Qual é a minha vocação?

Alessandro Vieira Nunes é pastor de jovens. Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

“A vocação não é algo que criamos, é algo que Deus coloca dentro de nós. Mas, claro, sem desprezar nossos sentimentos e emoções”

“Todo discípulo de Jesus tem dupla vocação assim como uma dupla cidadania (a terra e o reino de Deus)”. Como assim? Dupla vocação porque todos somos vocacionados, em Cristo e no poder do Espírito Santo, para servir a Deus e sua missão no mundo. Essa é a vocação geral que todos têm: “Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo” (Jo 17:18 e 20:21). Um discípulo, queira ou não (e é melhor que queira, pois isso demonstra obediência), é vocacionado/chamado para ser um instrumento da missão de Deus no mundo!

Dentro da vocação geral, cada pessoa tem a vocação específica. É a vocação a um tipo de ministério (serviço) que tem exigências únicas para a vida de cada filho e filha de Deus, e esse não deve ser buscado sem oração, conselho e exame espiritual. Diferentemente de Paulo, o apóstolo João não plantou igrejas. Alguns dos apóstolos escreveram o Evangelho, enquanto outros não. Alguns foram sacerdotes, outros profetas. Alguns foram mestres, enquanto outros apóstolos. O conceito de vocação, por vezes, é mal compreendido na comunidade cristã jovem. A oportunidade de compreender a vocação de Deus na vida de um cristão jovem pode às vezes ser confundida com sonhos e ambições pessoais.

A vocação não é algo que criamos, é algo que Deus coloca dentro de nós. Mas, claro, sem desprezar nossos sentimentos e emoções. Veja como a dupla vocação é clara na visão de Paulo: “Paulo, servo de Jesus Cristo, vocacionado/chamado para ser apóstolo” (Rm. 1:1). Antes de ser apóstolo (vocação específica), é servo (vocação geral). Enquanto a vocação geral a todos é clara e imutável, a específica nem sempre!

A oportunidade de compreender a vocação de Deus na vida de um cristão jovem pode às vezes ser confundida com sonhos e ambições pessoais

Essa vocação pode ser um processo. Estudei e servi na condição de líder em um centro missionário por quatro anos e meio. Observei jovens que chegaram ao centro totalmente certos e convictos, outros com algumas indicações, no entanto, uma boa parte não tinha ideia alguma de sua vocação. Existem aqueles que chegam certos de que serão missionários na África e Deus os envia para as comunidades pobres de suas próprias cidades. Há quem pense que será futuro mestre e torna-se plantador de igreja. Mais do que certezas em relação à vocação específica, Deus requer obediência, santidade e disponibilidade.

Preste atenção aos desejos e anseios que Deus tem colocado em seu coração. Seu coração “arde” para fazer o quê? Ouça com interesse e discernimento os conselhos e encorajamentos de líderes missionais, pais, pastores e discípulos. Deus colocou e coloca pessoas na igreja e em nossas vidas para nos ajudar a aprender mais sobre Ele, seus caminhos e seu propósito para nossas vidas.

Oito sugestões para descobrir sua vocação

Na rede de relacionamentos, onde Deus usa a todos de maneira diferente, ele chama para uma obra. Todos somos missionários, cooperadores com Deus. E para responder a esta pergunta, eu ofereço oito sugestões sobre como você sabe que tem uma vocação.

01)  Seu conjunto de talentos, habilidades, capacidades está identificado. Você sabe o que você sabe? Você sabe o que você pode? Você sabe o que você não pode? Você sabe que responsabilidade você pode assumir? Você conhece o seu conjunto de talentos? Hoje, acredito que Paulo trataria os dons espirituais como sendo conceito de inteligências múltiplas. Ou seja, você pode ser néscio numa coisa, mas é inteligente noutra. Por exemplo: Tem gente que é bom em matemática, mas é inepto com o filho. O outro sabe analisar toda a complexidade do comportamento humano, mas a sua vida financeira é uma catástrofe. Quando você tem seu conjunto de talentos identificado, já é um bom passo para discernir sua vocação.

02) Você sabe que tem uma vocação quando este conjunto de talentos, habilidades, capacidades está disponibilizado de forma organizada e estruturada. Ou seja, você tem uma rotina para fazer tal coisa, você tem critério para fazer. E se você só fez uma vez na vida, isso não quer dizer que é uma vocação. Vocação é o que você faz sempre.

