back to top
28.8 C
Vitória
segunda-feira, 20 maio 2024

Petróleo: escalada da guerra é “tempestade perfeita”

guerra
"O preço do petróleo já está afetado, piorar mais a guerra é a tempestade perfeita", comentou o presidente da Petrobras - Foto: Lula Marques/Agência Brasil

Jean Paul Prates afirmou que o preço dos combustíveis fósseis podem disparar se países produtores se envolverem nos recentes conflitos

O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, avalia que, no momento, não há indícios de que a guerra entre Israel e o grupo Hamas interfira no preço dos combustíveis no Brasil. Contudo, se o conflito se alastrar, será a “tempestade perfeita” no mercado de petróleo e gás.

Prates reconheceu que o conflito já apresentou um impacto inicial no preço do petróleo, mas que houve uma estabilização após alguns dias. Segundo ele, a cotação do petróleo atualmente, em cerca de US$ 91 por barril (Brent), é alta, “mas não tem, necessariamente, a ver com esse conflito em si”. “Já tinha uma inflação estrutural acontecendo.”

E declarou, em uma análise no curto prazo: “Até que se alastre o conflito para um país produtor, falando de forma até um pouco insensível, claro que tem uma preocupação humanitária, com o problema da guerra, mas do ponto de vista do mercado de petróleo e gás, por enquanto, não há indício de que haverá alastramento disso para países como Irã, Egito, países produtores.”

Prates afirmou que, das conversas que tem tido até o momento com representantes da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), a intenção é procurar uma solução pacífica para a guerra e evitar um alastramento para o restante do Oriente Médio. “O preço do petróleo já está afetado, piorar mais a guerra é a tempestade perfeita”, comentou.

- Continua após a publicidade -

O presidente da estatal disse ainda que há intenção de se reunir com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para tratar sobre o assunto. Contudo, em meio à recuperação do chefe do Executivo no Palácio da Alvorada após ter realizado duas cirurgias no último dia 29, a agenda de Lula está mais restrita.

As declarações foram dadas no período da manhã, após Prates se reunir com o vice-presidente da República, Geraldo Alckmin, e com o secretário-geral da Opep, Haitham al-Ghais, que visita o Brasil nesta semana. De acordo com o presidente da Petrobras, o encontro foi de cortesia.

Prates acrescentou que a organização está numa “missão” de renovação, trazendo uma visão mais comprometida com a transição energética. “O Brasil é importante, tem recursos naturais abundantes, está fazendo transição energética, é capaz de dar um exemplo como sempre e a gente tem estreitado as relações”, declarou. Com informações de Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Publicidade

Comunhão Digital

Publicidade

Fique por dentro

RÁDIO COMUNHÃO

VIDA E FAMÍLIA

- Publicidade -