back to top
25.5 C
Vitória
domingo, 14 DE julho DE 2024

Ser crítico demais faz mal à saúde

A pesquisa mostrou ainda que os críticos costumam estar insatisfeitos consigo mesmos e projetam nos outros aspectos da própria personalidade que não aceitam. Foto: Freepik

A Bíblia condena atitudes críticas, preconceituosas e julgadoras. E a ciência já provou que essas atitudes fazem mal a quem as pratica. Mas como se livrar disso?

Por Cristiano Stefenoni

Quando Jesus falou a sua famosa frase “Não julguem, para que vocês não sejam julgados” (Mt 7:1), o recado foi bem claro: Deus não aprova atitudes preconceituosas, julgadoras, de gente que rotula as pessoas. Contudo, a questão não é só espiritual. O que Cristo já sabia, mas a ciência descobriu agora, é que essa postura negativa de alguém em relação aos outros faz mal à saúde, exatamente, a quem faz a crítica.

Um estudo realizado pela Universidade Wake Forest (EUA) revelou que pessoas que são muito críticas e preconceituosas, geralmente, tendem ser mais infelizes e sofrem grande risco de ter depressão. A pesquisa mostrou ainda que os críticos costumam estar insatisfeitos consigo mesmos e projetam nos outros aspectos da própria personalidade que não aceitam. Apesar de sentirem vazios, não conseguem olhar para dentro de si para tentar resolver o problema.

“Uma percepção positiva a respeito das outras pessoas indica satisfação com a nossa própria vida”, afirmou Dustin Wood, um dos pesquisadores do estudo. Outro trabalho desenvolvido pela Associação Americana de Psicologia (APA), mostrou resultados semelhantes: por trás da crítica há insegurança e baixa autoestima, isto é, pessoas felizes, maduras e realizadas tendem a tratar bem os outros, enquanto as negativas e tristes, vivem desqualificando os outros.

- Continua após a publicidade -

“O fofoqueiro é uma pessoa desqualificada socialmente, malvista, que gera problemas, traz desgaste, tristeza e problemas. Um dos maiores malefícios da igreja é a fofoca. Gera divergências, controvérsias, divisão entre irmãos”, alerta o pastor sênior Paulo Eduardo, da Primeira Igreja Batista de São Paulo.

Ele explica que há vários textos na Bíblia que condenam a postura julgadora, crítica, fofoqueira e rotuladora. O pastor lembra que o próprio Cristo orientou sobre como agir quando a pessoa fica sabendo de algo grave de outra pessoa.

“Faça o que Jesus disse e vá diretamente a pessoa envolvida. Fale com respeito, dignidade e educação. Deixe claro que a sua intenção é ajudar, para que ele veja o problema e se corrija do erro. E se por acaso não conseguir resolver sozinho, chame outro irmão para ajudar”, diz o pastor

5 dicas para ser menos crítico com as pessoas

1 – Ouça quem está ao seu lado
Ouvir o feedback de quem convive com você sobre o seu hábito de criticar os outros é muito importante para erradicar esse comportamento. Sim, isso pode ser bastante desagradável. Mas, como as pessoas ao nosso redor têm uma visão mais racional acerca de como agimos, suas opiniões podem destacar condutas consideradas desagradáveis com mais facilidade. Peça esse feedback somente a pessoas de confiança, como amigos íntimos, familiares e cônjuge.

2 – Assuma que todos estão fazendo o melhor que podem
Todas as pessoas, incluindo você, estão fazendo o melhor que elas podem. Estão agindo com base em suas crenças pessoais, experiências de vida, criação, conhecimento e hábitos. Podem estar agindo de má fé para prejudicar terceiros em alguns casos, mas seja realista. Quantas vezes você já encontrou alguém assim? Esse modo de pensar vai ajudar você a reduzir o criticismo direcionado às outras pessoas e, ainda, desenvolver a sua empatia.

3 – Descubra com o que você está insatisfeito
Seja sincero e reflita: com o que você está insatisfeito em sua vida? Identificar quais elementos costumam desencadear as suas críticas mais intensas, pode ajudá-lo a chegar à uma conclusão. Por exemplo, se você se sente desconfortável com o peso, condição financeira, profissão e estado civil de outra pessoa, pergunte-se o que causa esse sentimento. É algo que está faltando em sua vida? É necessidade de colocar o outro para baixo para se sentir bem?

Em seguida, reflita sobre o que você pode fazer para melhorar as características as quais você desgosta em si mesmo. Seja compassivo ao identificar seus defeitos e atributos negativos. Lembre-se que você não é perfeito!

4 – Considere se você já fez o mesmo (provavelmente sim!)
Todos nós temos dias ruins, cometemos erros e agimos sem pensar. Quando o julgamento do outro estiver na ponta da língua, considere se você já teve uma atitude semelhante a dele. Por exemplo, quando pessoas são fechadas no trânsito, elas ou xingam em voz alta, ou buzinam para expressar a raiva.

Se você já criticou algum desses comportamentos em outros indivíduos, se pergunte se já fez o mesmo. Da mesma forma, considere se você já fechou alguém no trânsito sem perceber. Quando julgamos outros, estamos segurando um exemplo que reflete a nossa própria personalidade. Ou seja, se algo que o outro faz incomoda você, é provável que represente uma parte de você. Além disso, costuma ser mais fácil encontrar falhas nos outros do que em nós mesmos.

5 – Seja compassivo
Você não sabe por que as pessoas agem do jeito que agem. E se você descobrir que a pessoa quem está criticando teve uma experiência trágica que a levou a ter o comportamento que possui hoje? E se ela estiver fazendo terapia, mas não conseguiu se desvencilhar de comportamentos disfuncionais do passado? Você não conhece a história das pessoas, então seja compassivo. Você não precisa aprovar as suas atitudes ou pontos de vista, mas pode tentar entendê-las e ser empático.

Fonte: Psicólogo.com

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Publicidade

Comunhão Digital

Publicidade

Fique por dentro

RÁDIO COMUNHÃO

VIDA E FAMÍLIA

- Publicidade -