22.4 C
Vitória
quarta-feira, 27 janeiro 2021

Psicofobia. É uma doença ou um crime?

Mais Artigos

Fazejamento

Deixe o passado no passado e avance de maneira firme e constante em direção as coisas que vêm adiante.

Feminismo segundo a TV Record

Não importam os rumos que a trama da TV Record venha a tomar, ela abre espaço para discutirmos as origens do feminismo e até onde os feminismos de hoje estão sendo positivos ou negativos para a mulher

Seria a Bíblia atual?

De fato, propor uma ética bíblica não é tarefa fácil, mas a Bíblia continua válida hoje como o foi no passado.

Perdendo a capacidade de distinguir o real do imaginário, o indivíduo vive em função de seu mundo interior, apegando-se às alucinações

Por Clovis Rosa Nery

Em conformidade com a psicanálise, os transtornos mentais são de natureza neurótica, psicótica ou pervertida. Na pós-modernidade, parece que a perversão de outrora vem recebendo uma conotação recodificada.

A fobia é uma neurose. No neurótico há excesso de ambiente, e no psicótico, há falta. No primeiro caso, o paciente vive ligado a tudo; no segundo, ocorre o inverso. Ele desliga-se da realidade.

Todos nós temos nossa quota de resistência para suportar as adversidades. Porém, extrapolando-a surge o quadro patológico. No caso da neurose, geralmente a sua manifestação decorre do excesso de imposições, quando a pessoa, num comportamento confluente, habitua-se a recalcar-se e introjetar algo sem assimilar. Em outras palavras, frustra-se um desejo aqui, outro ali, e o organismo suporta, mas quando o limite do razoável é rompido, ele reage, via neurose.

Quanto à psicose, não há recalque, nem censura alguma. Perdendo a capacidade de distinguir o real do imaginário, o indivíduo vive em função de seu mundo interior, apegando-se às alucinações.

Tanto num quadro neurótico, quanto psicótico, se investigarmos as causas, constataremos uma policausalidade, com interações de fatores bio/psico/social/espiritual. Freud dizia que, em algum nível, todos nós temos tendência neurótica ou psicótica. Ele chegou a brincar com Jung, certa vez, ao dizer-lhe que ele tinha uma inclinação neurótica, e seu discípulo, psicótica. A verdade é que, ante a superioridade cósmica e a limitação humana, somos vulneráveis, uns menos, outros mais.

Buscando nos registros históricos, contatamos que a humanidade, às vezes, lança mão de certos meios, ainda que questionáveis eticamente, para aliviar seus estados de tensão. Muitas guerras ocorridas são exemplos disso. Individualmente, fazemos o mesmo, embora num grau mais “saudável”, quando nos envolvemos em trabalhos intelectuais ou compulsivos. Porém, alguns seguem o mundo dos vícios, drogas e crimes. Por isso, dizia Guimarães Rosa: “Viver é perigoso”.

Nesse ariscado ato de viver, a que todos nós somos submetidos, surgem várias psicopatologias, dentre elas o medo. Quando dentro dos limites indispensáveis à preservação da vida é uma “neurose” suportável. Contudo, diante das vicissitudes hodiernas os extremos têm atingido proporções dantescas, levando a pessoa a desconectar-se da realidade, e “afogar-se” num imaginário obsessivo. Nesse nível, estamos diante de um quadro de fobia que é uma doença psíquica. Daí surgiu a palavra psicofobia.

Entretanto, nos últimos tempos, tem-se atribuído o termo psicofobia ao comportamento de estigma que alguns dispensam às pessoas com transtorno mental, contribuindo para agravar seu sofrimento.

Essa proposta neologística que recebeu boa aceitação no mundo acadêmico surgiu na Associação Brasileira de Psiquiatria para distinguir esse tipo de violência psíquica das demais. Vem conquistando espaço e atenção no universo midiático.

É indiscutível que o comportamento aqui batizado de psicofobia é preconceituoso, repugnante, fruto de personalidade mesquinha, insensível, abusiva e inclinada ao retrocesso, porque era isso que se fazia na idade média, por ignorância, rotulando o doente mental de endemoniado.

Portanto, a psicofobia, no primeiro caso mencionado é uma doença (CID 10-F.40). No segundo, é um crime, sujeitando os protagonistas às penalidades previstas na legislação.

Clovis Rosa Nery. Psicólogo e escritor

- Publicidade -

Comunhão Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Corrente do bem: Levando oxigênio para quem precisa

Voluntários da Corrente do bem em Manaus! Grupo de amigos se juntou para dar apoio às pessoas que não conseguem internação e estão sendo tratadas em casa. Saiba mais!

Lideranças religiosas protocolam pedido de impeachment contra Bolsonaro

Documento é assinado por 380 pessoas ligadas a diferentes denominações evangélicas, além da igreja católica e de 17 movimentos cristãos. Saiba mais!

Debate nos EUA: Transgênero na pauta de Biden

Presidente americano revogou decisões de Trump que proibia a atuação de transgênero nas Forças Armadas. Saiba mais!

Pandemia faz Brasil registrar recorde de mortes

Elevação em 2020 foi a maior registrada desde 1999, início da série histórica das estatísticas de mortes no país. Saiba mais!

Entrevistas

Ilma Cunha: depressão e ansiedade na pandemia

Já viu como tem gente deprimida e ansiosa à nossa volta? As doenças da alma ganharam força total nesta pandemia. Confira a entrevista!

Entrevista com o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande

“O melhor dos cenários para 2021 é com vacina” "O melhor dos cenários para 2021 é com vacina” Por Luciene Araujo “Vamos andar mais rapidamente que o...

Papai Noel – O que ele tem a dizer?

Comunhão “conversou”com “Papai Noel”. Numa entrevista fictícia, ele explica os símbolos e significados do Natal e porque seu personagem tomou o lugar de Jesus...

Mirna Borges: Finanças, planejamento e controle

Uma das principais influenciadoras de finanças no Brasil, Mirna Borges, dá dicas de como sair do vermelho, acertar as contas e ter uma vida mais próspera com o dinheiro, através de princípios bíblicos. Confira!