Aline Barros ganha processo contra backing vocal

Foto: Divulgação

Comunicado enviado à imprensa nesta quinta (28) mostra que justiça julgou o caso como improcedente. Cantora foi acusada por uma ex-backing vocal de ter sido demitida por ser homossexual

A 4ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro arquivou nesta quinta (28) o processo que transitava na comarca contra a cantora Aline Barros. Em comunicado oficial divulgado à imprensa pela AB produções, diz que o juiz considerou a ação contra a cantora como improcedente.

“Após oferecer todas as informações e provas solicitadas nos autos daquela ação judicial, no dia 31/01/2019, o excelentíssimo Juiz da 4ª Vara do Trabalho proferiu sentença através da qual julgou IMPROCEDENTES TODOS OS PEDIDOS FORMULADOS PELA SRA. REJANE, condenando-a, inclusive, ao pagamento de custas judiciais e expressivos honorários advocatícios sucumbenciais, algo que pode ser facilmente verificado através de simples consulta feita junto ao site do TRT da 1ª Região”, diz o comunicado.

Aline foi alvo de um processo movido pela ex-backing vocal de sua banda de apoio, Rejane Silva de Magalhães em agosto do ano passado. Rejane disse ter sido demitida pela cantora por ser gay. E pediu indenização de R$ 1 milhão, alegando também não ter recebido direitos trabalhistas durante os dez anos em que prestou serviços.

Na época, Aline enviou comunicado à imprensa negando a acusação. Ela disse que Rejane não era contratada e “prestou serviços eventuais”. Ainda afirmou ter recebido a notícia com “surpresa e decepção”.”Minha crença cristã jamais me permitiria agir de forma ilegal, desleal e/ou preconceituosa com quem quer que fosse”, diz Aline.

Segundo o comunicado da AB Produções, a justiça arquivou o processo. E que Rejane ainda não entrou com recurso. “A clareza e firmeza com as quais a justiça apreciou e analisou os fatos e provas levados aos autos do processo foi tamanha que a Sra. Rejane sequer lançou mão de qualquer recurso, tendo àquela sentença transitado em julgado no último dia 18/02/2019, quando o referido processo foi arquivado de forma definitiva”.


Leia mais

Confira o novo EP de Aline Barros: “Viva”
Exclusivo: Aline Barros lança Eternidade