27.3 C
Vitória
quarta-feira, 14 abril 2021

Reencontro! O piloto que ficou 36 dias desaparecido na mata

Durante os 36 dias em que esteve na mata perdido, na região norte do Brasil, o piloto Toninho Sena caçou e tomou água da chuva para sobreviver

Depois de 36 dias desaparecido na mata, na região norte do Brasil, o piloto de avião, Toninho Sena foi resgatado pelo Grupamento Aéreo de Segurança do Estado, da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Pará. Ele foi resgatado no último sábado, 6, em uma área isolada de mata.

O reencontro com os irmãos, que o procuravam há vários dias foi emocionante. “Ele está bem, pequenas escoriações pelo corpo e muito cansado. Obrigado pela força”, declarou Thiago Sena, irmão do piloto. Veja o vídeo abaixo:

O piloto foi encontrado por coletores de castanha em Igarapé Puxuri, divisa com o Amapá. Ele perdeu peso e estava desidratado. Após reencontrar com a família e um grupo de amigos, Toninho foi levado para Santarém (PA) e recebeu atendimento médico.

A aeronave parou de funcionar

O avião monomotor Cessna 210, prefixo PT-IRJ pilotado por ele, desapareceu após decolar do município de Alenquer, oeste do Pará, no dia 28 de fevereiro, com destino ao garimpo Califórnia. O pouso aconteceria na pista 13 de Maio, na região do município de Almeirim, oeste paraense.

“Pousei forçado. A aeronave parou de funcionar. Como eu vinha voando baixo em três mil metros e ali tinha serra de dois mil metros e um pouco mais, o tempo que eu tive foi de tentar reacender o avião e não consegui. Como eu não consegui, já fui buscando local para pouso. Fui encontrando um vale, desviando das árvores maiores até que consegui pousar em um valezinho no meio de duas serras”, recordou Antônio Sena.

“Então o avião entrou e eu bati nos açaizeiros e a aeronave entrou de bico no igarapé certinho. Ele está de cara no igarapé. Como é tudo muito rápido, eu só lembro de conseguir sair do cockpit e minha mochila estava jogada do lado, peguei minha mochila, um saco de pão, algumas coisas e me afastei da aeronave, que tinha muito óleo diesel. Aí peguei uma corda e o que pude pegar que tinha na aeronave e que fosse me ajudar no meio do mato. Não demorou muito e a aeronave começou a pegar fogo. Ela está queimada. Uma parte esta queimada”, detalhou.

O piloto paraense Antônio Sena disse ainda que marcou pelo GPS a localização da queda da aeronave em que estava. “Ainda fiquei uma semana lá. Eu ouvia aeronave passar um pouco longe, nenhuma muito próximo. Passada uma semana que vi que demorou e mudou a frequência de aeronaves entendi que não viriam mais”, relatou Antônio Sena ao comentar o momento em que decidiu buscar ajuda.

*Com informações da Agência Pará

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se