21.9 C
Vitória
terça-feira, 21 setembro 2021

Se lemos a Bíblia, por que ouvir sermões?

Muitos cristãos imaginam que a leitura Bíblica em casa possa substituir a experiência cristã de congregar e ouvir de um pastor sermões aos domingos

Por Marlon Max

Alguns cristãos passam décadas dentro das igrejas e nunca encontram resposta para uma pergunta aparentemente simples: se lemos a bíblia, porque temos que ouvir sermões? Essa indagação foi feita ao renomado teólogo e pastor John Piper. A princípio a resposta parece óbvia, mas o que precisa ser respondido, segundo Piper é o motivo pelo qual pregamos a Palavra.

Seja para o ensino, ministração ou uma exposição de porções da Bíblia, sua relevância na sociedade é notada. Mas se um cristão estuda a Bíblia em casa, busca Deus através da Palavra, porque ele ainda precisa ouvir sermões dominicais? John Pipe elabora cinco razões para estar sempre ouvindo ou ministrando os fundamentos Bíblicos nas congregações.

1. Os pastores têm o dom único de ensinar

Segundo John Piper, aos pregadores e professores são preparados para tal tarefa. “De acordo com 1 Timóteo 3: 2, ministros devem ser dotados ou aptos e capazes para ensinar, o que significa que eles devem ter o tempo, a inclinação, a habilidade e o discernimento espiritual para ver as coisas infalíveis palavra que muitas pessoas comuns simplesmente não veem”, diz,

2. Os sermões nos ajudam a ler melhor a Bíblia

Foto: Desiring God

O pastor argumenta que a habilidade dos pastores em destrinchar o conhecimento torna o texto Bíblico mais acessível. “Em seu ensino e pregação, os pastores demonstram para o povo e são um modelo para o povo como ver aquelas mesmas coisas na leitura da Bíblia que eles normalmente não veem por si mesmos”, explica e ressalta que “a pregação é baseada na palavra de Deus, e a boa pregação mostra desde o próprio texto da palavra de Deus de onde vem o ensino, para que as pessoas que estão ouvindo possam ver por si mesmas. E ao ver por si mesmos, através da pregação deste pastor, eles aprendem como ver por si mesmos. E assim, por meio da boa pregação, a própria leitura da Bíblia se torna cada vez mais frutífera”, destaca Piper.

3. A pregação desperta novas afeições por Deus

Uma boa pregação depende de alinhamento entre o que o Espírito Santo quer dizer e o manejo da palavra para encontrar a revelação exata daquilo que traduz a vontade de Deus. Para Piper, “ a pregação bíblica fiel é uma exultação expositiva. A palavra expositivo implica ensinar e explicar o que a Bíblia realmente significa. E a palavra exultação implica que o próprio pregador sente e comunica o valor do que está vendo”, explica.

Portanto, pregar é a comunicação de ver e saborear a realidade do texto. Isso significa que aqueles que ouvirem essa pregação, com o tempo, não apenas terão suas cabeças repletas de novos pensamentos, mas terão seus corações despertados para novos afetos por Deus e sua palavra e seus caminhos e seu povo.

“Podemos pensar que a própria Bíblia deve ser suficiente para despertar todos os afetos e emoções que os cristãos devem sentir. Bem, o fato é que isso não acontece. Deus planejou que sejamos inspirados, encorajados, humilhados e emocionados pelas coisas de Deus, que vemos com mais emoção por meio da pregação fiel e cheia do Espírito”, destaca o teólogo.

4. Deus salva pela loucura da pregação

Biblia
Foto: reprodução/ Pixabay

Há um mistério toda vez que um pregador abre a boca para falar da Palavra de Deus. A atuação do Espírito de Deus acontece nos corações de quem ouve e abre caminhos para a transformação. John Piper lembra que “Deus ordenou que os olhos dos cegos espiritualmente sejam abertos e que a salvação venha por meio da loucura da falível pregação humana”.

De acordo com ele, em I Coríntios 1:21 vemos esse mover acontecendo: “Visto que, na sabedoria de Deus, o mundo não conheceu a Deus por meio da sabedoria, isso agradou a Deus pela loucura do que pregamos para salvar os que crêem.”

Piper vai além e reforça a necessidade de se manifestar a palavra de Deus para que outros sejam salvos. “O plano de Deus é que as pessoas sejam salvas por meio da pregação da Bíblia, por meio da pregação da verdade bíblica, não apenas pela leitura da Bíblia. A loucura da pregação é apontada como um dos meios importantes de salvar pecadores”, explica.

5. Precisamos ouvir a palavra de outros crentes

O desejo de Deus, revelado nas Escrituras Sagradas, sempre apontou para uma forma orgânica e coletiva de vida. De tal modo que entre as pessoas haja constante ensino, doutrina e conhecimento de quem ele é. Piper chama atenção para a intenção de Deus em que todos sejam apenas um corpo em Cristo.

“Por trás de todos os quatro pontos anteriores está a verdade de que Deus pretende que a igreja seja um corpo de crentes mutuamente interdependentes. O olho não pode dizer à mão: Não preciso de você. Eu tenho minha Bíblia. Eu não preciso de você. Isso é de 1 Coríntios 12:21: “Os olhos não podem dizer à mão:‘ Não tenho necessidade de ti”, cita.

Em outras palavras, Deus determinou que Jesus Cristo, por meio do ministério do Espírito Santo, receberá mais glória por meio do ministério mútuo de exaltação de Cristo, dependente do Espírito e saturado de palavras na igreja do que se as pessoas apenas lessem suas Bíblias.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se