23.8 C
Vitória
quinta-feira, 18 abril 2024

Petrópolis: proibida ‘linguagem neutra’ em materiais didáticos

Câmara Municipal de Petrópolis (RJ) - Foto: Reprodução

Para os vereadores da Cidade Imperial, a medida beneficia, principalmente os adultos e idosos, como também os deficientes visuais e auditivos

Por Patricia Scott [Diário de Petrópolis]

Em Petrópolis (RJ), uma lei determina a obrigatoriedade do uso das regras gramaticais da Língua Portuguesa. Dessa forma, fica vetada a chamada “linguagem neutra” em materiais didáticos e editais no município da Região Serrana.

A Lei Municipal 8.585/23 proíbe que bancas examinadoras de processos seletivos e concursos públicos utilizem na grade curricular, material didático e em editais novas formas de flexão de gênero. E os materiais didáticos adotados pela rede municipal de ensino deverão estar em conformidade com as normas legais de ensino estabelecidas nas orientações nacionais da Educação.

A proposta é de autoria dos vereadores Octavio Sampaio, Mauro Peralta e Marcelo Lessa. “A língua de um povo é elemento indissociável da cultura, dos valores, da identidade e da história comum, não devendo ser modificada pelo uso da força ou do viés político-ideológico”, afirmou o vereador Octavio Sampaio.

- Continua após a publicidade -

O parlamentar também expôs a preocupação com o prejuízo aos disléxicos, deficientes visuais e auditivos. De acordo com Sampaio, eles “somam mais de 45 milhões de brasileiros e que serão atingidos em cheio. Os disléxicos, por exemplo, têm dificuldades de leitura, escrita e soletração, um problema que a linguagem neutra tende a piorar”.

Segundo a nova legislação, a “linguagem neutra” é toda e qualquer forma de modificação do uso da norma culta da Língua Portuguesa e seu conjunto de padrões, seja escritos ou falados. A intenção é anular as diferenças de pronomes de tratamento masculinos e femininos.

“Felizmente não seremos obrigados a gastar uma montanha de dinheiro, mudando nosso material didático e poderemos destiná-lo a outras pautas inclusivas, como a contratação de mediadores escolares para nossas crianças do espectro autista, surdez, cegueira ou qualquer deficiência”, ressaltou o vereador Mauro Peralta.

Para os vereadores de Petrópolis, a “linguagem neutra” traz graves dificuldades especialmente para adultos e idosos. “São pessoas que já estão adaptadas à nossa Língua Portuguesa. No final das contas, gera mais exclusão do que inclusão”, disse Marcelo Lessa.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Publicidade

Comunhão Digital

Publicidade

Fique por dentro

RÁDIO COMUNHÃO

VIDA E FAMÍLIA

- Publicidade -