24.9 C
Vitória
quarta-feira, 18 maio 2022

7 tendências na Igreja pós pandemia

igrejas_pós pandemia
Foto: Reprodução

Embora ninguém possa dizer exatamente o que o futuro reserva, Comunhão separou dicas sobre as tendências que a liderança das igrejas devem observar na pós pandemia

Por Priscilla Cerqueira 

Este ano levará a novas tendências nas igrejas pós pandemia. Chegamos ao final de 2021 e percebemos que a maior parte da pandemia ficou para trás e o futuro está a sua frente. Mas que tipo de nova realidade surgirá? Para os líderes da igreja, com certeza será um mundo diferente.

Embora ninguém possa dizer exatamente o que o futuro reserva, segue aqui algumas tendências que a liderança da igreja deve considerar na pós pandemia. Confira!

1 –  A frequência física na igreja poderá diminuir

A frequência física da igreja está diminuindo há décadas e a covid-19 acelerou o declínio ainda mais. A igreja média viu seu atendimento reaberto vir em cerca de 36% dos níveis anteriores. Quase nenhum líder espera que a frequência à igreja volte aos níveis pré-covid por um tempo.

Por anos, a maioria dos pastores não sabia como lidar com qualquer pessoa que se engajasse na mensagem ou missão fora de suas instalações. Seguindo em frente, muitos líderes da igreja perceberão que as pessoas que estão trabalhando em casa ou em outros lugares contarão tanto quanto aquelas que estão frequentando uma instituição.

No último ano, muitas coisas mudaram em casa. As pessoas perceberam que não precisam ir a um prédio para se engajar. E, como resultado, alguns não farão isso tanto no futuro. Muitas igrejas em crescimento verão a frequência fora das instalações. Mais e mais igrejas em crescimento irão abraçar a visualização online de casa.

O que os pastores precisam entender é que essa tendência não é sobre pessoas que estão desistindo, mas que estão se inclinando. Na igreja pós-pandemia, é possível que a maioria dos participantes, bem como as pessoas mais engajadas, não estejam presentes.

2 –  As igrejas em crescimento mudarão seu foco de se reunir para se conectar 

Historicamente, a igreja apostou quase tudo para reunir pessoas em um edifício. Em 2021, no entanto, as igrejas em crescimento se concentraram menos na reunião e muito mais na conexão. Conectar pessoas que estão engajadas em casa tanto com a igreja quanto umas com as outras se tornará uma habilidade essencial para todos os líderes da igreja.

Em 2022, servir a Cristo significa vir à sua igreja em um local e hora determinados, você precisa de uma nova estratégia. A maneira mais fácil de pensar sobre isso é da mesma forma que os líderes da igreja têm pensado sobre pequenos grupos nos últimos 25 anos.

Quase nenhum líder de igreja hoje se sente ameaçado pela ideia de que centenas ou milhares de pessoas se reunirão em suas casas para se conectar com outras pessoas. A igreja facilita os grupos, mas não os hospeda em instalações centralizadas. Em vez disso, os líderes simplesmente conectam as pessoas que desejam estar conectadas e envolvê-las na missão.

Reunir as pessoas nas manhãs de domingo será tão importante como sempre. Isso simplesmente não vai acontecer em um prédio de propriedade da igreja.

3 –  Alguns pastores tentarão encher os auditórios enquanto outros se concentram em cumprir a missão 

As duas primeiras tendências são desorientadoras e é fácil ver por que parecem desanimadoras para muitos líderes. É um paradigma totalmente novo no qual a igreja está emergindo. Muitos líderes estão tendo dificuldade em aceitar o que está acontecendo.

Como resultado, a tendência natural será ignorar as tendências 1 e 2 e se concentrar em encher os auditórios novamente quando tudo estiver totalmente aberto. Isso pode criar uma vitória de curto prazo, mas resultar em uma perda de longo prazo e oportunidade perdida. Afinal, para a maioria dos líderes encher salas estava ficando mais difícil muito antes da pandemia.

