25.7 C
Vitória

Queimada na Amazônia em junho é a maior dos últimos 13 anos

Leia também

Gilmar Mendes: ‘Se tivesse havido maior coordenação, teríamos muito menos mortes’

Ele lembrou ainda o impacto da realidade sanitária e da desigualdade social do País no agravamento da crise

Força-tarefa da Postalis e PF miram lavagem e fazem busca no RJ atrás de R$ 45 milhões

Ao todo os agentes cumprem seis mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro

Para delegado, abordagem de PMs a cliente negro foi ‘inadequada e truculenta’

Segundo a administração do shopping, ambos trabalhavam para uma "empresa de consultoria de segurança", que foi afastada

Mesmo com o Exército na região, as queimadas na Amazônia têm maior número de focos de calor no mês desde 2007

André Borges (AE)

O Brasil fecha o mês de junho com o maior número de focos de queimadas na Amazônia dos últimos 13 anos. São dados oficiais, do próprio governo federal. Foram registrados 2.248 focos de calor neste último mês, um volume que não era atingido desde 2007 e que representa um aumento de 19,57% em relação ao registrado em junho de 2019, quando 1.880 focos foram detectados.

Os dados são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), órgão ligado ao Ministério da Ciência e Tecnologia.

Os números alarmantes colocam em xeque as medidas que o governo tem adotado para evitar que se repita o cenário catastrófico ocorrido no ano passado. O que tem ocorrido, porém, é uma devastação ainda pior.

O controle do desmatamento saiu do Ministério do Meio Ambiente e migrou para o chamado Conselho Nacional da Amazônia, liderado pelo vice-presidente Hamilton Mourão.

Numa tentativa de dar uma resposta à situação, o governo iniciou, em 11 de maio, a operação militar “Verde Brasil 2”. Os resultados da operação, porém, como revelou o jornal O Estado de S. Paulo, estão inflados, embutindo em seu balanço operações de combate ao desmatamento que não tiveram nenhuma ligação com o apoio militar.

O decreto 10.341/2020, que autorizou o emprego das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO), criando a operação Verde Brasil, tem custo mensal de R$ 60 milhões, o equivalente a quase 80% do orçamento anual de fiscalização do Ibama, mas a resposta aos altos índices de desmatamento não chegou.

“As queimadas contribuem simultaneamente para as crises globais do clima, da biodiversidade e com a catástrofe sanitária na região. O Brasil precisará fazer mais, muito mais, se quiser detê-las, fortalecendo os órgãos de controle, com planos permanentes e metas claras, e não de operações pontuais e custosas”, diz Rômulo Batista, da campanha e Amazônia do Greenpeace.

queimada_Amazônia
Foto: Victor Moriyama/ Greenpeace

Catástrofe

Na avaliação do especialista, os próximos três meses poderão ser catastróficos ao País. “É difícil nutrir esperança de que a catástrofe ambiental que vimos no ano passado, marcada por uma série de queimadas criminosas, seja menor em 2020. Afinal, a contenção do colapso está nas mãos de um governo que joga contra o meio ambiente e vem se mostrando incapaz de combater a destruição do maior patrimônio de todos os brasileiros, a Amazônia”, afirma Rômulo.

Na semana passada, um grupo formado por quase 30 instituições financeiras em todo o mundo divulgou uma carta na qual exige que o governo brasileiro freie o crescente desmatamento no País. A informação foi noticiada pelo jornal britânico Financial Times.

Para o grupo, a continuidade da prática criou “uma incerteza generalizada sobre as condições para investir ou fornecer serviços financeiros ao Brasil”. “É provável que os títulos soberanos brasileiros sejam considerados de alto risco se o desmatamento continuar”, escreveu o grupo, conforme reproduziu o jornal.

Ameaça

O assunto foi comentado pelos presidentes dos bancos Bradesco e Itaú. A questão ambiental é, na opinião do presidente do Itaú Unibanco, Candido Bracher, o principal “perigo” que ameaça o Brasil. “No momento em que a sociedade se percebe frágil, a gente deve olhar para outros perigos. As consequências ambientais podem até vir de uma maneira mais lenta do que as da saúde como a covid-19, mas são mais duradouras e difíceis de reverter”, declarou.

O presidente do Bradesco, Octavio de Lazari, destacou que “todo mundo falava de sustentabilidade, de problema com o Planeta, de aquecimento global, reflorestamento, derrubada, de qualidade do ar, da água, todo mundo falava sobre isso, mas de fato nós temos de reconhecer que fizemos muito pouco em relação a isso”.

- Continua após a publicidade -

Comunhão Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Canta Recife Experience com Rodolfo Abrantes e esposa

O Canta Recife Experience é o primeiro evento drive-in cristão do Nordeste. Saiba mais!

Semana de lives da Consciência Cristã 2021; Confira as datas!

O tema das lives, que acontece de hoje, 3, até sábado, 8, é "Feitos à imagem de Deus", que será a abordagem do Consciência Cristã 2021

Helena Tannure e Alda Célia no Congresso Vitoriosas

É a terceira edição do evento, que é voltado para mulheres. O tema do Congresso Vitoriosas 2020 será Transformadas. Saiba mais! 

Lagoinha abre curso Linhas de ensino; Saiba mais!

As aulas das turmas do primeiro módulo do Curso Linha de ensino se iniciam a partir de 17 de agosto. Saiba mais!

Plugue-se

Baltazar, o atacante brasileiro “artilheiro de Deus”

Conhecido como Baltazar, o "artilheiro de Deus", foi destaque na década de 80, atuando pelo Grêmio de Porto Alegre e hoje, aos 61 anos é pastor e empresário. Conheça essa história!

“Entre a vingança e o perdão”: superando as dificuldades

Deus e perdoa, e você? Embarque nessa viagem sobre superação e perdão com “Entre a vingança e o perdão” 

‘Fala, Pai’: podcast especial para homens

O "Fala, pai" apresenta  31 reflexões, com cerca de três minutos voltadas para os homens. Saiba mais!

Dia dos Pais: aqueça os corações com um bom filme

O Dia dos Pais é celebrado neste domingo, 9, mas que tal aproveitar o fim de semana para aquecer o coração com um filme especial?