03) Você sabe que tem uma vocação quando faz o que faz independente da remuneração. Se você tivesse que pagar para fazer, você pagaria. É fazer aquilo que te faz bem e se você receber por isso, amém, se não receber continua fazendo. O apóstolo Paulo tinha uma vocação, a de apostolar, mas ele de vez em quando fazia tenda. Outro exemplo, foi uma madre que recebia um financiamento de um milionário para fazer uma obra social, quando este milionário foi ver o trabalho de perto e se deparou com a miséria do povo e da situação, ele disse a ela que nem que pagassem a ele, ele faria aquele trabalho. Ela respondeu que também não faria, nem que pagassem, mas ela fazia por uma compulsão divina que a levava a fazer aquele trabalho.

04) Você sabe que tem uma vocação quando existe uma necessidade no mundo pela qual você se sente responsável. Quando você se sente responsável por uma instituição, uma causa, um grupo social, uma nação etc. Nem todo mundo precisa se sentir responsável pelas crianças perdidas nas ruas da cidade, ou pelo estado em que se encontra a educação no país, mas alguém vai se sentir responsável por isso. Pelo que você se sente responsável?

05) Você sabe que tem uma vocação quando há algo que você faz e para fazê-lo precisa de mais do que intuição. Você precisa se especializar, estudar, e se compromete em aperfeiçoar-se. Vai em busca de ferramentas possíveis. Você se dedica a crescer no contexto da sua vocação. Por exemplo, há vocação em ser mãe. Susana Wesley, cuidou de 19 filhos, e dois deles foram responsáveis por um grande reavivamento da igreja, a saber, John Wesley e Charles Wesley. Hoje, vivemos numa sociedade em que se a mulher responde que sua profissão é “do lar”, é algo pejorativo. Mas, se você entende que esta é a sua situação… se você entende que sua vocação é ‘ser mãe’, quantos livros sobre educação de filhos você já leu? Com quais pessoas tem conversado sobre a melhor forma de educá-los?

06) Você sabe que tem uma vocação quando aquilo que você faz, apesar de todo seu talento, capacidade, habilidade, só pode ser explicado pelo Espírito Santo. Na sua intimidade, você sabe que o que acontece no seu comprometimento só se explica pela obra do Espírito Santo em sua vida. É quando Deus te leva para algum lugar para servir naquele contexto, e Deus dá o necessário. Você não sabe o que está fazendo ali, mas entende que Deus te enviou para lá.

07) Você sabe que tem uma vocação quando as pessoas dão feedback e glorificam a Deus pela sua vida. Quando Dorcas morreu, as pessoas foram até os apóstolos pedindo que a ressuscitassem. Quando foi que alguém agradeceu a Deus pela sua vida? A vocação não é um hobby que você curte ou gosta. Não é você achar que canta, mas quando canta todo mundo sai de perto. O outro é que diz que você tem vocação.

08) Você sabe que tem uma vocação quando no final de uma leitura sobre vocação, você não fica com um monte de dúvidas. Se no final desse simples artigo você ficar com um monte de interrogação na cabeça, é porque você não descobriu sua vocação ainda. Pois, se você conseguiu em alguma das sugestões discernir sua vocação, se em algum momento você disse “Falou comigo!”, então você já conhece sua vocação. Caso contrário, pergunte a Deus: Deus o que o senhor quer que eu faça? Peça a Deus uma vocação. O compromisso de serviço no reino de Deus que eu chamo de vocação é uma das coisas que considero ser parte da saúde espiritual e o compromisso com o discipulado de Jesus.

Está faltando algo na sua vida? Não venha com o papo de que: “Eu sei, mas estou dando um tempo”. Muito menos venha pedir a Deus um espaço de tempo para poder servir que a resposta é “NÃO!”. Servir faz parte de sua cura.

Lembre-se que você sabe que tem vocação quando não precisa ganhar para fazer. O paradoxo do reino de Deus é que pensamos que temos que dar tudo, mas esquecemos que Deus pode nos dar muito mais. Eu já vivi a experiência de marcar um compromisso de pregar em um lugar, e quando chega o dia eu fico frustrado em ter que ir. Mas, quando retorno eu me sinto humilhado, pois Deus me dá muito mais do que eu imaginava.

Sugiro a você uma lição de casa: faça uma avaliação de quais são seus hábitos de atenção exclusiva para Deus. Faça uma avaliação das gavetas da sua vida, se caso tem algum esqueleto guardado lá. Não brinque com Deus, quem sai perdendo é você. Tenha uma conversa séria a respeito de sua vocação. Peça uma ou renove o compromisso de serviço pessoal. Mas, realize esta lição de casa na sua intimidade, e de joelhos. Deus te dará a recompensa (Mt 6: 6).


Alessandro Vieira Nunes é pastor de jovens na Sétima IEQ de Curitiba/PR. Professor de teologia e coordenador EAD no Centro Vocacional Quadrangular. Teologia pela FTSA e Missão urbana e transcultural pelo CTMQ-PR.