Time “cristão” disputa série C do Campeonato Carioca

Equipe do
Equipe do "CAAC" em jogo contra rival Campo Grande AC (Foto: Facebook - Campo grande AC)

O CAAC se tornou profissional em 2018 e integra a série C do Campeonato Carioca, o time busca levar sua “doutrina” para o jogo

Um time da série C do Campeonato Carioca e que disputa o quarto nível de futebol profissional no Estado do Rio, surgiu a partir de um campeonato entre igrejas em 2009. Dessa forma, uma organização de auxílio a igrejas protestantes do Rio, o Centro Administrativo Apologético Cristão CAAC, formou o time.

À princípio, com a escolha dos melhores jogadores, o time amador, disputou o torneio fluminense entre o ano inicial e 2017. Em primeiro lugar, quando se tornou profissional em 2018, o time ficou em 10° colocado entre 18 times na série C.  Em suma, o elenco é formado por jogadores nascidos entre 2000 e 2001.

O time busca levar sua doutrina para o “jogo”. “O que podemos fazer na parte espiritual, fazemos. A pessoa não é obrigada a ter Jesus Cristo no seu coração, mas ela se coloca à disposição da doutrina no dia a dia. Não impomos nada a ninguém, mas tem coisas que não permitimos. Criamos uma disciplina, e essa disciplina tem sido correspondida pelos atletas, apesar de alguns não confessarem a fé”, conta o presidente do clube, o pastor Ricardo Coelho.

O técnico do time profissional, o pastor Ilmar de Almeida, dá detalhes de como trabalha isso com os jogadores do CAAC. “Às vezes o jovem chega aqui com alguns erros de criação, e tenta machucar o companheiro, ou fala muito palavrão. Coibimos isso, dando educação do que se devem fazer ou não. Temos a linha do futebol do Sul, com muito preparo físico, para chegar primeiro nas bolas divididas, não ser desleal, não destratar ninguém e sempre respeitar o adversário, fazendo um jogo limpo”, explica o treinador.

ELENCO

Além disso, Jeferson Moreira Costa, 18, goleiro do CAAC, chegou no time com 14 anos. Natural de Minas Gerais, o garoto é grato pela oportunidade de crescimento que está tendo no clube.

“Às vezes, durante o jogo, com o sangue quente, acaba acontecendo alguma coisa, seja a gente falar um palavrão ou dar uma entrada mais forte. Depois do jogo, o professor Ilmar sempre para e corrige para tentar evitar essas coisas. Também pedimos desculpas aos adversários de fazemos algo”, conta o goleiro titular do time profissional.

Equipe do CAAC no Clube Cidade Nova em Nilópolis Foto: WILTON JUNIOR/ESTADÃO
Equipe do CAAC no Clube Cidade Nova em Nilópolis Foto: WILTON JUNIOR/ESTADÃO
TORCIDA DO BEM

Segundo o presidente, o clube também procurará moderar o comportamento dos torcedores. “Não podemos muito mexer nessa situação, porque não temos torcida organizada ainda. Mas se viermos a ter, pretendemos uma torcida organizada do modo do bem, sem xingamento, sem briga, sem oposição. Muito difícil isso de acontecer, mas esse é o nosso objetivo”, conta Coelho.

Além disso, revela que “nosso objetivo é ter o esporte como parte da saída de muitas coisas ruins que no mundo junto aos jovens, como as drogas e o tráfico. Assim, completa “com o esporte, acredito que vamos poder dar uma atividade a cada um desses jovens e adolescentes para que eles possam mostrar o talento deles, seja na música, na dança, na cultura ou no esporte mesmo. E com isso, ensinar disciplina, respeito e obediência, essa é a nossa bandeira”, afirma.

Segundo Coelho, “nosso propósito é vencer esse campeonato e chegar à Série B2 do Carioca”, projeta. O pastor Ilmar também está confiante. “Acredito que, com o time completo, vamos ganhar os próximos jogos e buscar o acesso para B2”. Atualmente, o time está em Anchieta, na Baixada Fluminense, e manda os jogos no estádio Joaquim Flores, em Nilópolis.


LEIA MAIS

O time de futebol que fala de Deus
“Deus cuidou de mim”, testemunha jogador 
Seleção brasileira de futebol cai no ranking masculino da Fifa 
Zagueiro Neto: “Não desista dos seus sonhos”