25.8 C
Vitória
terça-feira, 25 janeiro 2022

Salve a imprensa puritana

Mais Artigos

Pela primeira vez na vida tive a sensação que toda a imprensa brasileira estava a serviço dos puritanos escoceses

A Globo até contou que Bolsonaro falou 29 palavrões durante as duas horas de reunião. Diversas autoridades brasileiras, a começar pelo seu Celso, ficaram com todos os cabelos em pé com o palavreado chulo e indignados com o fato do Presidente usar palavras de baixo calão e exigir de seus ministros afinidade com seu programa de governo. Imagino que de fato deve ser imperdoável que em pleno regime presidencialista, um presidente queira mandar!!! Onde já se viu uma coisa dessa no mundo??

Confesso que fiquei feliz, exultante, maravilhado com esse viés puritano dos órgãos de imprensa. Cheguei até sonhar que as novelas vão parar de destruir as famílias, escolas e a comunidade evangélica. Que teremos filmes em que a moral e a ética serão a tônica. Que eles lutarão pelos direitos de todos serem livres e expressem suas opiniões. Eu sonhei ou a imprensa brasileira se tornou puritana de uma hora para outra???

Os palavrões de Bolsonaro ofenderam tanto os ouvidos puritanos dos repórteres que esqueceram de dizer que o vídeo também mostrou um presidente que não abre mão de um país livre, com liberdade de expressão, que valoriza a moral e a ética, que não tem nenhum caso de corrupção nos últimos 15 meses, que fala a verdade, que não engana o povo com mentiras, que quer ver o crescimento da nossa economia com dinheiro privado e que todos tenham empregos honestos e paguem suas contas. Esqueceram de dizer que o estado está falido e que esse governo não fará obras faraônicas para não gastar o dinheiro que não tem. Não vai repetir o erro dos governos passados, que não vai desistir de agir em prol do país e do povo.

Não aprovo os palavrões, mas nessa altura do jogo, ficar envergonhado com eles é ignóbil. Deveriam ficar envergonhados é com a desonestidade de nossos políticos corruptos, com a imoralidade de Brasília, com as falcatruas e a impunidade de nossas cortes, com a falta de caráter daqueles que deveriam ter uma reputação ilibada e estão mais sujos do que pau de galinheiro.

É uma pena que nossa imprensa ficou puritana por apenas 15 minutos. Eu sei, exigir mais do que isso é quase impossível, 15 minutos é o máximo que conseguiram. Que pena, voltaram a ser desprezíveis.

Pastor José Ernesto Conti é pastor da Igreja Presbiteriana Água Viva

 

- Publicidade -

Comunhão Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Entrevistas