20.3 C
Vitória
sexta-feira, 3 julho, 2020

Todo dia é um dia de índio!

Mais lidas

Vacinas poderão controlar a covid-19, diz diretor do Butantan

Medicamentos não vão acabar com novo coronavírus, alerta pequisador. Confira! 

Guia do comércio eletrônico apresenta medidas para autorregulação do setor

Governo quer mais adesões ao guia de comércio eletrônico. Saiba mais! 

Informais foram os mais afetados pela pandemia, revela Ipea

Por conta dos impactos causados pelo novo coronavírus, em maio, o grupo de informais recebeu em média 60% do que era esperado

Hoje é o último dia para pedir o auxílio emergencial

Prazo para novos cadastros termina nesta quinta às 23h59. Saiba mais! 

O Covid-19 é um grande perigo para estes povos já tão sofridos! Os 850 mil índios brasileiros (censo 2010) constituem um grupo muito vulnerável

A nossa realidade diária nunca esteve tão próxima do que os indígenas brasileiros vivem. Quando os primeiros portugueses aqui chegaram eram milhares distribuídos em cerca de 1000 tribos caracteristicamente nômades com a liberdade de ir e vir dentro do imenso território brasileiro. Quando o alimento escasseava em uma região mudavam-se para onde podiam encontra-lo novamente em abundância.

Apesar dessa aparência de paraíso terrestre, haviam guerras inter-tribais, morte e dor, mas nada comparado ao que iriam enfrentar com a colonização. Entre o século XVI e o século XX, de milhões passaram a milhares. Escravidão, extermínio e epidemias foram os principais motivos dessa redução.

Hoje a grande maioria dos descendentes das nações indígenas que sobreviveram em meio a tanta tragédia vivem em terras demarcadas com acesso limitado de suprimentos. Povos que foram repetidamente dizimados por epidemias de tuberculose, varíola, sarampo e até mesmo gripe, muitas vezes de forma criminosa, continuam sob a ameaça de um contágio em massa. Além disso tudo ainda enfrentam discriminação e negação dos seus direitos há seculos.

O isolamento a que os povos indígenas foram submetidos, apesar de colaborar para a manutenção de sua cultura, não impediu que sofressem transformações sociais. Além disso, seus territórios continuam a sofrer invasões. Sendo culturalmente nômades, muitos deixam suas aldeias e passam a viver em situação de miséria, marginalizados nas cidades grandes. Trabalho escravo, exploração sexual também se tornam parte de sua triste realidade.

O Covid-19 é um grande perigo para estes povos já tão sofridos! Os 850 mil índios brasileiros (censo 2010) constituem um grupo muito vulnerável. A falta ou o limitado acesso a hospitais, a alta incidência de doenças respiratórias, diabetes e hipertensão, e a grande quantidade de pessoas vivendo sob o mesmo teto são alguns dos fatores que os tornam tão suscetíveis ao coronavírus.

Para conter a propagação do vírus, a FUNAI está impedindo a entrada e saída de pessoas das aldeias. Como as atividades comerciais como venda de artesanato estão suspensas, não tardarão a se agravar os problemas econômicos e sociais.

A quarentena a que nos submetemos nos últimos dias também nos limitou o espaço físico e o acesso aos meios básicos de sobrevivência. Trouxe-nos o medo constante de uma epidemia e as reações mesmo que inconscientes de discriminação dos passam por nós ao largo como se tivéssemos uma doença contagiosa. Temos, portanto, vivido uma tênue imagem do que é a vida de índio!

Aproveitemos estes dias de isolamento social para refletir sobre formas de melhoria de nossa sociedade, incluindo a indígena. Povos que apesar de separados de nós pela língua e cultura, não podem ser isolados de nossa solidariedade e oração.

Convido você para aproveitar esses dias e conhecer mais da realidade destes povos através da internet assistindo vídeos on-line ou lendo os textos encontrados em sites como pib.socioambiental.org, wycliffe.org.br, novastribosdobrasil.org.br, instituto.antropos.com.br, comin.org.br, cimi.org.br, dentre outros.


Lidice Meyer Pinto Ribeiro – Antropóloga, Professora na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa, Portugal

- Continua após a publicidade -

Comunhão Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Artistas cristãos na ação social “Eu Soul VC”

Entre os artistas cristãos confirmados estão Casa Worship, Renascer Praise, André e Felipe, Rebeca Carvalho e Leandro Borges

The send Argentina é adiado para 2021

Em comunicado, os organizadores do The Send disseram que a data exata será definida assim que o governo tiver o poder de reativar eventos maciços

Em agosto, 16º Fórum de Ciências Bíblicas

Com o tema “A Bíblia para as novas gerações”, evento será realizado nos dias 13 e 14 de agosto, no Centro de Eventos de...

Expoevangélica 2020 é adiada para dezembro

Neste ano, a Expoevangélica celebra 15 anos e pretende realizar uma grande festa em Fortaleza (CE).

Plugue-se

Kemuel e o fenômeno da música “Algo Novo”

Com quase cinco milhões de vies no Youtube, "Algo Novo", tem impactado a vida de muita gente e diversos testemunhos de cura 

“Quando o sol se põe” estreia dia 22, na Netflix

Filme é uma boa opção para todas as pessoas, independente da religião. Entre os atores de “Quando o Sol se Põe” estão a cantora Priscilla Alcantara, Lu Alone, Filipe Lancaster e Lito Atalaia

Denzel Washington e seu encontro sobrenatural com o Espírito Santo

O ator é bem conhecido por interpretar o papel de Malcolm X - um filme biográfico relacionado às atuais tensões raciais nos Estados Unidos e o Livro de Eli

Petição pede cancelamento de filme que descreve Jesus como lésbica

A petição, que já conta com mais de 137 mil assinaturas, é da Comissão Cristã de Cinema e Televisão internacional