back to top
21.6 C
Vitória
sábado, 20 DE julho DE 2024

Tentativa do governo para acordo entre MST e Suzano fracassa

Tentativa do governo para acordo entre MST e Suzano fracassa - Foto: Reprodução/Internet

Paulo Teixeira afirmou que o diálogo entre a Suzano e o MST foi retomado e agora existe uma mesa de negociação

Fracassou a primeira tentativa do governo Lula de resolver o conflito agrário no sul da Bahia que envolve o Movimento dos Sem Terra (MST) e a empresa de celulose Suzano. O ministro do Desenvolvimento Agrário, Paulo Teixeira, reuniu nesta quarta, 8, representantes da empresa e do movimento. Ao fim do encontro, o petista disse apenas que a pasta retomou o diálogo entre as partes e estabelecerá uma “mesa de negociações”. Nova reunião foi marcada para o dia 28 deste mês.

“Foi retomado o diálogo. Esse diálogo aconteceu até 2016 e foi interrompido. Hoje ele foi retomado e nós termos uma mesa de negociação”, disse Teixeira. “Queremos reafirmar os termos do acordo feito em 2011 e atualizado em 2015. Evidentemente, agora ele precisa ser atualizado”, prosseguiu. Questionado pelo Estadão, o ministro não explicou por que o acerto foi interrompido.

A empresa e o MST firmaram um acordo em 2011 que previa, entre outras medidas, a compra de parte das terras em disputa pelo Incra para assentar as famílias do movimento. As empresas envolvidas no conflito – incorporadas pela Suzano – cederiam outra parte. O primeiro assentamento fruto desse acordo foi instalado em 2015. Mas, ainda durante a gestão da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), o Incra deixou de dar a contrapartida para a aquisição de novas áreas. De acordo com o MST, 450 famílias ficaram sem receber o lote de 10 hectares.

“As partes querem cumprir (o acordo) e todos nós vamos trabalhar pelo cumprimento daquele acordo. Queremos uma relação de diálogo para solução dos eventuais conflitos”, disse Teixeira. “O respeito ao direito de propriedade será uma tônica desses atores aqui. A Suzano reconhece as obrigações assumidas naqueles acordos e agora vai discutir os modos e os meios de execução, juntamente com o governo federal”, afirmou o ministro.

- Continua após a publicidade -

A Suzano estabeleceu como condição para o início do diálogo a reintegração das terras invadidas pelo MST. Nesta terça, 7, a Polícia Militar da Bahia deu início ao despejo dos sem-terra. Não houve conflito.

Preocupação

A retomada das invasões pelo MST, até mesmo em áreas produtivas, se tornou uma preocupação para o setor agrário. As ações contrariam o discurso de Lula durante campanha, que chegou a dizer que o MST não entrava em propriedades produtivas, como as áreas da Suzano.

Com informações de Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Publicidade

Comunhão Digital

Publicidade

Fique por dentro

RÁDIO COMUNHÃO

VIDA E FAMÍLIA

- Publicidade -