22.7 C
Vitória
segunda-feira, 15 agosto 2022

População fora da força de trabalho soma 76,4 milhões, diz IBGE

força-de-trabalho
foto: Reprodução

Na população fora da força de trabalho, o contingente de pessoas em situação de desalento ficou em 5,723 milhões

Por Vinicius Neder

Com a flexibilização das regras de distanciamento social em várias localidades do País no ano passado, houve uma queda 3,4% na população fora da força de trabalho no trimestre móvel terminado em novembro, na comparação com o trimestre móvel imediatamente anterior, conforme a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada nesta quinta-feira, 28, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

São 2,727 milhões de pessoas que deixaram a população fora da força em um trimestre. Na comparação com igual período de 2019, a população fora da força saltou 17,3%, com 11,291 milhões de trabalhadores a mais nessa situação. A população fora da força de trabalho somou 76,4 milhões no trimestre até novembro.

A população na força de trabalho ficou em 99,601 milhões de pessoas, alta de 4,3% ante o trimestre móvel imediatamente anterior, com 4,141 milhões de trabalhadores entrando no mercado O movimento foi puxado pelo avanço da ocupação, cujo contingente aumentou em 4,8% em um trimestre, com 3,912 milhões de vagas de trabalho a mais. A população desocupada cresceu apenas 1,7%, para 14,023 milhões.

Na população fora da força de trabalho, o contingente de pessoas em situação de desalento ficou em 5,723 milhões, uma queda de 2,2%, considerada estabilidade pelo IBGE, ante o trimestre móvel imediatamente anterior. Em relação a um ano antes, porém, esse contingente cresceu 22,9%, com 1,067 milhão de pessoas a mais nessa condição.

A população desalentada é definida como aquela que estava fora da força de trabalho por uma das seguintes razões: não conseguia trabalho, ou não tinha experiência, ou era muito jovem ou idosa, ou não encontrou trabalho na localidade – e que, se tivesse conseguido trabalho, estaria disponível para assumir a vaga. Os desalentados fazem parte da força de trabalho potencial.

No total, a força de trabalho potencial somou 11,426 milhões de trabalhadores no trimestre móvel até novembro. É uma queda de 15,8% ante o trimestre móvel anterior, mas um salto de 47,1% na comparação com igual período de 2019.

Em um ano, são 3,660 milhões de trabalhadores a mais na força de trabalho potencial, indicando que boa parte das pessoas que perderam seus trabalhos, formais ou informais, por causa da crise da covid-19, provavelmente desistiram de procurar emprego e foram para fora da força de trabalho.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se