“Sepâh”: A perseguição religiosa no Irã

Foto: Luz em Ação

Curta-metragem “Sepâh” usou o general Qasem Soleimani, morto pelos EUA, no último dia 3, como referência para personagem principal. Produção mostra a perseguição religiosa no Irã

Em meio a tensões entre os Estados Unidos e o Irã, a cidade de Natal (RN), virou cenário para um filme curta-metragem, cuja história se passa no país do Oriente Médio. “Sepâh” é baseado em fatos reais e explora uma face dos vários conflitos que existem na região: a perseguição religiosa.

O general Qasem Soleimani, morto pelos Estados Unidos, foi uma das referências para construção do personagem principal. O filme foi todo filmado na capital potiguar pela produtora Luz em Ação, que é cristã, e tem sedes em Natal e em Sierra Vista (Arizona/EUA). Produção também teve parceria com o Ministério Iran Alive.

De acordo com o diretor da produção, Marcelo Enns, a ideia foi “dar voz” a pessoas perseguidas por suas crenças. A história é de um comandante da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã. O oficial vê sua carreira e a vida de sua família em risco após descobrir que a própria irmã é parte do movimento clandestino que a Guarda tem por objetivo exterminar.

O general Qasem Soleimani, morto em um ataque dos Estados Unidos no último dia 3 em Bagdá, no Iraque, foi uma das principais referências visuais para a construção do personagem Amir, protagonista do filme. O lançamento da produção, nas redes sociais, foi antecipada para a última quinta (9) por conta do conflito entre os dois países.

“Em conversas com nossos amigos iranianos, nós conhecemos essa história incrível. A maioria deles não está mais no Irã, porque existe perseguição religiosa. Se você não for da religião predominante, que é islamismo xiita, você corre risco de morte. Nossos amigos refugiados nos contaram essa história e a gente queria ser uma voz para eles”, afirmou.

Atores que trabalharam na produção do filme, que mostrou a perseguição religiosa no Irã. Foto: Luz em Ação
Sobre a produção

O curta foi filmado em um período de oito dias, com sete atores e 17 figurantes. O elenco conta com a atriz iraniana Ferdos Heidari. Além dos brasileiros, pastor Yago Martins, do canal Dois dedos de teologia, e Dalton Neto.

O diretor Marcelo Enns afirma que os projetos da produtora têm como propósito dar visibilidade aos que, em seus próprios países, são censurados e perseguidos por questões religiosas, correndo até risco de morte. “A gente quer ser uma voz para as pessoas que não têm voz, porque seria impossível, dentro do Irã, produzir filmes sobre esses assuntos”, diz.

Assista o filme