Por mais que rendam ótimas fotos no Instagram e façam você se sentir melhor consigo mesmo, quartos cheios não garantem o cumprimento de uma missão.

4. Igrejas em crescimento verão a internet e seus edifícios de maneira diferente

As instalações da igreja do futuro serão locais onde as pessoas se reunirão para serem equipadas para fazer o ministério durante a semana. Sei que, teoricamente, sempre acreditamos nisso, mas muitas vezes não nos comportamos dessa forma. O que acreditamos e como nos comportamos geralmente são duas coisas muito diferentes.

A diferença é que a maioria das pessoas que você está equipando não estará na sala. Você pode estar falando com eles da sala, mas eles estarão em suas casas, em seus carros, no trabalho e na comunidade. A maioria dos pastores está usando a igreja online para levar as pessoas ao prédio. No futuro, pastores usarão o prédio para alcançar as pessoas online.

5. O conteúdo sozinho não é suficiente 

A pressa em 2020 era colocar o conteúdo online. O que era completamente natural e apropriado. Em 2021, o clima em torno do conteúdo está mudando. Os pastores estão reclamando que as visualizações diminuíram porque as pessoas foram “reduzidas” ou “excluídas”.

O conteúdo é importante porque compartilhar a Palavra de Deus é importante. No entanto, muitos cristãos agora percebem que podem assistir ou ouvir seus pregadores, criadores de conteúdo e vozes favoritos no mundo de hoje a qualquer momento gratuitamente. É o que eles fazem.

Uma abordagem é tentar igualar ou igualar os comunicadores excepcionalmente talentosos e habilidosos lá fora. Mas, para a maioria dos líderes, essa não é uma estratégia vencedora. Você não poderá competir.

As igrejas em crescimento (e sim, isso inclui igrejas de pequeno e médio porte também) perceberão que a conexão e a comunidade vencerão o conteúdo no final, e elas concentrarão seus recursos nisso. Tenha como objetivo a conexão do conteúdo digital, não o consumo.

6 –  As diferenças geracionais ficarão mais claras do que nunca 

Uma das tendências cada vez maiores nos últimos anos é que as diferenças geracionais estão se tornando mais nítidas do que nunca. Embora, de acordo com uma pesquisa , 71% dos adultos preferissem a adoração física em vez da igreja digital ou híbrida, apenas 41% da Geração Z preferia a adoração física. Todos, exceto os adultos, tinham preferência por encontros híbridos (uma combinação de encontro pessoal e digital) ou digitais.

E embora os líderes adorem escolher dados de peças, tente uma abordagem mais simples. Se você acha que as atitudes sobre adoração, justiça racial, sexualidade, economia e até mesmo coisas como mudança climática não estão mudando onde você mora (ou seja, as pessoas por aqui são bem tradicionais), converse com um pastor de jovens.

Os pastores de jovens, mais do que qualquer outra pessoa, percebem para onde as tendências estão caminhando. À medida que a Geração Z entra no mercado de trabalho, as atitudes e crenças que a maioria dos líderes pensavam eram aberrações e exceções. Líderes que entendem a cultura emergente, sua linguagem e seus valores terão a melhor chance de alcançá-la.

7 – Líderes conectados com os membros da igreja irão prosperar 
Estes são tempos difíceis para todos os líderes, mas à medida que a poeira assenta e emergimos no mundo pós-pandemia, os líderes que veem oportunidades em vez de obstáculos irão prosperar.

O dom ausente estabelecido na igreja é o empreendedorismo espiritual – algo que o Novo Testamento chama de apostolado. É o tipo de determinação radical, inovação e ferocidade que o apóstolo Paulo mostrou.

A igreja hoje está cheia de pastores, a ponto de os pastores talvez estarem super-representados na liderança da igreja. O que mais precisamos, à medida que navegamos em novas águas em uma cultura pós-cristã, não é mais de pastores, mas de empreendedores espirituais.

O que precisamos é de uma nova geração de apóstolo Paulo que avance em novas direções. Empreendedores espirituais são o tipo de líder que encontrará as soluções de amanhã, quando a maioria dos líderes só consegue ver os problemas de hoje.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se