24.1 C
Vitória
sábado, 15 maio 2021

Perseguição! Sete anos do sequestro das meninas de Chibok

Sequestro de Meninas do Chibok completa 7 anos. Na ocasião, o Boko Haram invadiu uma escola na Nigéria e raptou 275 meninas. Muitas ainda continuam em cativeiro

Hoje, 14 de abril completam-se sete anos desde que o Boko Haram invadiu a escola secundária de meninas em Chibok, na Nigéria, onde 275 garotas estavam reunidas para fazer uma prova. Fingindo serem seguranças do governo que vieram protegê-las, os invasores colocaram as meninas em caminhões e fugiram em direção a Floresta de Sambisa.

Dessas, 47 escaparam antes, durante ou logo após o ataque. Demorou mais de dois anos até que outras meninas conseguissem a liberdade. Sete anos depois, 111 ainda continuam com o paradeiro desconhecido. Neste dia, os pais recordarão o evento que mudou suas vidas para sempre.

Sem notícias

A atmosfera desse dia ainda é de desespero. Pouco se sabe sobre o paradeiro e as condições das meninas que permanecem em cativeiro. Também não é claro se há algum esforço real para negociar a soltura e menos progresso ainda para assegurar sua liberdade.

O presidente da associação de pais das meninas sequestradas do Chibok, Yakubu Nkeki Maina expressou à Portas Abertas frustração quanto ao silêncio do governo.

“É tão lamentável o governo, que supostamente deveria tomar conta dos cidadãos, ter abandonado nossas filhas nas mãos do Boko Haram. Não há justificativa do porquê nossas filhas não foram resgatadas dos sequestradores nesses sete anos. É muito perturbador termos chorado e pedido ao governo para vir ao nosso resgate, mas nosso lamento não ser ouvido”.

Os pais do Chibok

Ao longo dos últimos 7 anos, os pais das meninas do Chibok suportaram diversas especulações sobre sobre as condições de suas filhas. Para os país, esse é um pesadelo sem fim. Yana Gana, uma das mães, disse a Portas Abertas: “Esses 7 anos foram como 100 anos para mim. Dia e noite, continuo orando e esperando que minha filha volte para casa. Se minha filha está morta, eu quero saber, para que possa lamentar e encontrar paz para meu coração. O suspense é demais. Essa questão me deixou com pressão alta, que nunca tive antes”.

Os pais do Chibok sentem a dor da perda, mas não deixam de acreditar no retorno de suas filhas. No vídeo abaixo, os pais das meninas do Chibok testemunham a dor da perda das filhas e a esperança por seu retorno.

Veja o vídeo

*Com informações de Portas Abertas

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se