiramente instituições de caridade anti-tráfico ou educando-nos sobre o que procurar e o que fazer se você suspeitar que haja uma vítima em sua área.

Também é verdade dizer que o Reino Unido tomou medidas consideráveis ​​para resolver a questão da escravidão moderna. De John O’Groats a Belfast, Cardiff e Lands ‘End, todas as quatro partes constituintes do Reino Unido dedicaram leis anti-tráfico. A Lei da Escravidão Moderna abrange a Inglaterra e o País de Gales e há pouca dúvida de que representa um momento importante na luta contra a escravidão moderna.

Mas claramente as estatísticas nos dizem que muito mais precisa ser feito. Na CARE, pensamos que uma área em que precisamos melhorar o status quo é a questão de fornecer apoio adequado a pessoas resgatadas da escravidão moderna.

Quando uma pessoa escapa da escravidão moderna, precisa de ajuda e, acima de tudo, precisa de segurança e estabilidade e enfrenta as incertezas do futuro. Na Escócia e na Irlanda do Norte, as vítimas do tráfico de seres humanos têm direito a apoio estatutário e ajuda. Mas este não é o caso na Inglaterra e no País de Gales.

Claramente, isso precisa mudar. É por isso que a CARE tem o privilégio de fazer parte da campanha do Free for Good, que se destina a melhorar o apoio às vítimas em toda a Inglaterra e País de Gales. Como tal, juntamente com os nossos amigos do Free for Good, temos trabalhado com dois destacados políticos, Lorde McColl e Frank Field MP, a fim de convencer o governo a apoiar o projeto de lei da Escravidão Moderna (Apoio à Vítima). Essa legislação agora está na Câmara.

Isso fortaleceria significativamente o apoio às vítimas atualmente disponível na Inglaterra e no País de Gales. Ajudaria a proteger as vítimas da falta de moradia, da destituição e do novo tráfico. Isso daria às vítimas um caminho direto para a recuperação. Isso garantiria que um padrão mais elevado de atendimento seja disponibilizado. Também alinharia a lei na Inglaterra e no País de Gales com a Escócia e a Irlanda do Norte.

Se o governo apoiasse a lei e a adotasse como política oficial, que sinal enviaria para alguns dos mais vulneráveis ​​da nossa sociedade. Eles diriam a eles que escapar da escravidão moderna não é apenas uma breve pausa antes de serem novamente traficados, mas que os sistemas de apoio estão em vigor para que possam realmente reconstruir suas vidas.

Sabemos que o tráfico de seres humanos é verdadeiramente um crime abominável. Envolve despojar os direitos humanos, a dignidade e a liberdade das pessoas e forçá-las à servidão para que sejam controladas por uma gangue ou por uma pessoa. Na CARE, temos o privilégio de desempenhar um pequeno papel na tomada de posição. Se você se importa com a dignidade humana, não pode permanecer em silêncio enquanto os direitos dos outros são rotineiramente abusados. Há milhões presos na escravidão moderna em todo o mundo e cabe a nós tomar uma posição em seu nome.


James Mildred. Gerente de comunicações da Christian Action Research and Education (CARE). Texto do Christian Today.