Por que nossa cultura não pratica a circuncisão?

Anônimo

O Antigo e o Novo Testamento formam a Bíblia Sagrada, que, desde o Gênesis até o Apocalipse, aponta para Jesus, aquele pelo qual todas as famílias da terra seriam abençoadas.

Em Cristo, as exigências cerimoniais e sacerdotais do Pentateuco/Lei Mosaica foram todas cumpridas. Elas direcionavam para o Sumo Sacerdote, que pagaria o preço de todos os pecados cometidos pelo Seu povo/Sua Igreja.

Por meio do sacrifício do Santo Cordeiro, cada pessoa que confessa com seus lábios e, com o coração, crê que Ele é Senhor e Salvador, passa a ser também um sacerdote do Messias, ou seja, consagrado ao Príncipe da Paz, alguém separado para glorificar ao Altíssimo com toda a sua vida. Passa da morte para a vida, da condenação eterna (inferno) para a salvação eterna (céu). Por essa razão, nós, cristãos, não circuncidamos nossos filhos.

Essa exigência cerimonial já se cumpriu em Cristo, estamos na Nova Aliança. Consagramos nossos filhos ao Senhor nos dias atuais orando por eles e ensinando-lhes, pelo nosso exemplo, os caminhos do Senhor desde a tenra idade, de maneira que possam ter seu encontro pessoal e salvífico com Jesus e receber a Salvação eterna.

Recomendo, ainda, detida leitura do livro aos Hebreus, na Bíblia Sagrada.