25.5 C
Vitória
sexta-feira, 19 abril 2024

Secretário do Tesouro: déficit zero não é cerne do arcabouço

tesouro
"A meta de primário não é o cerne do arcabouço, é mais um elemento colocado na regra", afirmou Ceron - Foto: Joédson Alves/Agência Brasil

Em audiência, Rogério Ceron minimizou influência do resultado primário no cumprimento da meta fiscal pelo governo 

O secretário do Tesouro Nacional, Rogério Ceron, afirmou que o resultado de meta de primário zero para 2024 não é o cerne do novo arcabouço fiscal, mas um dos elementos da regra. Ele ainda defendeu o novo arcabouço pela capacidade de enfrentar a volatilidade dos ciclos econômicos, frisando que o instrumento mantém limitação ao crescimento do gasto público.

“A meta de primário não é o cerne do arcabouço, é mais um elemento colocado na regra”, afirmou Ceron nesta terça-feira, em audiência pública na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional.

Para o secretário, o cumprimento das metas de primário tende a colaborar muito com o processo de ajuste das contas públicas, alinhadas ao objetivo da equipe econômica de recompor base fiscal com receitas recorrentes, dando sustentabilidade às contas. Por isso, a equipe optou por meta de primário agressiva para intensificar processo de ajuste. “A estabilidade no ambiente econômico é muito importante para a retomada dos investimentos privados. A questão fiscal se coloca como importante e o arcabouço fiscal veio nessa linha de trazer estabilidade e previsibilidade e atenuar a volatilidade dos ciclos econômicos. Se conseguirmos caminhar nessa direção, nosso entendimento é que isso trará efeitos positivos ao longo do tempo”, afirmou.

O secretário ainda pontuou que mudanças estruturais, como a reforma tributária em tramitação no Congresso, trarão ganhos de produtividade para a economia brasileira, o que se reverterá em ganhos também na política fiscal.

- Continua após a publicidade -

Ele também frisou que o governo está buscando instrumentos mais eficientes para a alocação de recursos e investimentos, com o uso de parcerias público-privadas (PPPs) e as concessões. Ainda destacou que está em processo uma ampliação muito grande de recursos para Educação, considerado um investimento base para longo prazo.

Desafio

Mais cedo, na mesma Comissão, o deputado Cláudio Cajado (PP-BA), relator do da lei do novo arcabouço fiscal já sancionada no mês passado, disse achar que o governo está dividido entre aqueles que estão comprometidos com as metas fiscais – como o ministro da Fazenda, Fernanda Haddad -, e aqueles que querem que as despesas cresçam sem que se assegurem novas receitas.

“O grande desafio agora é o governo colocar quase R$ 170 bilhões de recursos para dentro do caixa, dando sustentabilidade e longevidade ao arcabouço”, afirmou Cajado. “O que me preocupa são os gastos sem previsão de receita, isso é muito temerário. Nós vamos acompanhar e o mercado também”, avaliou.

Para o parlamentar, a votação do novo regime fiscal e da reforma tributária pela Câmara dos deputados alterou o cenário econômico, com mais otimismo por parte dos investidores. “Se houver algo que comprometa o resultado das metas fiscais, isso poderá trazer graves prejuízos, com a volta da inflação e um risco Brasil mais elevado”, alertou. “Se nos distanciarmos do espírito do arcabouço, teremos construído um castelo de cartas, que vai desmoronar”, completou. Com informações de Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Publicidade

Comunhão Digital

Publicidade

Fique por dentro

RÁDIO COMUNHÃO

VIDA E FAMÍLIA

- Publicidade -