O testemunho impactante de Mariah Gomes

“Eu preciso continuar acreditando, porque a minha música ainda não acabou”

Caçula de oito filhos, apenas Mariah permanecia até o final quando seu pai reunia todos para cantar ao pé de uma mangueira, no Recreio, bairro da zona oeste do Rio. Desde sempre a música fez parte da vida de Mariah Gomes.

A cantora é dona de uma história impactante de milagres e superação, que ganhou uma versão audiovisual, o mini documentário intitulado “Viva a Sua Música”. “Eu vivia escondendo o HIV inclusive de alguns dos meus irmãos, que foram descobrindo gradativamente”.

A decisão de contar sua história para o mundo começou em 2013, quando em uma conversa com Deus revelou sentir-se vivendo com uma máscara. “Eu não estava à vontade com aquela situação e não encontrava um propósito para mim. Deus me deu uma resposta categórica. Internada no hospital, uma assistente social ouviu minha história e, chorando, me disse: ‘Você precisa contar essa história para as pessoas. É muito linda a forma como você vive’. E isso foi a resposta que eu precisava. A questão depois foi ‘Como será a melhor forma de fazer isso?’. Eu não queria sensacionalismo. Não queria que fosse nada triste, que ressaltasse o sofrimento”, explica.

Propósito

“Eu me converti com 5 anos de idade quando uma vizinha de onde eu morava a gente morava num lugar bem tipo roça mesmo, onde a distância entre as casas era bem espaçada. Ainda assim, uma vizinha chamou minha família para um culto no lar e, naquele dia, a maioria de nós recebeu Jesus. Aos 6 anos, teve a inauguração da igreja e, desde o primeiro culto é que eu não paro de cantar. A música é parte da minha vida…”.

“O ‘Viva a sua música’ nasceu junto com meu amigo Max, que é o diretor, produtor e roteirista do vídeo. Expliquei que eu queria contar o meu testemunho e, no final de 2017, durante uma conversa, uma frase que eu disse ficou marcada: ‘Que a gente precisa viver a nossa música'”.

Daí veio o nome do documentário, que vai continuar como um projeto com finalidade filantrópica para ajudar instituições que tratam pessoas com HIV. Então, o propósito de tudo isso é realmente servir, cuidar e amar pessoas”, compartilha Mariah.

História

Ao decidir fazer o documentário, Mariah conta que não queria que fosse algo triste. “Imagine pessoas que têm a mesma coisa e estão passando por um momento difícil?
A minha intenção não é enaltecer a dor, mas que fosse uma mensagem de esperança para as pessoas”, ressalta.

“Ao receber o diagnóstico em 1998, as informações eram muito escassas. Foi como uma sentença de morte. Hoje, a internet ajuda muito. Depois do primeiro impacto, eu sabia que alguma coisa ali era espiritual. Quando eu perguntei para Deus: ‘O que o Senhor quer fazer através disso?’, Ele foi me mostrando. Eu passei por muitas coisas difíceis, como crises de saúde e preconceito, mas o amadurecimento chegou e, hoje, graças a Deus, fizemos tudo na hora certa.

Finalizamos o documentário com chave de ouro: com o casamento e com a minha vida já estruturada, mostrando que Deus pode fazer todas as coisas independente se a cura vem ou não”, conclui.

Veja o documentário


leia mais

“Jornada” – O dueto de Mariah Gomes e Lukas Agustinho