back to top
23.9 C
Vitória
quinta-feira, 20 junho 2024

Sete fatos que marcaram a Igreja Perseguida em 2022

Retrospectiva da Igreja Perseguida em 2022. Foto: Divulgação

A violência continua sendo um dos maiores desafios da Igreja Perseguida. Entre dores e surpresas, a graça de Cristo permanece sobre a vida dos cristãos perseguidos.

Por Lilia Barros

O ano de 2022 certamente pode ser descrito sob diferentes perspectivas: alegrias, perdas e expectativas sobre o porvir. Para a Igreja Perseguida não é diferente. Algumas nações viveram mudanças consideráveis, que ofereceram certo alento para os cristãos perseguidos. Enquanto outras enfrentam violência e pressão crescentes, em muitos casos, fatais.

1. Coreia do Norte: primeiro caso oficial de COVID-19, fome e pressão

O mundo ficou surpreso quando o governo norte-coreano reconheceu pela primeira vez casos de COVID-19 no país, dois anos depois do início da pandemia mundial. A pressão sobre a população em geral cresceu, mais cristãos foram presos. Trabalhadores enfrentam jornadas longas, muitos em países estrangeiros, e não recebem o salário, que é confiscado pelo governo norte-coreano. A Coreia do Norte vive um momento crítico que aumentou a fome, enrijeceu o discurso ideológico e as ameaças sobre a igreja secreta no país.

2.Cristãos desconectados na China

O governo chinês aprovou diversas medidas em 2022 que aumentaram a perseguição aos cristãos chineses, sobretudo no mundo digital. Rádios e sites cristãos foram tirados do ar, o uso de aplicativos de troca de mensagens recebeu diversas limitações. A eleição da nova diretoria do Partido Comunista Chinês reforçou essa trajetória de pressão e isolamento sobre os cristãos.

- Continua após a publicidade -

3. Sul da Ásia: guerra civil, leis anticonversão e ataques violentos

Quase depois de um ano do golpe militar em Mianmar, cristãos foram as principais vítimas dos ataques. Centenas de pessoas, sobretudo no estado de Chin, tornaram-se deslocadas internas. Elas deixaram a casa e toda história para trás para sobreviver. O que restou? Igrejas destruídas, milhares de mortes e casas incendiadas pelo exército que vê os cristãos como ameaça ao país.

Na Índia, leis anticonversão causaram a prisão de pastores e apelo internacional pela defesa das minorias religiosas, vítimas de inúmeros ataques em 2022. Bangladesh também foi uma nação onde os cristãos foram vítimas de inúmeros ataques, especialmente nos centros de alfabetização de adultos administrados por igrejas locais.

O Sul da Ásia também foi duramente impactado por desastres naturais. Chuvas torrenciais inundaram um terço do Paquistão e causaram prejuízos sérios no Nepal.

4. Instituições cristãs fechadas em Cuba e Nicarágua

Em 2022, autoridades em Cuba e Nicarágua fecharam arbitrariamente igrejas, rádios, asilos e outras instituições cristãs. As determinações aconteceram sem aviso prévio, deixando diversos cristãos envolvidos nesses trabalhos desamparados e sem saber o que fazer. No mesmo período, cristãos foram presos injustamente e a pressão sobre eles na América Latina continua crescendo. Uma das ações que mais chamou atenção foi o fechamento repentino de uma igreja de 30 anos em Cuba.

5. Violência na África Subsaariana

Muitos foram os relatos de ataques em Burkina Faso, Camarões e sobretudo na Nigéria. A região vive sob influência de grupos extremistas, principalmente o Boko Haram, que usam a violência para subjugar populações à sharia, conjunto de leis islâmicas, e para extinguir a presença cristã dos países. As principais estratégias para isso foram a violência sexual, para constranger as mulheres cristãs, os sequestros para tomar as crianças e os assassinatos para destruir os homens.

6. Libertação e recomeço

Entre o final de outubro e início de novembro, o Irã viveu uma grande tensão política social com protestos que levaram a mudanças. Pela primeira vez, em 43 anos, as mulheres podem andar sem véu e dois cristãos presos devido à organização de igrejas domésticas foram libertos.

Na África, 15 das vítimas do sequestro em Chibok, na Nigéria, também foram libertas, duas em junho e onze em dezembro. Todas estavam com filhos, frutos do abuso em cativeiro, e estão sob cuidados das igrejas locais e parceiros da Portas Abertas. O retorno envolve traumas e muitos desafios, mas cremos na restauração e em um novo começo para cada uma dessas jovens e seus filhos. Que elas encontrem na igreja de Cristo amor, acolhida, força e graça para recomeçar.

7. Copa do Mundo

Um dos grandes eventos que impactou o mundo foi a Copa do Mundo 2022. O Mundial foi sediado no Catar, um dos outros sete países da Lista Mundial da Perseguição 2022 que disputaram os jogos. Além de movimentar pessoas para os estádios, os olhos das pessoas puderam perceber com clareza as violações de direitos humanos, os desafios que as minorias cristãs enfrentam para praticar a fé em segredo na Península Arábica. A Portas Abertas organizou uma tabela de oração e especial sobre os jogos que movimentou a igreja livre para vestir a camisa da Igreja Perseguida durante a Copa.

Com informações do Portas Abertas

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Publicidade

Comunhão Digital

Publicidade

Fique por dentro

RÁDIO COMUNHÃO

VIDA E FAMÍLIA

- Publicidade -