PMDB defende reforma federativa no país

Segundo o vice-presidente da República, Michel Temer, a proposta do partido é redefinir as atribuições da União, dos estados e dos municípios.

O vice-presidente da República Michel Temer esteve em Vitória nesta segunda-feira (15) para defender a unificação de discurso e filosofia entre os militantes do PMDB, partido tradicionalmente reconhecido pela falta de consenso, especialmente em temas polêmicos; defender a reforma federativa e comunicar que alguns apoios do PMDB para as eleições municipais no Espírito Santo.

“Estamos propondo estudos referentes à revisão da Federação brasileira. Você sabem que o Brasil é o único pais do mundo em que a federação não é apenas de estados, mas de estados e municípios. Será que temos um verdadeira federação no país? Estados e muito menos os municípios têm condições de sobrevivência por conta própria. Porque temos uma vocação centralizadora extraordinária. Sempre foi assim no Brasil”, argumentou. O vice-presidente destacou ainda que o município não pode apenas ter competências, mas tem que ter recursos para prover a essas competências. Essa será a tônica da campanha do PMDB”, completou Temer.

Acompanhado dos ex-ministros Moreira Franco e Eliseu Padilha, respectivamente presidente e vice-presidente da Fundação Ulysses Guimarães, defendeu uma reestruturação do partido por meio do movimento que vem sendo chamado de “Caravana da Unidade”, que prevê visitas em todas as regiões do país. Na capital capixaba, o encontro com lideranças peemedebistas do Espírito Santo contou com a presença do deputado federal Lelo Coimbra (na foto abaixo com Temer), que teve sua candidatura à Prefeitura de Vitória defendida e pelas Executivas estadual e nacional do Parido, assim como Marcelo Santos para Cariacica, Guerino Zanon para Linhares e Hércules da Silveira para Vila Velha.

O ex-ministro Moreira Franco justificou os críticas que vem sendo feitas pelo PMDB ao PT. “As críticas que fizemos decorrem de estarmos vivendo a mais dura crise econômica da história e nós do PMDB apresentamos uma proposta que é a ‘ponte para o futuro”, que defende uma série de medidas que o governo deveria tomar para que pudéssemos superar essa crise, mas lamentavelmente isso não vem ocorrendo. Não podemos ficar caladas diante de um quadro que atormenta a vida de milhões de brasileiros e tira conquistas que tivemos nos últimos 10 anos. Então o que queremos é deixar de ser o partido que garante a governabilidade na Câmara e no Senado, para ser o partido que governa o Brasil”, afirmou Moreira Franco.

Enquanto os diversos cientistas políticos e econômicos ouvidos pela ES Brasil nos últimos 12 meses enfatizaram que a desordem política do país tem agravado a crise econômica, o ex-ministro defendeu que a é a crise econômica que tem gerado os problemas políticos. De acordo com o plano apresentado pelo PMDB, os alicerces a recuperação econômica do Brasil seriam o governo gastar menos, taxas de juros menores, equilíbrio fiscal e segurança jurídica. “O governo precisa entender que esse modelo de política econômica não vai resolver o problema do Brasil”, enfatizou.

Em coletiva, o vice-presidente Michel Temer falou sobre o momento atual do partido, incluindo as polêmicas com a presidente Dilma Rousseff (PT), e do país. Segundo ele, a relação com a presidente e ao PT não mudou após a polêmica carta em que reclamou da falta respeito do PT para com ele. “Nada mudou. Mandei uma carta de natureza pessoal, que lamentavelmente foi divulgada, mas ela não muda o aspecto institucional”, disse. Para a pergunta sobre o rompimento com o governo, respondeu que: “A tendência é que o PT terá o seu candidato, e o PMDB vai ter o seu”. O vice-presidente não quis falar sobre o processo de Impeachment da presidente Dilma: “Esse é um assunto do Congresso Nacional, não é um assunto da vice-presidência”, respondeu.

E ao ser questionado sobre o fato de haver apenas 50 milhões garantidos para a obra do Aeroporto de Vitória, Temer disse: “enquanto houver dinheiro ela continuará tendo andamento, mas quando acabar, será necessário corrermos atrás de mais dinheiro”. Resposta que deixou entrelinhas a possibilidade de que mais uma vez as obras sejam paralisadas.

Além de ouvir sugestões das lideranças capixabas, a ideia da caravana é pedir mais força nas candidaturas nos pleitos municipais este ano e já fortalecer a campanha de Temer para reeleição da presidência nacional do PMDB, no dia 12 de março. Em suas viagens pelo Brasil, Michel Temer tem buscado criar uma atmosfera propicia ao lançamento de um peemedebista na disputa à presidência em 2018. O vice-presidente disse que é necessário muito empenho para fazer um número significativo de prefeitos do PMDB, o que, segundo ele, possibilitaria um pensamento unificado para centralizar forças em torno de um presidente da República. “Temos uma vocação centralizadora extraordinária”, alegou. De acordo com o presidente do PMDB no Espírito Santo, Lelo Coimbra, já existem 22 pré-candidatos. Presidente da Comissão Mista de Orçamento, a senadora Rose de Freitas não esteve presente à reunião pro motivo de saúde.